h1

Sessão aleatória minha de M&M

18/06/2009

Sessão aleatória minha de Mutantes & Malfeitores

Nessa os jogadores eram todos vilões de verdade e não heróis sanguinolentos como de costume. Estavam o Foice como Doutor Bane, cientista louco com poderes elétricos; Leandro como Baal, demônio velocista e o Danizinho como um demônio fortão de nome impronunciável referido a partir daqui como Demo2, e irmão de Baal. Já disse que eu odeio demônios?

Começamos com nossos vilões no Presídio Especial Tobias Aguiar (PETA), cada um em uma cela sozinho e cada cela era projetada para conter os poderes bisonhos dos meliantes. Bane estava numa cela isolante, nada lá era afetada por seus raios elétricos. Baal tomava jatos de espuma e outras melecas quando tentava produzir suas chamas infernais. E a cela do Demo2 absorvia todo impacto causado por sua super força. As portas das celas eram dum plástico superduro transparente.

Aparece na porta da cela de cada um cara de jaleco branco, meio careca e com uma prancheta anotando coisas. Ele diz aos presos que está disposto a conceder benefício em suas estadias em troca de informações que levem a mais apreensões vilanescas. Baal topa o acordo, diz pro tal sobre um cara que o contratou uma vez prum pacto infernal, o careca lhe concede cinco minutos de cigarro e diz que se quiser fumar de novo é bom lhe dar informações mais úteis da próxima vez.

Siiiiiiim!!! MUAHAHAHAAAAA

Siiiiiiim!!! MUAHAHAHAAAAA

Bane checa sua cela e vê que a privada é embutida na parede, ele aperta um mecanismo que abre a portinhola com o vaso. Ele arrebenta toda a privada e vê que há uns canos na parte de baixo. Ele solta suas faíscas elétricas no cano que incendeia brevemente os gases ali e todos sentem um tremorzinho embaixo de suas celas. Bane põe tudo de volta e finge que num sabe de naaada. hehe.

Demo2 fica esmurrando tudo, começa a arrancar os acolchoados das paredes só pra ver que há paredes fodonas de metal por trás e símbolos estranhos cravados por todo lado. Depois fica jogando as espumas tentando entupir os caninhos que espirram melecas.

Guardas aparecem, todos militares e cobertos, dois na frente de cada cela. Bane fica zombando deles tentando tirá-los do sério. Até consegue enervar um deles mas o outro o sossega. Apertam um botãozinho na parede e a porta transparente fica preta, para Bane não ver o que há lá fora.

Baal recebe a visita do careca (hehe). Baal sugere que o careca o use como um espião infiltrado entre os vilões e assim pode capturar todo mundo. O careca topa e diz que vai fazer os arranjos. Volta uns minutos depois com uma caixinha, a passa por um compartimento na parede perto da porta. Baal abre e vê umas pílulas coloridas. O careca lhe diz que é uma forma de manter o controle sobre ele e o vigiá-lo, só assim ele pode permitir que ele saia. Baal toma todas menos uma que ele finge tomar. O careca se vai dizendo que em breve tudo será resolvido. Minutos depois um guarda traz mais uma remessa de pílulas, Baal finge que toma todas, o guarda vai embora satisfeito.

Demo2 recebe um padreco que começa a rezar na porta. Demo2 começa a fazer macaquices demônicas pra assustar o padreco que fica todo borrado. Demo2 aproveita as macaquices pra socar um ponto específico no chão, nesse ponto as placas absorventes parecem ter emperrado. Depois de vários murrões abre uma frestinha. Detalhe pro Demo2 dizendo que sentia falta do fogo de irmão dele. Esses demônios…

Bane arrebenta o resto da privada e chega até uma pequena parte de metal, a usa pra se conduzir eletricamente até o corredor. Vê vários guardas por perto e vê que está na frente da cela de seu camarada de vilania Baal. Enquanto um guarda surpreso começa a disparar Bane descarga uns chocão nas travas eletrônicas da cela de Baal, ela pifam e a porta levanta uns centímetros. Baal põe a mão pra fora e começa a rajar fogo pra todo lado.

Demo2 abre o resto da fresta e pula pelo buraco. Vê que caiu em outra cela bizarra onde uma garotinha berra loucamente depois que um demônio caiu do teto. Milicos aparecem, abrem a porta da cela e vão entrando disparando em Demo2. Suas balas ricocheteiam na casca grossa de Demo2, que aproveita pra descer o sarrafo nos guardas. A garota berrante toma um tirão e cai. Aparece um guarda com uma arma diferente que dispara uma gosma verde que fere Demo2. Ele atropela os guardas e chega ao corredor.

Bane dá mais cargas elétricas na tranca que abre mais a porta permitindo a passagem de Baal. Baal dispara suas chamas e soca os guardas bem rápido. Vê seu irmão Demo2 saindo no tapa com uns guardas. Demo2 corre pra Baal e toma um tirão nas costas, caindo. Baal arrebenta o coitado que atacou Demo2. Bane toma um tiro e cai também.

Momentos depois Demo2 levanta e sai esmurrando as outras trancas, uma delas abre a porta e sai um cara franzino estranho, ele logo cresce e fica peludão, sai esmurrando tudo, começando por Demo2 que voa com o golpe. O peludão sai batendo em tudo. Baal pega um guardinha como refém e o ameaça na frente dos outros guardas, que ficam mais hesitantes. Bane acorda, pega uma das armaduras dos guardas pra se proteger e uma arma só que ela explode pelo descontrole da eletricidade que sai dele. Os guardas ficam num impasse, até que Baal resolve explodir a cabeça do refém e logo toma um tiro também. Bane tenta achar um computador.

Então todos notam que numa ala próxima começa mais destruição, coisas explodindo e desabando, com jorros energéticos aleatórios. Mais montes de guardas aparecem, montes de vilões também aparecem, pancadaria generalizada. Nossos vilões aproveitam a zona e vão saindo fora. Quando estão já saindo vêem um cara voando, todo de colant branco e vermelho, capa branca esvoaçante, muito bonitão e posudo. Aparentemente é quem comanda a zica toda. Uns guardinhas miram nele, mas o bonitão só aponta pra eles e eles se desintegram. Os manos fogem.

Demo2 liga pra seu cumpadre assecla pra buscá-lo de carro, todos vão pro covil dos demônios, uma metalúrgica. Lá eles discutem sobre como ele foram parar naquela cadeia, se alguém teria aprontado pra eles, e quem seria o bonitão. Bane fuça nas armas e armaduras dos guardas, vê que há um dispositivo rastreador nas armas, destrói esse e os das outras armas. Adapta a armadura pra ele e faz uns comunicadores pros três. O servo dos demos mostram o que houve na mídia nessa semana que eles ficaram presos. Só o que chama a atenção deles é um vídeo em que o prefeito comenta que há um novo plano de ação contra os vilões da cidade e blablabla, e nesse vídeo aparece o tal careca da prisão perto do prefeito. Perguntam pro servo sobre o cara mas ele nem faz idéia.

Os caras resolvem caçar informação no point local dos mau elementos, o Bar do Zé. Chegam, Bane apresenta os demônios pro Zé atrás do balcão. Zé conta que muitos trutas foram pegos e outros fugiram pra não serem levados também, mas parece que já tá sendo organizada uma resistência pra bater de frente, mas que ele não quer saber disso por ser encrenca óbvia. Então ele fica tenso de repente, se cala e volta a seus afazeres. Os caras notam que coincidiu com a entrada de um maloqueiro aleatório que eles já viram por lá fazendo trabalhos gerais. Baal pega seu comunicador, ativa-o e coloca rapidamente no bolso do malaco que entrou.

O malaco fala com uns outros malacos numa mesa, ele diz que veio pegar a resposta deles e que se for negativa eles tão lascados. Os malacos com medinho dizem que topam o acordo e que vão fazer tudo certinho. O malaco diz pra eles o encontrarem num canto que Bane reconhece como um bordel bem barra pesada. O malaco vai embora todo posudo.

Os vilões colam nos malaquinhos e botam uma moral, os malaquinhos se assustam com os demônios e tentam correr, Baal bloqueia a porta, Demo2 ergue um pelo cangote, os dois que sobraram puxam armas tremelicantes, o Zé puxa a doze e aponta pra todo mundo. Começa o interrogatório, os malaquinhos num falam nada , um deles atira no Demo2 mas a bala ricocheteia. Os vilões arrastam os malaquinhos pra fora pra num arrumar encrenca com o Zé. Demo2 diz que eles falam ali ou vão ter que ir pra casa com ele. Ui…

Baal resolve brincar de roleta russa com os malaquinhos no meio da rua. Põe os quatro ajoelhados e pergunta, eles não falam, a bala falha na primeira vez, o cara fala tudo. Diz que pintou um novo criminoso fodão que tá organizando todo mundo e que já morreu um monte de gente que se recusou a trabalhar pra ele e que eles não querem morrer. A rua já deserta, os três que sobraram saem correndo em pânico. Sem problema pois eles já tinham a informação.

Quando decidem ir embora vêem alguém na calçada ao longe, todo coberto. Perguntam o que o tal quer mas não há resposta. Desencanam e vão seguindo, a pessoa bruscamente começa a se esticar e parte pra cima dos vilões. Baal rapidamente soca o cidadão mas vê que seus socos não o afetam como se fosse alguém feito de borracha. O borrachento envolve Baal travando seus movimentos, e num silêncio total. Doutor Bane corre pra dentro do bar do Zé atrás de um extintor de incêndio pra congelar o tal borrachento, Demo2 começa a puxar o cara de cima de seu irmão. Baal tenta se soltar mas não consegue, o borrachento o espreme tanto que Baal cai inconsciente (FAAAALHA CRÍTICA). Demo2 continua tentando puxar o cara mas o cara resolve se enrolar em Demo2 agora. Bane aparece e descarrega o extintor nos dois deixando-os molhadinhos. HÁ! O borrachento tenta machucar Demo2 mas sua couraça é muito resistente, então ele estica seus membros prendendo-os nuns postes e carrega a mega estilingada. Bane resolve partir pra ignorância mesmo e disparar seus raios elétricos, mas erra pateticamente. O borrachento atira Demo2 com tudo mas o safado consegue se segurar no último momento, então o borrachento o puxa de volta tentando acertar Doutor Bane, mas ele consegue se esquivar na hora. Demo2 dá um tapão com ondas de choque que afastam o borrachento que se amarra denovo preparando um novo ataque. Bane corre até um carro, desmonta umas peças rapidamente e começa a construir uma lâmina giratória fodona pra fatiar o borrachento. Demo2 desfere mais um tapão, só que dessa vez o borrachento não consegue se segurar e é arremessado beeem longe.

Nosso herói elástico

Nosso herói elástico

Baal acorda, o vilões pegam o carro e vão embora pro bordel de nome estranho que eu não lembro. Chegando lá vêem que é um prédio de dois andares, o de baixo todo apagado, uma escada no lado de fora e movimento no andar de cima. Ao redor várias profissionais trabalhando. Bane percebe algumas pessoas na parte de baixo, ligam seus comunicadores e ouvem o comunicador que ficou no bolso do malaco do bar. Ouvem amenidade até que ouvem alguém perguntam o que era aquilo e se ele tava com uma escuta, se era um traidor e esse tipo de coisa, e logo não havia mais sinal. Muitas risadas sádicas depois, Bane começa a procurar por comunicação via rádio que seu poder captava. Nota que logo ali uns seguranças fala sobre um carro suspeito que tinha chegado há pouco e iam investigar e já tinham ordem pra eliminar se necessário.

Os seguranças se aproximam, os vilões se espantam com os demônios, passam um código via rádio e esperam algo. Os vilões falam algo mas os seguranças só aguardam. Um cara muito bem vestido se aproxima, ele tem pele vermelha, chifres e rabo espetado. Os demônios logo o reconhecem como um demônio bem mais fodão que eles. O capetão chega, diz a casta e tudo sobre Baal e Demo2, e diz que aquele pedaço e dele e que podem procurar outro canto pra corromper. Os demônios dizem que ficaram sabendo da festa e também querem participar. O capetão topa mas diz que vai ser sob as ordens exclusivas dele. Ele chama uma profissional ali de perto, arranca o coração dela com um punhal ritualístico, fala umas palavras engraçadas que ninguém entende e corta o coração. Ele o deixa sobre a boca de Baal e diz pra beber. Baal, Demo2 e Bane bebem o sangue do coração, pois sabem que é bom não contrariar o capetão fodão. Eles sentem os rebuliços místicos breves e nada mais. (detalhe pra falha crítica de Demo2, esse já era)

O capetão os lave pra festa, vários vilões e bandidos conhecidos ou não por lá, todos conversando amenidades. Lá nossos vilões descobrem que o tal bonitão é um tal de Senhor Supremo e que ninguém sabe nada dele, só que é fodão. Então um pedaço do teto some e o tal Senhor Supremo aparece flutuante e posudo. Ao lado dele ficam o capetão, uma mina mega gostosona e um cara tipo traficante colombiano. O Supremão dá um discursinho sobre ele mandar na cidade agora e que todo mundo vai seguir o plano senão vira pudim. Diz que é bom ninguém nem pensar em traílo pois ele saberá. Nisso a gostona caminha até três caras e num piscar de olhos várias lâminas estão atravessadas pelos corpos deles e ela tá lambendo o sangue de uma lâmina na mão dela. O Supremão passa a autoridade pros três que tão com ele e vai embora.

A gostosa das lâminas

A gostosa das lâminas

O povo começa a ser dividido entre os três “capitães”. O traficante colombiano começa a conversar com nossos vilões mas é interrompido pelo capetão que puxa os três de canto e diz que tem uma missão especial pra eles. Diz que eles tem que tirar um truta dele da cadeia. Passa o local e outros detalhes, e diz que não vai aceitar falhas.

E na próxima sessão (se ela existir) de volta pro xilindró.

%d bloggers like this: