h1

2º sessão de Changeling: The Lost da Laura

27/03/2009

2º sessão de Changeling: The Lost da Laura

Eu, Arabela e Amélia acampamos e quando acordamos notamos que toda nossa comida tinha sido roubada pelos macaquinhos malditos. seguimos viagem pegando frutas pelas árvores e bebendo água de coco. Até que encontramos um riacho. Fomos todos felizes beber água até que eu sou empurrado na água. Fico brigando com as meninas por terem me empurrado mas Arabela também é empurrada, havia mais alguém lá conosco.

Sai do riacho uma sereia (pj da Ivanoska) dizendo que não tínhamos permissão pra tomar a água de lá. Aparece também um ser feito de vento (Pj do Myka) brigando com a gente. Ficamos amendrontados e esperamos arrancarem nossas cabeças. Acabamos conversando e resolvendo a encrenca. Descobrimos que esse povo odeia Peter Pan.

Coisas bunitas de Changeling

Coisas bunitas de Changeling

A sereia oferece pra ficarmos na aldeia deles. O bicho-vento volta até a aldeia e checa se podemos ficar.

Durante a conversa contamos pra sereia sobre a existência de Torneiras no nosso mundo, ela fica toda empolgado e quer uma dessa pra poder tem água em todo lugar. Dizemos que se ajudar-nos a voltar pra casa arranjamos uma torneira pra ela. Contamos também sobre o rei-macacão que a gente trombou na sessão passada, aparentemente os arquiinimigos dessa aldeia.

O bicho-vento volta com um cara mal-encarado feito de gelo. Ele olha pra gente, nos analisa e diz que podemos ficar mas não podemos passar do primeiro nível. A serei mostra pra gente até onde fica o tal primeiro nível. Uma vilazinha cheia de gente estranha que olha torto pra gente. Depois arranja umas papas verdes nojentas pra comermos.

Coisas malvadas de Changeling

Coisas malvadas de Changeling

Depois a serei a e o bicho-vento voltam dizendo que vamos com eles pra averiguar a localização do tal rei-macacão e temos que ir pra podermos provar nosso valor pra aldeia. Vai eu e a Amélia.

Vamos seguindo o riacho num barquinho, cantando musiquinhas, até que a paisagem começa a ficar malvada e tenebrosa. O barquinho começa a ser puxado e somos tirados do barco, conseguimos nadar até a margem. Ficamos lá aterrorizados.

O bicho-vento vai checar a floresta ali perto. Nota que não tem vento na floresta. Depois de um tempo percebe que vem vindo alguéns. Fica na defensiva e espera pra fatiar quem aparecer.

Aparecem uns humanos (outros pjs) inclusive um com feições levemente felinas (Fionn). O bicho-vento o identifica como feral, seus arquiinimigos. Diz que os humanos podem passar menos o feral. Os manos desencanam do bicho-vento e prosseguem. Discutem um pouco, dizem que tão tentando ir pra casa e que tem um mapa, até que uma mina diz que é amiga do Peter Pan. O bicho-vento fica na fúria e fateia as penar da guria. Ao mesmo tempo todos ouvem um barulhão do rei-macacão se aproximando.

A sereia esconde a gente num carvalho e vai até a floresta. O feral taca uma lança fodona que pega no bicho-vento. O rei macacão aparece derrubando árvores e fazendo zona. O povo corre pro riacho.

Um dos humanos, Marcão, aparece, grudamos nele e ficamos nos protegendo. Vemos olhos pela floresta. Então ouvimos a sereia gritar pra corrermos. Saímos no pinote subindo o rio.

Na floresta, árvores começam a pegar o rei-macacão e fica tretando com ele. Todo mundo foge. O bicho-vento e a sereia voltam pra aldeia.

Combinamos com o Marcão de ir com eles pra casa. Ficamos de buscar a Arabela na aldeia e voltar. Depois de voltamos nos juntamos ao grupo, fazemos uma maca pra carregar a mina que perdeu as pernas, mas já estava se curando.

Daí a sereia aparece e resolve ir com a gente pra poder descolar uma torneira. hehehe

Olhamos o mapa, definimos um caminho e seguimos felizes e saltitantes.

Anúncios
%d bloggers like this: