h1

2º sessão da mesa de D&D do Tib

07/08/2009

Seguimos pela florestinha malvada, de boa o dia todo, à noite paramos numa clareira pra descansar. Bá e Lao Ma fizeram o primeiro turno de guarda. Quase no final do turno elas ouvem algo se aproximar no mato, aparecem três texugos atrozes (pensei que nunca diria isso) muito estressados e vem pra cima das minas. Elas nos chamam mas continuamos bodeados babando, elas partem pra pancadaria. Depois eu acordo e me junto a treta, sem armadura e escudo, só com o machado. Até acerto um golpe, mas tomo umas bordoadas e caio. Vince acorda e entra no combate, mas num serve pra nada. hehe Bá faz um home run com um dos texugos, eliminando-o. O povo faz montinho num outro, e o último cai pateticamente na fogueira e sai correndo flambado. Finalmente os três são eliminados.

Putz, apanhar de texugo é fim de carreira

Putz, apanhar de texugo é fim de carreira

Lao Ma faz uns curativos em mim, que não ajudam nada. hehe Bá começa a fuçar na área atrás de mais ameaças e encontra uma toca, provavelmente dos texugos. Vê um brilho dentro, cutuca com a espada, ouve barulho de vidro, começa a puxar com a espada (ô coragem) e vem um frasquinho todo trincando. Ela pega com cuidado pra não despedaçar e entrega pra Vince, que deixa o frasco se despedaçar e o líquido vai pro chão. Resolvem me dar o q sobrou, recupero o suficiente pra parar de morrer. Voltamos a dormir, ou eu que continuo né, e Vince fica de guarda, nosso ranger nem acordou com a zona toda, tava exausto.

Acordamos de manhã, o Ranger prepara o café, percebe que estou ferido, contamos da treta da noite, ele refaz o curativo, seguimos pela floresta. Quando já avistávamos a torre do Tonk, o mago que a gente tava indo atrás, vemos um carinha ao longe no nosso caminho, todo poser com um cajado. Reconhecemos ser Kelvin, nosso amiguinho de infância que partiu pra virar aprendiz de Tonk. Chamamos e ele nos reconhece, principalmente Vince que costumava dar uns tapas nele. Falamos da treta que rolou na cidade e o que viemos fazer, ele diz que o mestre dele, Tonk, foi comprar cigarro e nunca mais voltou. Diz que tá indo pruma vila ali perto que tem um tal de Pomo de Prata que cura qualquer coisa, com uma mercadora chama Perla Claymore, vamos junto com ele.

Kelvin - nosso maguinho sem vergonha

Kelvin - nosso maguinho sem vergonha

No caminho encontramos uma carroça virada com ratões comendo uns corpos. Afasto os ratos e Lao Ma e Bá tiram os corpos de lá pra darmos um fim mais legalzinho pra eles. Os ratos encrencam, matamos eles (com um certo trabalhinho…) e Lao Ma faz os ritos fúnebres e botamos fogo nos corpos.

Chegamos na vila quase antes do portão fechar. Os guardas nos dizem que também foram atacados por goblins. Eu, Lao Ma e Vince vamos pro templo, Bá e Kelvin vão pra taverna, e Alaric, o ranger vai encontrar um antigo amigo. No templo somos recebidos por uma gnoma de cabelo rosa parecendo as orelhas do Mickey. Ela diz que vai me ajudar, mas eu tenho que deixar armas e armadura do lado de fora, tiro tudo e entro. Lao Ma entra pra rezar, Vince vai atrás de encrenca na taverna.

Ok, talvez ela não estivesse tão feliz assim em nos ver

Bá e Kelvin entram na taverna, Kelvin pede um quarto mas é tratado com desprezo e medo, ele faz menção de pegar algo na pochete e várias espadas aparecem no pescoço dele, ele então põe as mãos nas mangas e “espirra” espalhando um pó que bota todo mundo pra dormir. Depois pede com jeitinho e ganha um quarto. Bá fica pra arrumar encrenca. Vince chega e fica se enturmando, tentando roubar algo. Um tiozão cola em Bá e começa a xavecar, chama-se Antônio Claymore, um riquinho local. Fala umas abobrinhas e no fim leva Bá pros finalmentes. hehe

Antônio Claymore - parece nome de ator pornô medieval

Antônio Claymore - parece nome de ator pornô medieval

Vince arruma encrenca, acaba ameaçando o taverneiro e a taverna toda começa a persegui-lo. Ele se esconde no templo. Enquanto a turba enfurecida o chama pra fora do templo eu acordo enquanto a gnoma está me curando. Ela diz que deu bosta e que o templo foi violado. Eu e Lao Ma vemos Vince lá escondido. Lao Ma pega as armas dele e joga fora, eu mando a turba pra casa, mas prometem matar Vince se o virem de novo. Aparentemente gnomos tem uma missão na vida e a dessa gnoma era evitar que entrasse armas no templo. Se Fo deu. Há! Dormimos quentinhos, a gnoma nos diz onde encontrar a Perla e no dia seguinte a gnoma sumiu.
EPIC_FAIL_by_Lavender_IceBá, no dia seguinte, conversando com o tiozão Claymore, o cara oferece ajuda na missão de Bá e ela diz que ele pode arrumar uma grana pra ela. Toninho olha com desprezo, deixa uma grana e vai embora. Bá percebe que se expressou mal, deixa a grana lá e vai embora. Trombamos ela lá fora, indo pra casa do Claymore atrás da tal Perla. Voltamos pra casa do Toninho Claymore, perguntamos sobre a Perla, descobrimos que era a esposa dele que morreu há três anos, dizemos do pomo ele diz que foi roubado pelos goblins e que os filhos dele foram atrás dos goblins e não voltaram. Diz que se acharmos os filhos dele, ou os anéis que eles usavam, vamos ganhar uma grana e o pomo. Topamos, ele diz que podemos procurar ajuda com o taverneiro.

Na taverna, o taverneiro nos diz onde os goblins deve estar, ali num picos próximos. Diz dum mago que foi atrás do goblins e nunca mais voltou. Comentamos dos mortos que achamos na estrada e ele diz ser parente do Toninho Claymore, diz que vai dar as notícias pro amigo (esse é azarado hein…). Perguntamos do Kelvin que tinha ficado ali, ele nos diz que mandou o cara pruma lojinha ali perto. Chegamos à lojinha e no mesmo instante vemos Kelvin e Alaric se teleportando com um pergaminho. Perguntamos pro cara da lojinha e ele diz que os dois foram chamados pelo mago Tonk fio-duma-égua. Resolvemos partir em busca dos goblins né…
wantedposter

Anúncios

2 comentários

  1. Melhor parte: O cartaz de procurado do terrível Zorbas!


  2. Zorbas! Zorbas! Zorbas!



Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: