h1

1º mesa de Wraith do Angelo

17/02/2009

1º mesa de Wraith do Angelo.

Rolamos de madruga então não espere muitos detalhes. hehe

Tô como Emmet, um ricaço enganado por um culto suicida. Graci tá como Paula, uma violinista promissora que ficou tetraplégica. o Seiya tá de Phil, um médico tipo House relações públicas dum hospital. E a Lara tá de Anna, uma jornalista Lois Lane que teve o filho picado pela máfia.

Ainda vivo, comecei numa sessão normal do culto. Mais tarde na sessão tive uma visão do grande deus-sol que me escolheu para espalhar a palavra entre os impuros e todas essas coisas religiosas. Me foi dado um baúzinho com um pergaminho sagrado, maior prova da minha fé (que era bem fraca até o momento). Voltei pro meu alojamento todo empolgado e alucinado, foi o começo da despirocagem mental.

Paula, na cama do hospital, recebe a visita de uma nova enfermeira. Ela lhe dá comida e Paula nota ser a melhor comida que já teve em toda sua vida. A enfermeira, Laura, diz ser contratada da família de Paula e que vai ajuda-la a se recuperar. Então ela toca a mão de Paula, e Paula sente! Depois de não sentir nada por 4 anos imagine a surpresa. Laura enche o saco de Paula pra levar ela pra passear. Ela a põe num carro e a leva até um mega restaurante italiano caríssimo. E Paula sentindo sua mão ainda. Indefesa, Paula é levada até a mesa e Laura pede um macarrão pra ela. Muito confusa e assustada, Paula implora pra ser levadad e volta. Laura consente. No caminho, Laura faz peripécias com o carro, esperando que Paula reaja com o corpo, mas nada. Voltam pro quarto do hospital.

Anna, voltando da licensa pela morte do filho, chega na redação do Times. É recebida com cochichos e olhares. Na sala do chefe recebe o prêmio pela reportagem que levou o chefe da máfia pra cadeia e seu filho pro túmulo. Depois volta a trabalhar, pesquisando e checando contatos, inclusive Frank, seu contato na puliça. Descobre sobre um tal culto que estaria ligado com o chefe da máfia, Martinelli. Marca encontro com um contato, e lá chegando um cara todo paranóico aparece e lhe dá informações sobre o caso. Ela volta pra casa e na sua secretária eletrônica uma ameaça da máfia. Vai até outro contato em china town, descobre mais sobre a máfia lá e quando vai embora ouve tiroteio. Vai até o túmulo do filho e esconde uma cópia das informações que obteve, e esconde outra cópia no banco.

Phil, no hospital, começa discutindo com um funcionário e começa a papelada para a demissão dele. Depois vai falar com as enfermeiras, procura por casos aleatórios e resolve averiguar o caso de Paula. No quarto dela, chega todo folgado cutucando ela com agulhas, deixando ela bem nervosa. Até que cutuca a mão dela que ela havia começado a sentir. Intrigado pela reação joga Paula numa máquina ne ressonância por quase uma hora. Descobre que o braço de Paula está curado mas não entende por que. Leva-a de volta ao quarto e lhe dá uma bolinha de fisioterapia pra treinar o novo braço, e lhe diz que vai manter segredo da melhoria até que Paula deseje o contrário.

No meu dia seguinte, acordei todo feliz e dei um passeio, quando volto um camarada de culto chega todo afoito na minha casa. Diz que o sumo sacerdote do culto está envolvido com a máfia, mortes de criança e jogatina e sabe lá mais o quê. Diz que viu tudo isso e mostra vários documentos provando. Eu, em negação total, tento achar outra explicação pra tudo aquilo. O cara fica todo nervoso e vai até a janela, paranóico. É quando toma um tiro na cabeça e cai morto na minha sala. Detalhe: esse era o contato de Anna. No pânico, pego o baú e saio correndo loucamente. Um carro me persegue dando tiros. Tento despistá-los correndo por entre as casas, mas quando eu corria para atravessar uma avenida o carro aparece novamente, e antes de me pegar um ônibus arrebenta o carro, matanto mó galera. Saio correndo pro lago onde fui batizado atrás de iluminação, conselho e maluquices gerais.

Anna recebe informção sobre o tiroteio no culto e parte pra lá. Chega, vê o acidente do ônibus e descobre que o carro tava perseguindo alguém. Seguindo os rastros do carro vê que ele veio duma rua. Seguindo a rua vê uma casa com a janela com buraco de bala. Entra e vê o cadáver do contato dela próximo da papelada ligando o culto a máfia. Pega e vai embora. Manda o fotógrafo dela, o Fred que ela insistia em chamar de Jimmy, buscar algo na casa dela, mas o cara se machuca. Vai assim mesmo. Ela vai pra redação do jornal.

