h1

3º sessão da mesa de D&D do Tib

13/08/2009

3º sessão da mesa de D&D do Tib

Começamos seguindo pro horizonte atrás dos góblins, até um ponto onde nossos cavalos não passariam mais por causa das pedras e talz. Estacionamos muquiadinhos e seguimos a pé. Chegamos num desfiladeiro beeem alto, com uma escadaria xumbrega e imeeeensa nas bordas. Fomos descendo quando nosso hábil ladino Vince tropicou lá no começo da escada e foi aterrisar lá no último degrau, a lá Homer Simpson, e apagou. Chegamos até ele depois da escadaria, lugar escuro pelo sol nem bater lá, neblina e talz. Tentei acordar Vince mas num deu, Lao Ma deu uns trancos no garoto e ele acordou. todo arrebentado, mas acordou.

O temível monstro Escada Atroz, o flagelo dos ladrões

O temível monstro Escada Atroz, o flagelo dos ladrões

Mais a frente notamos uma luz, um fogueira e uma cabaninha de couro, só que o terreno era cheio dumas plantas que pareciam se mover. Suspeitamos que aquele troço fosse perigoso, então Vince foi na frente ver o que pegava. Passou pelas plantinhas esquisitonas e chega na cabaninha. Desarmado, pega um graveto e tenta pegar o ocupante da barraca de surpresa. Encosta o gravetinho nas costas dum cara, ameaça um pouquinho mas o cara nem dá bola, diz ser um místico da natureza [hippie] e tá bem doentão. Ele tá assando um coelho mirrado. Vince volta, nos conta o que pegou e nos guia pelas plantinhas. Uns machucadinhos depois chegamos na cabana.

O Hippie com gripe suína

O Hippie com gripe suína

Conversamos com o tal hippie, descobrimos que ele fazia parte da comitiva dos Claymore que a gente tá procurando. Disse que ficou doente e resolveu ficar ali até melhorar e poder voltar pra cidade. Diz que os Claymores seguiram pra uma caverna ali perto uns dias atrás. Ficamos lá enrolando, o hippie vai dormir, então notamos uns góblins se aproximando, só que esses aparentavam serem profissionais, militarizados e talz. Entre eles um cara maior, um hobgoblin, cheio de pinduricalhos. Logo eles colam e a pancadaria começa. Até tento xingar na língua góblin mas acho que acabo passando uma cantada num deles. O hobgoblin fica lançando magias, Vince pega a maça do hippie. Até parecendo um grupo nós arrebentamos os bichos. Pegamos uma graninha mixuruca e os equipamentos deles apesar de bons não servem pra gente pelo tamanho. Achamos uma poção de cura mirrada que me deu uns pontinhos a mais.

Ainda aprendo a xingar na língua goblin

Ainda aprendo a xingar na língua goblin

Descansamos e levantamos de manhã, deixamos o hippie e fomos pra caverna. Tudo escuro, achamos umas tochas nas paredes, acendemos e fomos seguindo. Achamos uns carrinhos de mineiro com escritas anã, Lao Ma deduz serem anões que seguiam uma deusa malvada. Chegamos num salãozão com teto escorado por vigas de madeira. Numa das vigas um corpo empalado todo armado. Vince vai fuçar e um vermão cheio de tentáculos cai perto dele, solta uma gosma e Vince fica paralisado. Partimos pra pancadaria mas Bá desce o sarrafo no bicho na joselitagem, umas espadas nervosas e pronto. Pilhamos o mano empalado, Vince descola um arco com brilhinhos, mágico, eu um machado que tem uns inscritos em dracônico, possivelmente mágico, pegamos um medalhão com o nome do empalado, uns dinheiros, e num sei se tinha algo mais. Seguimos.

Melecas e Tentáculos - o que mais um aventureiro quer?

Melecas e Tentáculos - o que mais um aventureiro quer?

Chegamos numa sala gelada, uma fonte no meio com uma gárgula em cima. Umas inscrições anãs, aparentemente algo sobre a água da fonte que protege os servos da deusa malvada. Vince vê um anel no fundo da fonte, vai pegá-lo mas resolve ser mais cauteloso, pega-o com uma flecha e fica testando, resolve por no dedo mas nada acontece de especial [que tenhamos percebido].

Continuamos por um túnel até umas grades forçadas pra dentro. Passamos e chegamos numa sala onde um corpo está jogado num altar e rodeado por cogumelos grandões. Taco minha tocha do outro lado da sala pra enxergarmos melhor. Muito desconfiados Vince laça o corpo e eu vou puxando, assim que o corpo sai do altar vários cogumelos estressados caem do teto e vem pra cima da gente. arrebentamos a cogumelada, as flechas do novo arco de Vince saem fogo. Apanhar de texugo tudo bem, mas de salada ninguém merece… Então vemos que o limo que tinha no altar desceu e tá crescendo, aparentemente se alimentando do calor da tocha. Lao Ma tenta pular o bicho e pegar a tocha mas num consegue, Vince taca água no bicho e ele afasta. Pegamos água na fonte e o bicho se encolhe denovo.

Acho que esse não é aquele que dá vidinha extra.

Acho que esse não é aquele que dá vidinha extra.

Checamos o cidadão que puxamos e é um dos Claymore, pelo anel que ele tem. Pegamos o anel, mais uns dinheiros, uma pérola branca e uma preta, uma armadura legal e um espadão Claymore. Mais caminho pra frente, seguimos atrás do Claymore restante e dos goblins safados.

Claymore -  espadinha sem noção

Claymore - espadinha sem noção

%d bloggers like this: