h1

3º sessão da mesa de D&D do Seiya.

17/02/2009

3º sessão da mesa de D&D 3.5 du mal do Seiya.

Só personagens malvados. Essa mesa já é velha, teve várias sessões, mas eu entrei há pouco tempo. Estamos em Forgotten Realms.

Tô como Karion Darkstone, Anão clérigo runecaster de Beshaba, deusa do azar. O Angelo tá de Acheron, humano grande e destruidor seguidor de Bane, e a Graci tá de Noriann, humana cheia das lábia seguidora de Shar. No grupo também tem uns NPCs, a irmã do Acheron, uma ladina, um elfo necromante ex-pj, e um dragão da sombras. Tem o Bardo do Nit que o metre tá levando
enquanto o jogador não aparece.

Estávamos numa cidade, tentando convencer Acheron a ir pra uma outra cidade mas ele teimava em ir pra uma onde sabia que podia consertar seu machadão mágico. Enquanto eu dormia, Noriann, o bardo e a ladra convenceram ele a seguir pra cidade que queríamos.
Acheron foi até o templo escondido de Bane mas chegando lá encontrou tudo destruído e todos Banences mortos.

Nisso Beshaba aparece no meu sonho chamando Acheron de burro por ter entrado na toca dum dragão e pedindo pra eu enviar alguém porradeiro pra dar uma ajuda pra ele. Fui até o templo tríplice de Thorm, Tyr e Latender e com ajuda duma magia de mudança de aparência e bombada de carisma avisei eles que Acheron estava num lugar com outra criatura maligna e que eles precisavam interferir para que Acheron tivesse a morte nas mãos dos seguidores da justiça e não dum semelhante maligno. Detalhe: esses caras odeia muuuuito o Acheron.
Cinco paladinos foram enviados pra buraco.

Lá chegando, notei desgaste por ácido nas pedras, e ouvi lá de fora os paladas tendo problemas.

Enquanto isso Acheron já trombara o dragão negro e trocava uma idéia com ele.
Voltei lá no templo e pedi que enviassem mais guerreiros porque o de antes já tinha se lascado. Mais 10 foram enviados.

Lá Acheron encontra um fantasma vilão antigo servo de Cyric e resolve espancá-lo com a ajuda do dragão. Espancam e o bicho some, enquanto um servo dele foge desesperado.

Acheron consegue evitar a treta com o dragão e sai de lá transformado em morcego. No caminho ele vê os 15 patetas. Sendo 13 paladas/guerreiros e dois monges. Tentavam livrar os primeiros duma teia que os grudara na parede.

Acheron sai e me nota ali fora invisível. Pousa em meu ombro na caruda, me deixando intrigado.

Notando que eu não tinha entendido que era ele, sai e volta como um papagaio (hehe). Diz ser ele. Eu, frustrado pelos bonzinhos ainda estarem vivos, uso uma magia e causo um desabamento dentro da dungeon. Com sorte eles morreriam ou o dragão os mataria pensando serem responsáveis
pelo desabamento. Os dois monges escaparam do desabamento, mas Acheron se transformou num cara bem grande e cacetou os dois. Depois ergui os 3 mais bombados dos paladinos como zumbis, peguei os itens mágicos deles e enviei-os para destruir seu próprio templo louvando o poder de Beshaba. Infelismente eles não conseguiram fazer muitos estrago porque foram explodidos pelos paladinos do templo. Minha intenção era o dano na moral e na fé mesmo então fui bem sucedido.

Troquei os itens mágicos dos paladinos-zumbis em um livro que bombava minha sabedoria. Foi um bom dia para o mal.

No dia seguinte pegamos um barco e partimos pra outra cidade.

No caminho notamos uma tempestaste estacionada no horizonte, e passaríamos por ela.

Ouvimos boatos sobre um kraken na região.
Usando magia de espionagem vi próximo da tempestade um navio com mortos-vivos e uma criatura agarrada ao casco, mas não pude identificar porque a magia dela me expeliu.
Acheron reconheceu a bandeira do navio como sendo do pai dele. Sozinho mergulhou, se transformou numa baleia e foi até lá. Viu o kraken lá grudado no barco. Fuçando descobriu ser o barco de um camarada de família, não do pai dele. Voltou pro nosso barco. Mandamos o capitão desviar da tempestade.

Dias passaram de viagem, até que uma orda gigante de peixes se acumularam embaixo do barco e mudavam a direção dele, levando até a tempestade. Tentei dissipar a tempestade com minha orbe mágica mas falhou. O elfo mago disparou uns raios nos peixes, enquanto eu invoquei um tubarão
gigante pra matar aquela peixarada toda. Então Acheron virou baleia de novo, e junto com o tubarão puxaram o barco, e com auxílio do vento que invoquei demos um turbo no barco. Já longe notamos que a tempestade ainda nos seguia, então usei uma magia nos ocultando e prosseguimos.

Dias depois, um demônio caótico apareceu no barco querendo vingança contra Acheron. Eu e Noriann estávamos só observando ocusltos nas sombras so nosso dragão. Depois de um tempo de luta, interferi. Pretendia explodio o demônio duma vez mas isso só o faria retornar pro seu plano natural, então fui safado e com uma magia de viagem extra-planar enviei ele pro plano dos demônios ordeiros, seus inimigos de eras. Serão férias interessantes pra esse demônio.

Então chegamos a tal cidade.
Mais malignidade na próxima sessão.

%d bloggers like this: