Archive for Outubro, 2009

h1

3º sessão da mesa de M&M do Benito

30/10/2009

3º sessão da mesa de M&M do Benito

Nessa nós jogamos com nossos pj de nível 8, os eventos ocorrem paralelamente a mesa dos pjs de nível 10. Nesse eu tô como Sagita, um lagartóide arqueiro com flechas mirabolantes. Temos a Graci como Kinema, uma psicona telecinética; o Tib como Darkwing, um cara tipo o asa noturna; e o Fabão com Rider, um engenheiro com uma armadura cheia de gracinhas.

Também somos membros da Aliança, o grupo gigante de heróis, e estamos cuidando de Nova York. Eu e Kinema recebemos informações sobre um roubo rolando numa loja da cidade de noitão. Chegamos lá e vemos uns bandidos levando as coisas. Kinema prende uns no chã com telecinece enquanto eu taco minhas flechas especiais. Um deles resolve atirar pra todo lado mas uma flechada resolve ele. Um cara que estava de longe mas com o grupo resolve fugir. Kinema fica cuidando dos bandidos enquanto eu voua trás do fujão. Ele foje pelo esgoto, vou atrás de boa. Ele chega num carro, eu pulo em cima do carro e vamos passeando pela rua, eu giro o volante com meu rabo fazendo o carro bater e o cara pedalar. Fuçando ele acho uma agenda com infos sobre um compromisso as três da manhã num armazém. Passo pra galera e vamos todos pra lá.

Kinema usa percepção extra sensorial pra ver o que tá pegando lá, vê uma renca de bandido, caminhões, caixas, armas, aparelhos genéricos, e um cara de branco meio kung fu. O cara de branco nota a espionagem e alerta todo mundo, que começam a se preparar. Perdemos o elemento surpresa, partimos pro ataque. Rider desliga a luz do armazém, Kinema estoura a portona com telecinese e tiro começa a voar pra todo lado, e fumaça deixa tudo mais escuro. Umas granadas de luz vem do armazém e nos deixam tontos por um tempo, Rider e Darkwing entram e começam a socar as pessoas. Rider sobe num caminhão e dispara raiões pra todo lado. Kinema arranca o teto com telecinese, vamos capotando os capangas, mas o cara de branco nem dá sinal de vida. Num dos disparos de Rider abre um rombo na parede que uns caras começam a fugir. Kinema e eu vamos atrás, ela os segura na telecinese e eu nocauteio na flechada.

Capangas - Agora na versão numerada

Capangas - Agora na versão numerada

Com os capangas acabados aparece o cara de branco do kung fu. Ele entra numa treta com Darkwing, lance “me mostre o seu kung fu”. Darkwing tá uma varetada mas o cara bloqueia, e devolve com umas bolinhas de fumaça que deixam darkwing tonto. Kinema chega e prende o cara com telecinese, o cara joga uma sementinha e uma árvore toma o lugar dele. Limpamos o lugar, descobrimos que faz parte da tal operação 2012 que não fazemos idéia do que seja, vamos investigar e enrolar por aí. Darkwing foi atrás duns mafiosos, fez umas inimizades mas num conseguiu nada.

No dia seguinte tá rolando uma chuva foda, de virar carro na rua, e recebemos relatos de catástrofes. Um tsunami vindo, a ponte gigantona chacoalhando pra cair, dois trens prestes a se beijarem, além de saques pela cidade. Distribuímos a galera pelas catástrofes, e chamamos mais uns companheiros de Aliança pra ajudar. Vem Kabuto, um armadurado porradeiro e Sahara, uma mina que controla terra. Eu e Sahara vamos cuidar do tsunami. Kinema cuida dos trens, e o resto cuida da ponte.

_thunder__by_Mrichston

Kinema segurou os trens com sua telecinese rapidinho, então foi ajudar com o tsunami. Na praia Sahara foi movendo a terra no mar pra diminuir a onda enquanto Kinema ia segurando com telecinese e eu ia tirando as pessoas e colocando obtásculos no caminho da água pra num avançar muito pra cidade. A onda veio mais baixa, fico ali na praia, molhou um pouquinho mas sussa. Na ponte o povo ficou amarrando os cabos pra segurar a ponte e Rider destruiu uns pontos específicos na ponte pra cair uns pedaços sem levar a ponte toda, dando tempo pra galera sair.

Dias depois de controle de dano salvamos as pessoas em apuros pela tragédia, cuidado de bandidos e ajudando no que pudessemos e o exército tava jogando comida no Central Park por que tava difícil de chegar na cidade. Num momento uns Trols, os caras que usam as drogas que dão poderes, vieram tocar o terror no parque saquear tudo. Vamos lá bater neles, Kinema já tava lá cuidando da segurança, tenta pegar os caras mas o líder é fortão e taca um pedaço do chão nela, a nocauteando. Chegamos e vemos o Trols fazendo a zona, batendo em pessoas, levando as comidas, entramos na porrada, sentamos o prego nos meliantes. Descobrimos que tá rolando um lance da máfia comandando os saques e tretas diversas, mais pra investigamos depois.

troll01

Trolls - Temos que espancar agora antes que amadureçam

Recebemos informes do time na Califórnia dizendo que vão resolver o lance na falha de San Andreas, então redividimos o grupo pra próxima sessão.

h1

2º sessão da mesa de M&M do Benito

29/10/2009

2º sessão da mesa de M&M do Benito

Nessa o Fabão entrou com o Dínamo, cara que absorve  energias e dispara raiões.

Continuando a encrenca da última sessão, juntamos o grupo e vamos resolver a fuga da cadeia de supervilões. Pulsar juntou umas informações sobre as tretas rolando no mundo e triangulou a fonte da encrenca na falha de San Andreas na Califórnia. Ficamos de ver isso assim que resolvermos a cadeia. Caçamos umas informações sobre a cadeia mas é tudo ultra secreto, sabemos que rola uns inibidores de poder lá que podem nos afetar.

Marseille__Prison_Island_by_geostant

É tão bom não ter que procurar o vilão, já deixam guardadinhos pra gente.

Chegamos na cadeia, uma ilha artificial do tamanho do maracanã e com vários níveis subterrâneos. Tudo fechado, uma fumacinha saindo. Pulsar e Dínamo avançam por cima pra invadir o lugar. Kodama checa os arredores pra ver se tá tudo bem, ela acha umas partes fragilizadas dos paredões da cadeia. Me passa, então eu reforço os locais com coisas pesadas.

Pulsar e Dínamo passam por uma área que dá uns xabu nos poderes dele, Pulsar perde o vôo e ambos estabacam no chão. Tiroteio rolando entre guardas e prisioneiros, Pulsar e Dínamo tomam tiros de todo lado, atacam de volta os bandidos, e Pulsar toma uma em cheio que o derruba. Dínamo faz uns códigos militares pra dizer que é amigo e os guardas param de atirar neles. Conversa com os guardas, descobre que o Foguentinho que prendemos na outra sessão e mais dois caras estão comandando a zona e pegaram o diretor da cadeia como refém. A fumaceira intensifica, eu lá de baixo dou um pulão e tapão pra tirar um pouco da fumaça mas num ajuda muito. Kodama percebe uns ninjas a observando, ela fica pulando e teleportando pra todo canto pra despistar os ninjas.
ninjassign
Kodama arma uma pros ninjas se revelarem, eles caem na arapuca e alguns se revelam atacando-a, ela fica grudada no chão. Reconhece o estilo dos caras como similar ao dela. Fica tretando com os caras. Eu dou outro pulão e tapão e tiro a fumaça. Pulsar acorda e entramos na cadeia de vez, enquando Kodama se vira lá fora.

Lá dentro percebemos que o chão tá derretido, ocultando pistas e tudo mais, só que o lugar tá vazio, vamos seguindo pra baixo atrás dos meliantes. Chegamos no grande buracão que leva até o fundo da cadeia onde o diretor tá sendo mantido refém. Pulo e aterriso no local onde os guardas e os bandidos tão tretando. Já caio soprando gelo no chão na área dos bandidos e fico de costas pros guardas. Eles atiram em mim mas nem machuca, percebem que estou lá pra ajudar.

Halo_3_armour__Security_by_Tru_W3rewolf

Nossos amiguinhos guardas que adoram atirar na gente

Pulsar e Dínamo passam voando mais pra baixo. Chegam numa portona com dois fortões guardando. Dínamo dá um flash pra ofuscar os fortões enquanto Pulsar dispara no chão quebrando tudo e fazendo os fortões irem láááá pra baixo. Entram e vêem um vilão genérico mantendo o diretor de refém. Pulsar nota com sua percepção cósmica que tem algo de errado com aqueles dois. Saca que o vilão e o diretor de alguma forma trocaram de lugar, um é o outro, tendeu? Ficam lá trocando idéia enquanto eu termino de pegar os bandidos genéricos lá em cima, chego lá e vejo o papo rolando.

Lá fora aparecem umas naves que estavam invisíveis, Kodama se esconde e passa o que acontece pra gente, rola umas explosões naquelas partes fragilizadas da parede. Numa delas sai o Foguentinho e os dois capangas, um homem-fera e um psicão. Eles pedalam os guardinhas que tavam por ali, até petrificam um dos guardas, depois sobem numa nave e quando estão pra ir Kodama aparece do nada na frente deles. A idéia era ser furtiva né, mas o dado nem sempre concorda com nossas ações. Mais umas falhas depois e o psicão acaba petrificando Kodama também.

Recebemos só chiado do rádio de Kodama, imaginamos que ela esteja no modo furtivo total. Lá dentro derrubamos o vilão e o refém, e Pulsar recebe no rádio a voz do Foguentinho agradecendo a nossa participação pois sem nossa ajuda eles não teriam conseguido sair e blablabla. Desde o começo suspeitamos que fosse uma armação né, mas fazer o quê? Botamos ordem no resto da cadeia e quando saímos trombamos com a Kodama estátua e os corpos dos guardas. Fazemos ceninha de “vamos pegar vocês, seus bastardos!” e voltamos pra base. Deixamos Kodama no molho, pra passar o efeito da pedrisse e armamos o time pra ir até a falha de San Andreas.
fail

 

h1

4º sessão da minha mesa de M&M Vilões

29/10/2009

4º sessão da minha mesa de M&M Vilões

Nessa o Hugo entrou como Rúbia, menina insana trocadora de mentes e telepatona. E dos outros só teve o Foice com o Dr, Bane mesmo.

Começamos com Rúbia que tomou o corpo dum médico no sanatório e depois acabou sendo levada junto quando outros doutores foram sequestrados pelos vilões. Rúbia (usando o corpo de um doutor) é levada pro laboratório onde tão tentando reimplantar o cérebro de dr. Bane num corpo.

Rúbia nota que o cérebro de dr. Bane está ativo e vai conversar com ele telepaticamente. Ela diminui a confusão dele e conversam, diz que pode ajudá-lo e diz pra escolher um corpo que ela o joga dentro. Bane escolhe um doutor que mexia num computador e Rúbia trabsfere a mente de Bane praquele corpo e a do doutor pro cérebro de Bane. Porém os poderes de Bane são meio descontrolado e estão sempre ativos, o que começa a rolar choques pra todo lado. Balbúrdia na sala, o povo pensa que tá rolando ataque, equipamentos explodem, pessoas tomam choque, os guardas entram, luzes, barulhos e fumaça. Rúbia controla um guarda mentalmente pra protegê-la, o guarda fica totalmente a vontade dela. Bane pega o pote com seu cérebro e teleporta dali. Vê que um doutor está sendo escoltado por um soldado e parecia ser bem importante. Uns soldados interrompem a fuga de Rúbia mas ela controla a mente de um deles pra atacar os outros, eles tretam e arrebentam o controlado enquanto Rúbia é fugida pelo guarda. O guarda a solta na rua e volta pra base.

Bane volta para seu covil secreto e guarda seu cérebro. Então vai pra base dos vilões atrás do capetão chefe Dormitor. Chega lá e o Dormitor o recebe, logo um guardinha entra na sala e conta o que pegou pro Dormitor. Ele percebe que Bane está confuso, e em outro corpo, e entende que a zona que ele causou não foi proposital, ele não tinha percebido que estava com aliados e acabou destruido o laboratório todo. Bane conta do cara telepata e Dormitor tenta encontrá-lo mentalmente mas não consegue. Dormitor deixa Bane se recuperar e voltar ao trabalho pra resolver o problema do cérebro e corpo enquanto ele manda uns capangas atrás do tal telepata.

Rúbia passeia pela cidade quando é atropelada por um furgão preto, homens armados pegam-na e a jogam no furgão, mas antes ela troca de corpo com um mané qualquer na rua e vê o furgão indo embora com o ex-corpo que ela habitava. Continua passeando, vai pruma praça e fica escrevendo bobagens num caderno observando um prédio e fuçando as mentes das pessoas que entram ali procurando por pessoas que tenham influência no sanatório que ela reside. Num acha nada de útil.

Bane recebe a notícia que pegaram o telepata e vai ver o que rola. O cara é torturado e posto em máquinas pra falar mas não revela nada, o povo se empolga com os equipamentos e acabam matando o pobre inocente. Bane bola idéias malucas de equipamentos pra achar o tal telepata mas desencana e vai arrumar seu próprio corpo. Junta uns doutores e começa a construir seus equipamentos pra botar sua mente num corpo que ele queira.

Mad_Scientist_by_Puddingbat

Cada bizarrice que aprontam...

Na pracinha Rúbia vê fumaça e ouve barulho de explosões. Vê os vilões (os outros PJs que faltaram) tocando o terror na rua, destruindo tudo, tacando carros e fogo pra todo lado. Rúbia troca de lugar com o vilão pistoleiro, olha pro corpo onde estava e atira, pedalando o ex-corpo que agora tinha a mente do pistoleiro (tendeu?). Entra na bagunça e sai pela rua atirando, fingi estar meio confuso, toma umas pedradinhas de propósito. Saca o que tá pegando, quem são esses vilões e por que tão destruindo tudo. Nota o demônio vermelho segurando o tridente e vai na mente dele, só que encontra uma segunda mente nele. Na cabeça do vermelhão aparece a mente do demônio azul irmão dele que virou tridente. O tridente tenta enxotar Rúbia dali, ela tenta se camuflar mas num consegue e sai, só que fica travada na conexão, num consegue voltar pra mente alguma. Tenta sair de toda forma até que uma voz fala com ela, dizendo que agora que ele a achou ela vai servir a ele e trampar pra ele e blablabla. Rúbia tenta sair pulando pra outro corpo mas é travada de novo. Finalmente vê uma brecha e sai.

Bane troca de corpo, põe sua mente e cérebro num corpo metálico de aparência humana. Manda os técnicos montarem umas bombas de pulso eletromagnético enquanto ele vai dar um rolê na usina de força da cidade pra destruir tudo, de alegre mesmo. Chega lá e o exército tá protegendo o local, ele passa teleportando e taca uns raios elétricos que destrói tudo. Nisso vem um cara armadurado e com um trabuco que atira nele, acertando-o antes que Bane se teleporte. Ele foge teleportando depois e corre pra buscar eletricidade pra se curar. Depois começa a destruir torres de transmissão e vê a zona que seus camaradinhas vilões tão fazendo.

The_Perfect_Enforcer_by_Gourmandhast

O herói armadurado pipoquêro

Rúbia aparece num lugar quente e cheio de capetices, um capetão e um capeta azul. Ela tenta sair dali pela mente mas num consegue. O capetão fala com ela que agora ela é dele e vai servir e todo o blablabla de sempre. Ela recusa, então vários demoninhos a seguram e espetam e torturam. O capeta azul traz uma tigelinha com sangue e partes de corpos e oferece pra Rúbia tomar, diz que só quando ela aceitar a servidão que a tortura vai parar, pois foi assim com ele também. