Archive for 18 de Junho, 2009

h1

3º sessão do live action de vampiro do Refúgio.

18/06/2009

3º sessão do live action de vampiro do Refúgio.

Nesse o primogênito ventrue Sebastian (pj do Marlo) assumiu como Príncipe, Lindsay surpreendeu todo mundo ao simplesmente sair do cargo e passar a batata pro Sebastian.

Ainda sou Senescal, só mudou o Mestre de Hárpias, era o brujah Gui(NPC do Scooby) agora é a tremere Scarlet (Pj da Bárbara). Pedro (pj do Rubens) virou o primogênito tremere e o Giuseppe (pj do Pikachu) virou o primogênito ventrue.

Tivemos a visita dum barão anarquista do ABC (pj do Elzo). (Nééé?!) Aparentemente trouxe um sabá preso, sei lá que fim levou isso. Só sei que uns anciões foram convencidos a abraçar o Ronaldo do Curintia. Tzk Tzk…

Apareceu um Tzimisce também, virou festa agora. Eu tava reclamando de deixar Ravnos entrar na cidade quando me aparece um troço desce. Essa Camarilla tá muito facinha. hehe. O tal tzi ficou sob responsabilidade do Coronel William (npc do Sade). É, tamo lascado.

Algo bizarro, quem usava disciplinas ganhava uma chuvinha de purpurina. Cumprimentos dos nossos amigos felizes tremeres. Os purpurinados ganharam statinhos de deselegante.

Momentos antes do live mataram o Giovanni (Pj do Drake). Bem, “mataram” né, altas mutretas. O “novo pj” do Drake acabou morrendo no Live também, num lembro por quê.

E conversinhas paralelas secretas de sempre. MUAHAHA

Anúncios
h1

1º sessão da minha mesa ETÊ de M&M

18/06/2009

1º sessão da minha mesa ETÊ de Mutantes & Malfeitores

Nessa todo mundo é etê, cada um criou sua própria raça, civilização, planeta e talz. Há um prelúdio em comum, todos estavam felizes e contentes cuidando de seus assuntos quando foram seqüestrados violentamente por piratas espaciais. Depois de tempos presos a nave-cativeiro foi atacada por uma raça estranha e malvada, isso abriu as celas e alguns conseguiram chegar até um módulo de escape, e acabaram caindo na Terra.

Nave dos sequestradores maléficos

Nave dos sequestradores maléficos

Temo a Graci como Aki, mina vermelha duma raça de mulheres-planta e mente de colméia. Temos Angelo como Zaxxon, mano azul que é a fusão de duas civilizações com poderes quase cósmicos semi-fenomenais. Hugo com um troço estranho copiador de poderes e sem nome. Eros com um ninfomaníaco da criação sem nome que parece humano. Todos eles usam uniformes laranja com tarjas pretas. É, só bizarrices.

Nossos heróis caem no planeta estranho, a porta do módulo explode e eles vêem aquele céu azuuuul e chão verde. Zaxxon se lembra quando corria por campos parecidos com aquele. Uma etê que estava junto deles no módulo começa a sufocar na atmosfera, ela começa a ficar roxa com bolhas escrotas brotando pelo corpo todo. Hugo copia a forma bípede dela. Todos se juntam, pilham o sistema de suporte vital da nave e adaptam-no pra etê que pára de morrer mas continua apagada.

Numa tela aparece estática e uma voz eletrônica, logo a estática some e aparece um rosto meio zangado. O rosto pergunta a localização do módulo para enviarem resgate. Os heróis falam com o rosto mas Zaxxon arrebenta tudo pensando ser os caras que os seqüestraram. Saem do módulo carregando a etê moribunda.

Você também recusaria resgate desse cara?

Você também recusaria resgate desse cara?

Aki totalmente perdida sem sua mente-colméia fica alisando a grama amiga. Todos vêem num módulo próximo pessoas sendo arremessadas de dentro. Eros cria um almofadão pra evitar que esses arremessados se esborrachem no chão. Zaxxon vai ver o que tá pegando, e na escuridão dentro do módulo sai um punho que tenta acertá-lo mas erra. Hugo sobe no almofadão e Eros o levita até o módulo. A coisa tenta pegar Zaxxon mas ele sai voando, sai de dentro do módulo um lagartão grandãozão bem chateado querendo debulhar. Hugo consegue tocar no bicho e copiar seus poderes. O lagartão fica tentando pegar Zaxxon mas ele fica voando, um etê aleatório é esmagado pela cauda do bichão. Aki e Eros saem correndo pruma árvore. Hugo começa a conversar com o lagartão que fica totalmente confuso e sai correndo.

Agora imagina isso num colant laranja.

Agora imagina isso num colant laranja.

Todos se reúnem na árvore. Aki conversa com a árvore, pergunta por um local seguro e a árvore diz pra ela se enterrar ali do lado e deixar um pedacinho só pra fora. hehe. Todos notam o lagartão atrocidando uns nativos quadrúpedes branco e pretos. Zaxxon dispara uns raios e o bicho sai correndo. Zaxxon vai conversar com os nativos mas eles continuam orando com a face pro chão e entoando seus mantras “muuuu”.

Os monges nativos.

Os monges nativos.

Hugo copia as habilidades de Zaxxon e Aki, começa a ter lembranças estranhas dele correndo na neve dum bichão aterrador e quando estava pra ser devorado volta ao normal. Outra hora aparece numa nave com várias Akis peladas e sua mente muda de Aki pra Aki até que ele volta.

De volta pra árvore, eles notam que a etê moribunda finalmente morreu. Zaxxon a desintegra com seus raios cósmicos. Ao longe todos vêem uma construção simples, seguem pra lá e outro nativo os recebe. Um ser quadrúpede, peludo, marrom, muito barulhento e pequeno. Zaxxon tenta falar com o ser mas ele parece bem hostil. Vêem mais dos nativos preto e brancos. Logo aparece mais um nativo, dessa vez bípede com roupas e uma arma, muito parecido com Eros. O ser entra em pânico com a visão dos heróis e fica todo tremelicante. Os heróis tentam acalmá-lo mas num dá em nada, e mais um nativo aparece, muito parecido com o anterior. Todos menos Zaxxon entende a conversa entre os nativos. O nativo2, mais rechonchudo e barulhento sai correndo, Hugo vai atrás, copia os poderes e habilidades e entende um pouco o que tá rolando no mundo. Até explica que os nativos preto e brancos se chamam “Vacas”. O nativo2 começa a ter problemas de saúde com o pânico e desmaia. O nativo1 ainda implora por sua vida. Ele tenta correr prum veículo logo ali mas é interceptado. Eros ou Hugo (num lembro) criam roupas adequadas. Zaxxon vai procurar o comunicador que Hugo mencionou na construção. O nativo1 dispara sua arma mas erra. O nativo2 morre. Zaxxon volta e desintegra o nativo2. Os heróis entram no veículo e vão embora depois dessa zona.

Mais nativos

Mais nativos

Aki já incrivelmente perturbada por estar toda coberta pelo uniforme da prisão tenta a todo custo tirá-lo mas não consegue. Zaxxon corta o uniforme de Aki com seus raios. Aki fica livre e peladona pra lá e pra cá, fazendo fotossíntese. Vão seguindo na direção que o nativo1 indicou haver civilização. Lááá na frente eles avistam muitos veículos terrestres e aéreos se aproximando. Encostam e se escondem. Aki e Eros se escondem na plantação de cana, que fica conversando com Aki. Zaxxon sobe e fica bem altão observando, e Hugo fica com a aparência do nativo1 e senta na estrada. Eros manda o veículo que eles pegaram ir atazanar os nativos lá da frente. O veículo vai, causa um escarcéu até ser abatido.

Todos aqueles veículos passam loucamente pelos heróis, menos o último que passa mais calmamente. Achando que o nativos os perceberam Aki controla as canas para se moverem como se alguém passasse correndo entre elas. Os nativos disparam a arma do veículo destroçando muita cana. As canas choram a morte de suas companheiras para Aki. Canicídio? O veículo entra pela plantação e fica procurando algo, destruindo muito mais canas. Hugo começa a reclamar com os nativos por estarem atirando em suas vacas, os nativos voltam até Hugo a pé e o questionam sobre ele ter visto algo estranho passando e tudo mais. Imitando o nativo1 ele num diz nada de útil. Zaxxon desce e tenta conversar com esses nativos armados que ele reconhece como uma força militar. Os nativos metem bala e, zaxxon mas sua pele densa evita o dano. Eros controla as armas que começam a atirar pro chão. Zaxxon começa a tretar com o nativo que ainda tem sua arma funcionando, toma um tiro que o fere, Eros consegue controlar todas as armas e fazê-las flutuar ameaçando os nativos. Um deles corre pro veículo. Outro é derrubado pelas canas que Aki comanda e tem uma cana atravessando sua perna. Eros controla o veículo que pára, depois as roupas dos nativos que os prendem. Zaxxon pega o que ele tava tretando e levanta vôo beeem pro alto, quando o ser desmaia ele o traz de volta pro chão. O resto tudo inconsciente.