No hospital, Paula recebe novamente a visita de Laura, e ativa o outro braço dela e as pernas. Depois de muito questionada ela lhe entrega umas cartas e fotos antigas da família de Paula e revela ser a bisavó morta dela. PAM! Tela azul…
Então Phil entra pra pentelhá-la de novo e encontra Paula mechendo nos papéis com os DOIS braços. Phil não consegue ver Laura, que casca o bico.

No lago do batismo, recebo outra visão dum anjo overfoda que me diz da minha missão no mundo espiritual e em outras vidas. Então me queima o ombro com uma marca bizonha. Quando vai embora me deixa um rastro luminoso que leva até o hospital no quarto de Paula. Vou auto hipnotizado, passando por avenidas em movimento até lá.
Chego e vou entrando, me ignoram aparentando só mais um pregador. Chego no quarto de Paula e encontro ela e Phil. Começo a pregar com o pergaminho sagrado que começa a emanar um brilho forte. Laura diz a Paula que aquele item era poderoso e nas mãos erradas faria muito estrago. Phil pega uma seringa com sedativo e me injeta, me derrubando.

Anna, na redação, falando com o chefe, recebe um vídeo do fotógrafo incriminando mais ainda a máfia. Tenta falar com a polícia mais num ajuda muito. Mais tarde um puliça aparece e leva o vídeo. Mais tarde ela recebe uma encomenda, ao abrir vê a cabeça do fotógrafo decepada. O chefe desmaia e puliça é chamada novamente. Num sei por que mas leva toda redação em cana, inclusive Anna. No xilindró ela recebe um advogado inútil e depois visita dum mafioso que tenta fazer uma acordo. Ela recusa e depois dum tempo é solta.

Eu acordo num hospício, cercado de malucos. O baú ainda está comigo. Os outros malucos me veem e querem pegar o baú brilhante. Tento convencê-los a buscar a luz interna dentro de si, e os malucos começam a cavar em seus peitos puxando os orgãos pra fora. Tento fugir, subo numa árvore, sou cercado. Os malucos desejando avidamente a iluminação. Então eu lembro da minha missãode levar a luz a todos, eu salto no meio deles pregando a palavra enquanto meu espírito é liberto do meu corpo, ou sejam eles me dilaceram e devoram. Puta jeito de morrer.

No hospital, Paula está no quarto quando um cara armado fugitivo entra e imaginando que ela está inconsciente, tranca a porta, coloca uma poltrona travando a porta e senta no chão pra se esconder. Era o cara que matou Fred-Jimmy, o fotógrafo. Depois de um tempo o cara nota que Paula está acordada e ameaça ela, que grita por socorro. Ele pega ela e arrasta pelo chão, enquanto ela esperneia. Ele já de saco cheio mete uns tiros nas pernas dela, que infelismente agora sentia. Então pendura ela fora da janela. Paula, sabendo que ia morrer, pede ajuda a Laura, sua bisa, que empurra o cara pra fora junto com Paula. Ambos se espatifam no estacionamento do hospital.

Anna passa numa igreja e conta tudo o que aconteceu para o padre, para caso algo acontecesse com ela alguém saberia da zona da máfia e Martinelli. Quando volta pra casa encontra Frank, o seu contato policial a esperando com arma na mão. Diz que vai matá-la, discutem por um tempo, ela descobre que Martinelli tem os filhos dele como refém. É executada ali.

Phil entra numa treta com o cara que ele ia demitir e acaba matando o cara num surto de raiva. Ao ir embora sofre um acidente de carro.

Finalmente, na Shadowlands…

Acordo dentro dum casulo melequento e borrachudo, tento sair e sou ajudado por alguém de fora. Quando saio, pelado, encontro Stu, o cara que foi baleado na minha casa. Ele me explica do lugar e ambos concordamos em trazer a luz para o lugar. Ele diz que passou-se 3 anos desde a morte dele. No meu casulo encontro o baú sagrado que veio comigo pra terra dos mortos. Meu corpo tem várias marcas do dilaceramento, além da marca bizonha no ombro. Lá encontro uns daqueles malucos que cavaram dentro de si, num looping eterno da cena de suas mortes. Stu pega umas roupas deles e eu visto. Vamos até a casa dele lá.

Paula sai do casulo e encontra Laura. paula tem uma espécie de exoesqueleto tosco que lhe dá mobilidade. Laura explica as coisas e ambas vão pra casa de Laura.

Anna sai do casulo e encontra Tim, seu filho de 7 anos. O muleke leva junto mais 3 crianças que ela descobre ser os filhos de Frank, o cara que matou ela. Todos falam comos e fossem um, como uma mente de colméia e dizem que Anna também vai virar uma deles. Eles a levam para uma caverna onde moram seguros.

Phil sai do casulo e encontra o cara que ele matou. Explica as coisas pra ele.

Anúncios
%d bloggers like this: