Archive for Março, 2009

h1

7º sessão da minha mesa de CdZ

27/03/2009

7º sessão da minha mesa de Cavaleiros do Zodíaco

Nessa sessão estavam Rubinho como Nalbert, Tib como Ken, Dib como Nick, e os novos adendos Seiya como Rafael de Lagarto e Magno como Jack Nolte de Camaleão.

Nalbert vai até a biblioteca pesquisar sobre corujas depois vai até a floresta ali perto procurar pela tal coruja de Atena. Anda pelo mato, vê umas corujas mas não chega a lugar algum. Senta pra meditar. Rafael aparece voltando duma missão e encontra Nalbert. Falam um pouco até que Jack Nolte aparece correndo atrás de um javali. Tromba os outros dois e fala com eles.
Então notam algo vindo até eles muito rápido. Preparam-se para a batalha. O objeto passa por eles rapidão, notam ser um pássaro qualquer, só que não sentem nada de diferente no pássaro. Intrigados perseguem o pássaro, mas ele começa a ficar cada vez mais distante. As coisas ao redor deles começam a acelerar também, tudo fica bem rápido, até o sol avança mais rápido.  Nalbert e Rafael sentem magia na área. Deduzem que a magia está afetando a passagem do tempo ali. Rafael sente a oringem da magia vinda de trás deles. Nalbert sente um cheiro feminino na direção. Se aproxima e atrás de uma árvore há um menininha duns 7 anos com roupas comuns. Ela ignora Nalbert a princípio mas volta sua atenção pra ele quando ele fala com ela.

Bunitinha e malvada

Bunitinha e malvada

Ela parece um tanto confusa, e dá a entender que fora enviada pela Dama das Brumas para levar Nalbert.

Nick pergunta pros pássaros em sua casa onde ele poderia encontrar uma coruja, os pássaros indicam e ele vai pra floresta. Encontra umas corujas e conversa com elas, depois de uma conversa nada a ver descobre ter uma coruja velha e antipática ali perto. Vai até ela e a encontra. Tenta conversar com ela mas ela se afasta dele incomodada. Nick a persegue até que percebe energia mais a frente e parte pra lá.

Ken fica vigiando Nalbert pelo cosmo até que nota que Nalbert sumiu de sua percepção. Vai até a floresta averiguar e percebe Nick zoneando por lá, continua procurando Nalbert até que nota a energia na floresta e vai até lá.

A menina conversa com Nalbert, então menciona a presença de mais alguém ali. Rafael e Jack notam a sombra aumentando no chão, então vêem a cabeçona que está tapando o sol, um cara duns 20 metros com cara de bobão e roupas medievais olha pra eles.

Nick e Ken chegam por direções defirentes. Entram na área e vêem o povo todo. Jack encara o gigante tentando intimidar. A menina tenta pegar na mão de Nalbert mas ele não deixa. Ela diz que ele vai com ela, Nalbert diz que vai se todos os cavaleiros ali também puderem ir, Ken diz que tem que falar com a Dama pra pegar suas memórias de volta, mas a menina diz que num adianta porque não está com ela, está com outra Bruma.

A menina diz que Nalbert vai com ela, então o gigante estende o mãozão pra pegá-lo. Jack dá um murrão parando o mãozão do grandão. Nisso Nick já puxa as garras dum falcão que sobrevoa a área. Nalbert dá um golpe no pescoço da menina para desmaia-la mas a menina só cai chorando. Rafael tenta criar um círculo mágico mas é impedido pela magia presente no lugar. O gigante dá um chega pra lá em Jack que voa arrebentando uma árvore. Nick desfere suas garras nas costas da menina fazendo uns talhos e a menica cai berrando de dor e desespero. O gigante vai novamente pra pegar Nalbert e quase consegue se não fosse por Ken tirar Nalbert do caminho. Nalbert nota que as inscrições nas bandagens do corpo de Ken brilham e se modificam. Ken diz para Nalbert descarregar o sarrafo nessas criaturas.

Jack corre pelo braço do gigante e dá seu golpe de Esfera de Luz na fuça do bicho ofuscando-o com a explosão de luz, Nick desfere suas garras no gigante e Rafael joga sua tarja explosiva no bicho também. Nalbert se concentra ao máximo e tenta aplicar sua ferida do vento. Então Nalbert sente a presença da sílfide que o acompanhava e estava sumida há tempos, sente o vento novamente o obedecendo e descarrega sua Ferida do vento com muuuita força. O vento acerta em cheio o gigante o dilacerando e o esvaindo.

A menina, completamente recomposta e ilesa diz com olhos tristes e raivosos que Nalbert irá com ela. Então tudo volta ao normal, o tempo volta a fluir normalmente, todos respiram aliviados. Nalbert se reencontra com sua companheira sílfide. Então ela começa a ser puxada, Nalbert tenta a segurar mas elas se esvai em desespero. Nalbert ouve em sua alma a voz da Dama das Brumas dizendo que ela disse que ele seria dela e de mais ninguém. Nalbert muito puto faz uma promessa de acabar com a existência dela custe o que custar. Ken e Rafael percebem que todos ali foram marcados magicamente.

Anúncios
h1

“2º” de Kindred of the east – Hong Kong da Graci.

27/03/2009

“2º” de Kindred of the east – Hong Kong da Graci.

Nessa o Seyia entrou como Yun Lee, Tigre-demônio

Semanas se passam desde a última sessão. Tatsuo (pj do Angelo) vai checar seu dojo e dar aula quando é avisado pelo nosso Nushi, o Kirin Chuuki que ele está sendo observado e que tem criaturas no local. Tatsuo investiga e descobre montes de ratos que estariam sendo controlados por alguém. Eles decide fechar o dojo por uma semana pra limpar esse problema, passa tudo pros asseclas dele.

No dojo ele tromba um cara esquisito, um ocidental que tá no meio do dojo coletando coisinhas e guardando em saquinhos. Tatsuo cola junto e começa a conversar com o cidadão. Descobre que ele é um vampiro ocidental e tá investigando o aparecimento dos espíritos malvados pela cidade.

Tatsuo chama ele pra conversar num lugar mais reservado, meu barco. Convsersamos telepaticamente (graças ao Chuuki), ele me avisa sobre o cara e reservo um espacinho pra conversarmos.

Ele chega com o vampiro, sentamos na mesinha e trocamos idéia. Boto a banca em cima do coitado que dá uma tremidinha. Trocamos contato e ele se vai. Marco com Tatsuo de visitarmos a floresta pra ver os espíritos na noite seguinte.

Yun veio de Beijing, fala com um monte de gente e descobre nossa existência. Fala com o Kyosho, nosso japa-mentor, que descola o fone do Tatsuo pra ele.

Ele liga, conversam e marcar de se trombar na noite seguinte num restaurante.

Converso com o Chuuki sobre espíritos mas ele num me entende direito então fico conversando com ele o resto da noite pra ele começar a entender as gírias e me entender.

Naaaa noite seguinte vamos até a floresta. Levamos oferendas pros espíritos, fazemos uma cerimônia, o Tatsuo todo certinho e eu todo porra-louca, eles aparecem, pagam um pau pro Chuuki, ficamos amiguinhos e vamos pro cimitério. Lá o Tatsuo fala com os mortos, inclusive um cara que ele matou um tempo atrás. Fica de arrumar roupas e pás pros fantasmas (agora pra que diabos eles querem umas pás…).

Vamos pro restaurante encontrar o Yun. Tatsuo me arruma uma roupa chiquetosa e fico parecendo gente. Entramos, chamo a atenção do restaurante inteiro, o povo pensa que sou artista de cinema, tipo vilão de filme de kung fu. O yun já tá lá. Pedimos um montão de saquê e comida.

Conversamos, Yun diz que é protocolo da corte e tá investigando sobre um Akuma que anda recrutando novatos pro lado negro. Chama a gente pra se juntar as investigações mas recusamos. Trocamos contatos, ficamos de passar info um pro outro.

h1

2º sessão de Changeling: The Lost da Laura

27/03/2009

2º sessão de Changeling: The Lost da Laura

Eu, Arabela e Amélia acampamos e quando acordamos notamos que toda nossa comida tinha sido roubada pelos macaquinhos malditos. seguimos viagem pegando frutas pelas árvores e bebendo água de coco. Até que encontramos um riacho. Fomos todos felizes beber água até que eu sou empurrado na água. Fico brigando com as meninas por terem me empurrado mas Arabela também é empurrada, havia mais alguém lá conosco.

Sai do riacho uma sereia (pj da Ivanoska) dizendo que não tínhamos permissão pra tomar a água de lá. Aparece também um ser feito de vento (Pj do Myka) brigando com a gente. Ficamos amendrontados e esperamos arrancarem nossas cabeças. Acabamos conversando e resolvendo a encrenca. Descobrimos que esse povo odeia Peter Pan.

Coisas bunitas de Changeling

Coisas bunitas de Changeling

A sereia oferece pra ficarmos na aldeia deles. O bicho-vento volta até a aldeia e checa se podemos ficar.

Durante a conversa contamos pra sereia sobre a existência de Torneiras no nosso mundo, ela fica toda empolgado e quer uma dessa pra poder tem água em todo lugar. Dizemos que se ajudar-nos a voltar pra casa arranjamos uma torneira pra ela. Contamos também sobre o rei-macacão que a gente trombou na sessão passada, aparentemente os arquiinimigos dessa aldeia.

O bicho-vento volta com um cara mal-encarado feito de gelo. Ele olha pra gente, nos analisa e diz que podemos ficar mas não podemos passar do primeiro nível. A serei mostra pra gente até onde fica o tal primeiro nível. Uma vilazinha cheia de gente estranha que olha torto pra gente. Depois arranja umas papas verdes nojentas pra comermos.

Coisas malvadas de Changeling

Coisas malvadas de Changeling

Depois a serei a e o bicho-vento voltam dizendo que vamos com eles pra averiguar a localização do tal rei-macacão e temos que ir pra podermos provar nosso valor pra aldeia. Vai eu e a Amélia.

Vamos seguindo o riacho num barquinho, cantando musiquinhas, até que a paisagem começa a ficar malvada e tenebrosa. O barquinho começa a ser puxado e somos tirados do barco, conseguimos nadar até a margem. Ficamos lá aterrorizados.

O bicho-vento vai checar a floresta ali perto. Nota que não tem vento na floresta. Depois de um tempo percebe que vem vindo alguéns. Fica na defensiva e espera pra fatiar quem aparecer.

Aparecem uns humanos (outros pjs) inclusive um com feições levemente felinas (Fionn). O bicho-vento o identifica como feral, seus arquiinimigos. Diz que os humanos podem passar menos o feral. Os manos desencanam do bicho-vento e prosseguem. Discutem um pouco, dizem que tão tentando ir pra casa e que tem um mapa, até que uma mina diz que é amiga do Peter Pan. O bicho-vento fica na fúria e fateia as penar da guria. Ao mesmo tempo todos ouvem um barulhão do rei-macacão se aproximando.

A sereia esconde a gente num carvalho e vai até a floresta. O feral taca uma lança fodona que pega no bicho-vento. O rei macacão aparece derrubando árvores e fazendo zona. O povo corre pro riacho.

Um dos humanos, Marcão, aparece, grudamos nele e ficamos nos protegendo. Vemos olhos pela floresta. Então ouvimos a sereia gritar pra corrermos. Saímos no pinote subindo o rio.

Na floresta, árvores começam a pegar o rei-macacão e fica tretando com ele. Todo mundo foge. O bicho-vento e a sereia voltam pra aldeia.

Combinamos com o Marcão de ir com eles pra casa. Ficamos de buscar a Arabela na aldeia e voltar. Depois de voltamos nos juntamos ao grupo, fazemos uma maca pra carregar a mina que perdeu as pernas, mas já estava se curando.

Daí a sereia aparece e resolve ir com a gente pra poder descolar uma torneira. hehehe

Olhamos o mapa, definimos um caminho e seguimos felizes e saltitantes.

h1

“1º” sessão de CdZ do Tib – Treinamento dos aspirantes

27/03/2009

“1º” sessão de Cavaleiros do Zodíaco do Tib – Treinamento dos aspirantes

Na verdade deve ser a 3º sessão já, mas só entrei nessa.

Mó galera. Eu de Mani de Corvo, Rubinho como Nalbert de Coruja, Pri como Hanna de Aquário, Magno como Claude de Leão, Dib como Woltan de Escorpião, Jackson com Folk, Aline com uma aspirante sem nome (Claudette), e o Takashi e o Ian, que num lembro os nomes em off. Faltou alguém?

Começamos com eu e folk na minha casa. Uns guardinhas aparecem procurando Folk pra levar pra Mestra. Dizem pra eu ir também. Um dos guardas fica folgando e falando besteira, nem ligamos.

No meio do caminho um mina aparece pedindo permissão pra levar minha discípula pra onde ela tem que ir e que eu encontraria ela de novo quando ela já fosse uma cavaleira. Noto que ela tem uma energia ligando ela a outro lugar mas num consigo sacar, reluto no começo mas deixo depois. A mina diz coisas que dão a entender que viria de outro tempo. Depois fala uma coisa no meu ouvido e vai até Folk. Dá um beijão nele e diz que ele vai ser grande mais pra frente e que vai ser o grande amor dela. Depois some. Zicas temporais… Seguimos pra sala da Mestra.

Chegando na sala a mestra fala coisas na minha cabeça sobre o perigo que se aproxima. O guardinha legal entra e volta com um olho roxo. Diz pra entrarmos. Antes dou um apertão no guardinha forgado e seguimos.

Takashi acorda sozinho no barracão de seu mestre Woltan. Antes tinha uma galera lá mas todos pedalaram. Vai treinar e durante o exercício sente um tapa na perna endireitando-a. É Ken (outro discípulo de Woltan – mais sobre ele em outros post. hehehe)  Dz que ele vai ter companhia no treino, e uma mina aparece, se apresenta como Jade. Ambos treinam, ela fazendo o espelho dos movimentos de Takashi. Até que ele faz um movimento errado e acerta ela, mas ela refaz e cai direitinho enquanto ele quebra a perna. Ela dá uns golpinhos na perna dele pra curar.

Woltan aparece e leva Takashi pro cimitério pra ele ver as covas de seus antigos companheiros de treino. Junto com Ken e Nalbert.

Ian é abordado por uma mina que o leva pela região das cavaleiras até sua mestra Hanna. Leva ele vendado. Encontr Hanna sentando na água meditando. Eles conversam e ela começa a ensinar ele a meditar. Diz também que tem que decorar o caminho logo pois sempre virá vendado já que é único homem a treinar lá (teorias? alguém?).

Claudette, discípula do Claude, fica treinando em seu cantinho. Klaus, outro discípulo do Claude, passa lá pra dar as ordens de treino. Até que um belo dia ela termina mais cedo e Claude aparece. Ela reclama e ele diz que ela pode descansar o resto do dia. Ele a leva até sua casa, ou próximo dela. Um puuuuta penhascão até a casa. Diz que ela pode descansar quando chegar até a casa, e cuidado pra não cair e se juntar ao mooonte de cadáveres no fundo do penhasco. Ela reclama, ele diz que consegue mesmo depois ter voltado duma missão e mostra o dedinho quebrado. Ela reclama e ele quebra o dedinho dela. Ela se concentra e vai, mas pára na borda. Ele diz que pra incentivar ela  se ela parar de novo ele empurra ela. Então ela pula, consegue chegar até a casa, mas quebra uma perna e desmaia. Fica “descansando”.

Na sala da mestra ela começa a dar esporro no Folk por ter desrespeitado a o totem da Aranha e que agora ela tá puta com todo mundo. Pergunta se ele consegue se defender e pede pra ele mostrar o que sabe. Ele tenta se concentrar mas começa a tomar porrada sabe-lá-deus-de-onde. A mestra pergunta se eu o treinei pra desobedecer, então mando Folk atacar ela logo. Ele tenta mas continua tomando porrada, e eu também entro na dança. Com meu corpo estatelado no chão Folk fica putão e libera seu cosmo ruim, vai com tudo pra cima da mestra dando um golpão foda, então aquela mina que beijou ele aparece e toma o golpe todo, virando cinzas. A mestra pergunta pra mim se Folk deve viver ou morrer, digo que deve viver mesmo que eu precise trocar minha vida pela dele. (Isso é q é mestre bonzinho hein). A mestra concorda, manda todo mundo tapar os olhos, diz que eu terei a mesma punição que ela, tiro minha máscara e olho diretamente pra ela. Então ela tira sua máscara e vejo a face da górgona, e viro pedra. (sempre disse que ela era pedrera. Tu dum Tsss)

Imagina essa aí brava.

Imagina essa aí brava.

Ela diz que a punição dele é fazer uma pedra filosofal e dá um pergaminho com os ingredientes e os nomes dos aspirantes que ele tem que levar com ele.

Folk chega em Woltan e pergunta por Takashi. Woltan questiona porque e Folk explica. Ken e Nalbert ficam putões. Ken tenta matar Folk mas Woltan o impede paralisando-o. Paralisa Jade também. Discussão geral. Woltan libera seu discípulo Takashi e Brutus, discípulo de Ken também vai junto. Woltan dá a notícia pra Hanna e Claude. Claude aparece e leva Folk até sua discípula. Diz que ela irá com ele assim que Folk a tirar da casa que está pegando fogo. Folk se concentra e pula até a casa, então ele e Claudete voltam pulando. Hanna aparece também com seu discípulo Ian. Woltan e Ken ficam tretando. Todo mundo escrotiza o Folk e os aspiras partem em missão.

h1

5º sessão de Requiem do Paco

27/03/2009

5º sessão de Requiem do Paco

Aviso que a mesa é grande e continua aumentando, então num presto atenção em tudo né.

Começamos com os Invictus e o Lancea (Fionn) se reunindo para discutir a reunião que tiveram com o regente Luca (Hugo). Muitas abobrinhas depois Athos (Poke) aparece na reunião e informa que um dos invictus não se apresentou a Luca e deve ser levado para sua punição. Joaquim (NPC) contesta mas Athos ne liga e estaca o invictus (Alcir) e o leva. Joaquim o acompanha e Pablo (Fionn) os segue oculto.

Athos os leva pro meio do nada e desestaca o invictus. Diz que ele será punido com o sol. Joaquim reclama e aceita tomar o lugar dele. O invictus vai embora e Joaquim e Athos ficam conversando até o amanhecer. Joaquim toma sol destruindo seus braço e fazendo uns machucadões diversos, então Athos libera ele pra repousar ali na cabaninha.

Pablo organiza uma missa Lancea e convida todo mundo. Os invictus e os Gangrel comparecem. Pablo faz toda a missa. Então Amelie (Laura) convoca Avus (eu) a sua presença.

Eu e Athos vamos encontrá-la ocultos. Chegamos na igreja e ela sai correndo. Athos a persegue em sua sombra e Avus apenas observa enquanto volta pra casa pra arrumar uma carroagem.

Amelie corre pra diacho mas eu continuo a atormentá-la em sua mente, mesmo estando longe. Deixo ela em pânico, vou tirando seus guardas, ela começa a fugir sozinha desesperada. Não escapatória para aqueles que desafiam Avus! Ela consegue convocar Joaquim, que leva a renca todo pra treta.

Amelie se esconde numa casinha e usa seus poderes pra que as pessoas da casinha a ajudem. Athos começa a sumir com eles deixando-a novamente sozinha.  Ela continua correndo pelo mato, até que encontra um bode. Se alimenta pra conseguir continuar correndo. Nisso Joaquim e suas corja aparece.

Athos faz criaturas de sombras pra confundí-los. Os Gangrel atacam e num acham nada. Depois acham Amelie toda zuada ali perto e a resgatam. Athos destroi a carroça que eles vieram. Myka (num lembro o noem do pj) foge em sua carroagem. No caminho tromba o carniçal de Amelie, o mata pra não arrumar complicações. Amelie aparece no meio do caminho então ele dá uma carona pra ela e ambos fogem.

Como já está perto do amanhecer, os gangrel frustrados por não terem treta de verdade vão embora e no caminho se mesclam a terra.

Joaquim, Alcir e Pablo ficam perdidos ali no mato. PAblo acha um esconderijo meia boca pra Joaquim e Alcir se enfia numas moitas. Athos aparece e começa a discutir com PAblo. Joaquim e Alcir sabem que Athos não é afetado pelo sol como eles, sabem que estão condenados. Athos resolve tretar com Pablo pela vida dos dois invictus. Treta rola e Pablo perde, se enfiando na terra pra se proteger do sol. Athos expõe o esconderijo de Alcir que vira cinzas. Manda Joaquim embora da cidade, ele concorda. Depois Athos vai embora assobiando debaixo do sol.

Mando uns mortais lá de dia pra exporem Joaquim que vira cinzas também.

Depois faço a paz com os Gangrel, começamos a trabalhar juntos. Faço o mesmo com Pablo. Amelie foge pro Rio. E a cidade finalmente fica em paz.

h1

“1º” sessão de Hunter: The Reckoning da Graci

27/03/2009

“1º” sessão de Hunter: The Reckoning da Graci

Mesa velha, parada há um tempão voltando a ativa, num sei que sessão exatamente estamos.

Nós somos caçadores novatos descobrindo toda a bagunça ainda. Eu tava como Dimas, um mindingo violeiro, o Hugo tava com um Hippie Junkie, o Tib de Padre estudioso, e o Cezar de playboy andarilho. É, num lembro o nome de ninguém. Tem mais gente na mesa mas faltaram. Dessa vez só meu pj tinha alguma experiência com esse lance da caçador.

Começamos com o Hippie sentindo um ventinho gelado estranho, começa a seguir o vento e vai parar na Paulista.

Enquanto toco violão pros meus cachorros de estimação, o Sarna e o Puto, vejo o Hippie passear avoado meio confuso. Colo nele pra checar começamos a trocar idéia, ele me passa uns troços alucinógenos e fazemos escambo com hippices.

O Playboy aparece, o Hippie segue o vento. Eu e o Playboy trocamos idéia, ele me dá uma esmola de 20 real. Uhuuu.

Eeeenquanto isso o Padre termina sua missa e volta pro quartinho. Ouve uma voz falando algo, responde e quando se vira pra procurar o dono da voz num tem ninguém. Ele procura pela igreja mas só tem um velho rezando. Deduz que deve estar no confecionário, então entra e checa, mas nada. Então sente o ventinho gelado misterioso também. Sai do confecionário e não vê ninguém. Vai lá fora checar.

Do nada meus cachorros começam a correr loucamente atrás do Hippie, eu e o Playboy seguimos. O Hippie pára na porta duma igreja, todos nos encontramos. O Hippie tá perdido dizendo que o vento sumiu ali, depois diz que tirou uma foto duma garota e uma placa dizia pra ajudá-la, mas depois era uma placa normal de novo. Mostra pra gente a foto no celular e vemos a placa dizendo pra ajudá-la também, depois a placa volta ao normal. Ficamos todos confusos, o Padre convida a gente pra descansar na igreja.

De repente aparece uma mulher correndo na rua fugindo de dois caras. A mulher segura a bolsa intensamente. Noto, com meu poderzinho, que o três estão mortos.

O Padre liga pra puliça e todos corremos atrás dos três.

O Hippie alcança um dos caras que perseguiam a mulher. Pega seu frasquinho de alcool e joga na cara do mano, fazendo ele parar e ficar urrando tentando limpar os olhos. Seguimos.

O Hippie taca o frasco vazio de alcool na cabeça do outro cara que toma em cheio, mas consegue agarrar a mina. Ela tropeça e cai, chegamos neles. O hippie fica discutindo com o cara mantendo ele distraído. O playboy ajuda a mina a levantar, enquanto eu, com meu poderzinho de escondeção, pego a bolsa dela e saio correndo imperceptível. Nisso o Padre chega no cara e fica pregando pra ele.

A mina não me acha, o Playboy finge que também não me viu, e a mina sai correndo proutro canto.

O cara que tomou o alcool nos olhos chega na bagunça. Os caras mostram as presas, vampiros malditos. O padre puxa a cruz e excomunga um que sai correndo. O outro começa a se arrepender dos pecados e o padre fica exorcizando o cara. O hippie fica tirando fotos dos vampiros.

Me escondo num canto e fuço na bolsa, encontro uma placa de argila com inscrições bizarras e umas anotações, aparentemente traduções da placa, que falava coisas meio bíblicas. O playboy me acha e voltamos pra igreja pra esperar o povo voltar.

O vampiro vai embora. O padre fala pro hippie não expor o que rolou lá. Ambos voltam pra igreja.

Todos na igreja, mostro a placa e anotações e o povo começa a investigar.

O hippie toma mais um alucinógeno e começa a falar com Bob, o gnomo. Bob diz que aquela placa é falsa e que a verdadeira vale muuuito e deve ter muita gente atras dela. O hippie passa isso pra gente, depois explica que fala com o gnomo, depois explica sobre os Gnomos. O padre manda as coisas pro vaticano.

Eu conto pra eles que existem os caçadores e se reunem no computador e temos que proteger o mundo e blablabla. Trocamos contatos e paramos aí.

h1

“1º” sessão de Cavaleiros do Zodíaco do Tib (eu e os cavaleiros de Ouro)

27/03/2009

“1º” sessão de Cavaleiros do Zodíaco do Tib (eu e os cavaleiros de Ouro)

Eu como Mani de Corvo, Pri como Hanna de Aquario, Magno como Claude de Leão e Dib como Woltan de Escorpião.

Continuação da treta com a Aranha e da sessão de contagem de estórias do Mani.

Hanna já tinha sido designada pra colaborar com a parte mágica do ritual, então já estava lá com o Mani preparando as coisas.

Woltan e Claude são chamados a sala da Mestra. Ela passa pra eles o que vai rolar e manda eles cuidarem da pancadaria e controlar o povo. Detalhe: ninguém podia usar as armaduras pois teriam montes de civis no meio e os cavaleiros ainda são um segredo. A mestra conta dos 3 shamans civis que estão ajudando o Mani.

Woltan volta pra sua casa e encontra Ken (seu discípulo) catatônico sentado na cama. Tenta tirar o cabra do transe mas num consegue, tenta contactar Hanna via cosmo mas nota que o link telepático que eles tem está desligado, coisa que nunca acontece. Woltan deixa um recado pra Ken não sair da casa. Então ele começa a ouvir 3 vozes vindas de Ken. Percebe 3 presenças “possuíndo” Ken. Duas falam em linguas estranhas e outra fala normal. Woltan desencana e vai pro local do ritual.

Claude recebe ordens de não deixar ninguém entrar no Santuário durante o ritual por que a Mestra estará protegendo o bagulho sozinha e fica muito perigoso pra qualquer um. Ele vai até o local do ritual e começa a checar o local. Então nota alguém se aproximando. Fica na miúda e nota que quem quer que seja é bom. Então ele percebe que é seu discípulo Klaus de Cães de Caça. Klaus nota um presença mas não consegue definir exatamente. Claude fica sacaneando Klaus e fica escondido. Quando Claude vai aparecer Klaus ataca, e quando percebe ser Claude segura o golpe explodinho uma árvore próxima e arrebentando o próprio braço no processo. Falam amenidades e começam a cuidar da segurança juntos.

Claude nota um cara chegando no centro do local, Claude deixa Klaus e vai checar. O cara estranho parece trocar de lugar com um cachorro, mija no terreno e sai fora. Claude intercepta, tenta conversar mas o cara dá respostas confusas, depois some. Klaus fica confuso com a atitude de Claude pois ele não tinha visto nada.

Tempo passa e as pessoas começam a chegar. Uns aspirantes aparecem e um deles fica falando abobrinhas sobre a noite de estórias. Claude cola junto e tenta chamar a atenção o mané. O mané começa a causar com Claude tentando botar banca e sem reconhecer Claude o mané diz ser o discípulo de Claude de Leão e mostra sua flâmula desenhada a mão. Claude só olha abismado com a situação. O mané continua a causar e ameaça Claude com seu poderoooso murro de 150kg. Claude num dá bola e o cara ataca, Claude pára no dedinho e o braço do mané quebra em várias partes. O cara sai chorando ameaçando contar tudo pra seu mestre Claude. Os outros aspiras que andavam com o mané ficam pedindo desculpas dizendo não terem nada a ver com o mané e se surpreendem por Claude não ter matado o mané. Claude diz que não é um noite para derramamento de sangue e continua cuidando do perímetro.

Woltan chega e começa a cuidar das pessoas que entram, tromba nuns headbangers escrotos que começam a levar uma com ele. Mó fuzuê, Woltan fica discutindo com os caras, então sente uma mão em seu ombro, dispensa a mão com uma ombrada e continua discutindo com os headbangers. Novamente a mão no ombro, Woltan ameaça arrancar a mão do infeliz que tá lhe enchendo, então percebe ser mestre Miguel (cavaleiro de altar – o “secretário” da mestra) vestido de padre. Miguel convence Woltan a deixar pra lá os manés e continua ali acalmando os manés. Woltan fica organizando as filas.

Então o povo se junta num circulão, mais de 3000 pessoas, Seth toca harpa e Sati uma flauta. Hanna fica dançando, Hugh batucando, mó galera. O povo segue o ritmo com palmas. Ken está lá mas parece outra pessoa. Os 3 shamans trutas ficam dançando, Mani aparece também dançando. Até que uma puta trovãozão irrompe e tudo fica silencioso. Mani olha pra todos presentes e a música recomeça. Mani senta no centro e acende o cachimbão. Fala umas bobagens e começa a contar a estória da Aranha, a foda.

Quando Mani termina de contar a zica começa.

Klaus e Claude começam a ter problemas com seus sentidos. Não enxergam, ouvem, cheiram direito, Klaus cai sem todos seus sentidos. Claude um pouco melhor tira ele de lá. Hanna percebe que foi parar no plano astral e perdeu sau âncora. Mani está caído no chão com os 3 shamans tentando acordar ele. Outra música começa, uma música estranha, todo mundo parece hipnotizado, os headbangers encrenqueiros lideram a música. Woltan tá no meio da galera pronto pra cacetar o que for.

Lascô…