Acordam o mais birrento e tentam conversar, dizem que não são ameaça e que podem ajudar mas o nativo militar é muito cabeça dura. Ele até diz que os etês podem vir com ele pra base que ficarão seguros mas nossos heróis ficam paranóicos e recusam. Então um deles acorda e passa sinal de rádio pro resto dos nativos informando que foram comprometidos. Zaxxon se lembra duma vez em uma parada militar em que um muleke tacou uma fruta num militar e foi severamente punido. Zaxxon deixa os nativos irem embora e procura um lugar tranqüilo pra se esconderem, acha uma área montanhosa. Todos vão pra lá, se ajeitam pra descansar.

h1

7º sessão da mesa de D&D du mal do Seiya.

18/06/2009

7º sessão da mesa de D&D du mal do Seiya.

Mini-sessão só comigo e Norian

Norian fuçando na biblioteca, até que aparece um esquisitão a observando. Ela chega junto e o cara avisa do almoço, ela o segue e almoça. No refeitório todo mundo fica afastado dela, ela tenta conversar com o esquisitão mas o cara num fala nada. Então aparece um cara armadurado seguidor de um deus sol morto há milênios e fala com o esquisitão como se fossem velhos amigo-inimigos. Depois Norian volta pra biblioteca, o esquisitão mostra um livro e ela o lê. Aprende umas coisas sobre a história de sei-lá-o-quê. Depois vai num planetário-oracular e vê as estrelinhas mudando, algo sobre uma profecia e coisas assim. É, eu num prestei atenção mesmo.

Eu, em meu quartinho fazendo runas, aparece minha deusa Beshaba dizendo que tem um trampo forte pra mim. Me mostra um mapa e diz que eu tenho que circundar uma área com runas pra algo acontecer. Ela traz também o demônio que a gente enfrentou no barco e eu mandei pro outro plano, domado. Ela diz que ele vai me servir, firmeza. Peço pra ele parecer mais apresentável e ele fica parecendo uma mulher gostosa. Beshaba me traz também um baú entupido de componentes materiais pedindo pra eu fazer runas de tudo que eu puder. Ela diz que eu vou ter que sacrificar uma coisa importante que ela deu pra mim na hora certa. Fico fazendo os trilhões de runas.

Temos uma visão, uma mega batalha entre demônios, dragões e todo tipo de bicho. Eu estou num lado com minha deusa e ela me diz umas fofices. Norian aparece em outro lado com a deusa dela conversando. Muita destruição pra todo lado, até o Acheron aparece lokão. Então um dragão fodão agarra Norian. Tiamat fala bobagens com minha deusa e vai atrás do dragão fodão. Faço um elementalzão de pedra que pega Norian do dragão e os dragões se espancam. Mais destruição e nós acordamos.

Tiamat - o dragão power ranger

Tiamat - o dragão power ranger

Viu, eu disse que era mini.

h1

Sessão aleatória minha de M&M

18/06/2009

Sessão aleatória minha de Mutantes & Malfeitores

Nessa os jogadores eram todos vilões de verdade e não heróis sanguinolentos como de costume. Estavam o Foice como Doutor Bane, cientista louco com poderes elétricos; Leandro como Baal, demônio velocista e o Danizinho como um demônio fortão de nome impronunciável referido a partir daqui como Demo2, e irmão de Baal. Já disse que eu odeio demônios?

Começamos com nossos vilões no Presídio Especial Tobias Aguiar (PETA), cada um em uma cela sozinho e cada cela era projetada para conter os poderes bisonhos dos meliantes. Bane estava numa cela isolante, nada lá era afetada por seus raios elétricos. Baal tomava jatos de espuma e outras melecas quando tentava produzir suas chamas infernais. E a cela do Demo2 absorvia todo impacto causado por sua super força. As portas das celas eram dum plástico superduro transparente.

Aparece na porta da cela de cada um cara de jaleco branco, meio careca e com uma prancheta anotando coisas. Ele diz aos presos que está disposto a conceder benefício em suas estadias em troca de informações que levem a mais apreensões vilanescas. Baal topa o acordo, diz pro tal sobre um cara que o contratou uma vez prum pacto infernal, o careca lhe concede cinco minutos de cigarro e diz que se quiser fumar de novo é bom lhe dar informações mais úteis da próxima vez.

Siiiiiiim!!! MUAHAHAHAAAAA

Siiiiiiim!!! MUAHAHAHAAAAA

Bane checa sua cela e vê que a privada é embutida na parede, ele aperta um mecanismo que abre a portinhola com o vaso. Ele arrebenta toda a privada e vê que há uns canos na parte de baixo. Ele solta suas faíscas elétricas no cano que incendeia brevemente os gases ali e todos sentem um tremorzinho embaixo de suas celas. Bane põe tudo de volta e finge que num sabe de naaada. hehe.

Demo2 fica esmurrando tudo, começa a arrancar os acolchoados das paredes só pra ver que há paredes fodonas de metal por trás e símbolos estranhos cravados por todo lado. Depois fica jogando as espumas tentando entupir os caninhos que espirram melecas.

Guardas aparecem, todos militares e cobertos, dois na frente de cada cela. Bane fica zombando deles tentando tirá-los do sério. Até consegue enervar um deles mas o outro o sossega. Apertam um botãozinho na parede e a porta transparente fica preta, para Bane não ver o que há lá fora.

Baal recebe a visita do careca (hehe). Baal sugere que o careca o use como um espião infiltrado entre os vilões e assim pode capturar todo mundo. O careca topa e diz que vai fazer os arranjos. Volta uns minutos depois com uma caixinha, a passa por um compartimento na parede perto da porta. Baal abre e vê umas pílulas coloridas. O careca lhe diz que é uma forma de manter o controle sobre ele e o vigiá-lo, só assim ele pode permitir que ele saia. Baal toma todas menos uma que ele finge tomar. O careca se vai dizendo que em breve tudo será resolvido. Minutos depois um guarda traz mais uma remessa de pílulas, Baal finge que toma todas, o guarda vai embora satisfeito.

Demo2 recebe um padreco que começa a rezar na porta. Demo2 começa a fazer macaquices demônicas pra assustar o padreco que fica todo borrado. Demo2 aproveita as macaquices pra socar um ponto específico no chão, nesse ponto as placas absorventes parecem ter emperrado. Depois de vários murrões abre uma frestinha. Detalhe pro Demo2 dizendo que sentia falta do fogo de irmão dele. Esses demônios…

Bane arrebenta o resto da privada e chega até uma pequena parte de metal, a usa pra se conduzir eletricamente até o corredor. Vê vários guardas por perto e vê que está na frente da cela de seu camarada de vilania Baal. Enquanto um guarda surpreso começa a disparar Bane descarga uns chocão nas travas eletrônicas da cela de Baal, ela pifam e a porta levanta uns centímetros. Baal põe a mão pra fora e começa a rajar fogo pra todo lado.

Demo2 abre o resto da fresta e pula pelo buraco. Vê que caiu em outra cela bizarra onde uma garotinha berra loucamente depois que um demônio caiu do teto. Milicos aparecem, abrem a porta da cela e vão entrando disparando em Demo2. Suas balas ricocheteiam na casca grossa de Demo2, que aproveita pra descer o sarrafo nos guardas. A garota berrante toma um tirão e cai. Aparece um guarda com uma arma diferente que dispara uma gosma verde que fere Demo2. Ele atropela os guardas e chega ao corredor.

Bane dá mais cargas elétricas na tranca que abre mais a porta permitindo a passagem de Baal. Baal dispara suas chamas e soca os guardas bem rápido. Vê seu irmão Demo2 saindo no tapa com uns guardas. Demo2 corre pra Baal e toma um tirão nas costas, caindo. Baal arrebenta o coitado que atacou Demo2. Bane toma um tiro e cai também.

Momentos depois Demo2 levanta e sai esmurrando as outras trancas, uma delas abre a porta e sai um cara franzino estranho, ele logo cresce e fica peludão, sai esmurrando tudo, começando por Demo2 que voa com o golpe. O peludão sai batendo em tudo. Baal pega um guardinha como refém e o ameaça na frente dos outros guardas, que ficam mais hesitantes. Bane acorda, pega uma das armaduras dos guardas pra se proteger e uma arma só que ela explode pelo descontrole da eletricidade que sai dele. Os guardas ficam num impasse, até que Baal resolve explodir a cabeça do refém e logo toma um tiro também. Bane tenta achar um computador.

Então todos notam que numa ala próxima começa mais destruição, coisas explodindo e desabando, com jorros energéticos aleatórios. Mais montes de guardas aparecem, montes de vilões também aparecem, pancadaria generalizada. Nossos vilões aproveitam a zona e vão saindo fora. Quando estão já saindo vêem um cara voando, todo de colant branco e vermelho, capa branca esvoaçante, muito bonitão e posudo. Aparentemente é quem comanda a zica toda. Uns guardinhas miram nele, mas o bonitão só aponta pra eles e eles se desintegram. Os manos fogem.

Demo2 liga pra seu cumpadre assecla pra buscá-lo de carro, todos vão pro covil dos demônios, uma metalúrgica. Lá eles discutem sobre como ele foram parar naquela cadeia, se alguém teria aprontado pra eles, e quem seria o bonitão. Bane fuça nas armas e armaduras dos guardas, vê que há um dispositivo rastreador nas armas, destrói esse e os das outras armas. Adapta a armadura pra ele e faz uns comunicadores pros três. O servo dos demos mostram o que houve na mídia nessa semana que eles ficaram presos. Só o que chama a atenção deles é um vídeo em que o prefeito comenta que há um novo plano de ação contra os vilões da cidade e blablabla, e nesse vídeo aparece o tal careca da prisão perto do prefeito. Perguntam pro servo sobre o cara mas ele nem faz idéia.

Os caras resolvem caçar informação no point local dos mau elementos, o Bar do Zé. Chegam, Bane apresenta os demônios pro Zé atrás do balcão. Zé conta que muitos trutas foram pegos e outros fugiram pra não serem levados também, mas parece que já tá sendo organizada uma resistência pra bater de frente, mas que ele não quer saber disso por ser encrenca óbvia. Então ele fica tenso de repente, se cala e volta a seus afazeres. Os caras notam que coincidiu com a entrada de um maloqueiro aleatório que eles já viram por lá fazendo trabalhos gerais. Baal pega seu comunicador, ativa-o e coloca rapidamente no bolso do malaco que entrou.

O malaco fala com uns outros malacos numa mesa, ele diz que veio pegar a resposta deles e que se for negativa eles tão lascados. Os malacos com medinho dizem que topam o acordo e que vão fazer tudo certinho. O malaco diz pra eles o encontrarem num canto que Bane reconhece como um bordel bem barra pesada. O malaco vai embora todo posudo.

Os vilões colam nos malaquinhos e botam uma moral, os malaquinhos se assustam com os demônios e tentam correr, Baal bloqueia a porta, Demo2 ergue um pelo cangote, os dois que sobraram puxam armas tremelicantes, o Zé puxa a doze e aponta pra todo mundo. Começa o interrogatório, os malaquinhos num falam nada , um deles atira no Demo2 mas a bala ricocheteia. Os vilões arrastam os malaquinhos pra fora pra num arrumar encrenca com o Zé. Demo2 diz que eles falam ali ou vão ter que ir pra casa com ele. Ui…

Baal resolve brincar de roleta russa com os malaquinhos no meio da rua. Põe os quatro ajoelhados e pergunta, eles não falam, a bala falha na primeira vez, o cara fala tudo. Diz que pintou um novo criminoso fodão que tá organizando todo mundo e que já morreu um monte de gente que se recusou a trabalhar pra ele e que eles não querem morrer. A rua já deserta, os três que sobraram saem correndo em pânico. Sem problema pois eles já tinham a informação.

Quando decidem ir embora vêem alguém na calçada ao longe, todo coberto. Perguntam o que o tal quer mas não há resposta. Desencanam e vão seguindo, a pessoa bruscamente começa a se esticar e parte pra cima dos vilões. Baal rapidamente soca o cidadão mas vê que seus socos não o afetam como se fosse alguém feito de borracha. O borrachento envolve Baal travando seus movimentos, e num silêncio total. Doutor Bane corre pra dentro do bar do Zé atrás de um extintor de incêndio pra congelar o tal borrachento, Demo2 começa a puxar o cara de cima de seu irmão. Baal tenta se soltar mas não consegue, o borrachento o espreme tanto que Baal cai inconsciente (FAAAALHA CRÍTICA). Demo2 continua tentando puxar o cara mas o cara resolve se enrolar em Demo2 agora. Bane aparece e descarrega o extintor nos dois deixando-os molhadinhos. HÁ! O borrachento tenta machucar Demo2 mas sua couraça é muito resistente, então ele estica seus membros prendendo-os nuns postes e carrega a mega estilingada. Bane resolve partir pra ignorância mesmo e disparar seus raios elétricos, mas erra pateticamente. O borrachento atira Demo2 com tudo mas o safado consegue se segurar no último momento, então o borrachento o puxa de volta tentando acertar Doutor Bane, mas ele consegue se esquivar na hora. Demo2 dá um tapão com ondas de choque que afastam o borrachento que se amarra denovo preparando um novo ataque. Bane corre até um carro, desmonta umas peças rapidamente e começa a construir uma lâmina giratória fodona pra fatiar o borrachento. Demo2 desfere mais um tapão, só que dessa vez o borrachento não consegue se segurar e é arremessado beeem longe.

Nosso herói elástico

Nosso herói elástico

Baal acorda, o vilões pegam o carro e vão embora pro bordel de nome estranho que eu não lembro. Chegando lá vêem que é um prédio de dois andares, o de baixo todo apagado, uma escada no lado de fora e movimento no andar de cima. Ao redor várias profissionais trabalhando. Bane percebe algumas pessoas na parte de baixo, ligam seus comunicadores e ouvem o comunicador que ficou no bolso do malaco do bar. Ouvem amenidade até que ouvem alguém perguntam o que era aquilo e se ele tava com uma escuta, se era um traidor e esse tipo de coisa, e logo não havia mais sinal. Muitas risadas sádicas depois, Bane começa a procurar por comunicação via rádio que seu poder captava. Nota que logo ali uns seguranças fala sobre um carro suspeito que tinha chegado há pouco e iam investigar e já tinham ordem pra eliminar se necessário.

Os seguranças se aproximam, os vilões se espantam com os demônios, passam um código via rádio e esperam algo. Os vilões falam algo mas os seguranças só aguardam. Um cara muito bem vestido se aproxima, ele tem pele vermelha, chifres e rabo espetado. Os demônios logo o reconhecem como um demônio bem mais fodão que eles. O capetão chega, diz a casta e tudo sobre Baal e Demo2, e diz que aquele pedaço e dele e que podem procurar outro canto pra corromper. Os demônios dizem que ficaram sabendo da festa e também querem participar. O capetão topa mas diz que vai ser sob as ordens exclusivas dele. Ele chama uma profissional ali de perto, arranca o coração dela com um punhal ritualístico, fala umas palavras engraçadas que ninguém entende e corta o coração. Ele o deixa sobre a boca de Baal e diz pra beber. Baal, Demo2 e Bane bebem o sangue do coração, pois sabem que é bom não contrariar o capetão fodão. Eles sentem os rebuliços místicos breves e nada mais. (detalhe pra falha crítica de Demo2, esse já era)

O capetão os lave pra festa, vários vilões e bandidos conhecidos ou não por lá, todos conversando amenidades. Lá nossos vilões descobrem que o tal bonitão é um tal de Senhor Supremo e que ninguém sabe nada dele, só que é fodão. Então um pedaço do teto some e o tal Senhor Supremo aparece flutuante e posudo. Ao lado dele ficam o capetão, uma mina mega gostosona e um cara tipo traficante colombiano. O Supremão dá um discursinho sobre ele mandar na cidade agora e que todo mundo vai seguir o plano senão vira pudim. Diz que é bom ninguém nem pensar em traílo pois ele saberá. Nisso a gostona caminha até três caras e num piscar de olhos várias lâminas estão atravessadas pelos corpos deles e ela tá lambendo o sangue de uma lâmina na mão dela. O Supremão passa a autoridade pros três que tão com ele e vai embora.

A gostosa das lâminas

A gostosa das lâminas

O povo começa a ser dividido entre os três “capitães”. O traficante colombiano começa a conversar com nossos vilões mas é interrompido pelo capetão que puxa os três de canto e diz que tem uma missão especial pra eles. Diz que eles tem que tirar um truta dele da cadeia. Passa o local e outros detalhes, e diz que não vai aceitar falhas.

E na próxima sessão (se ela existir) de volta pro xilindró.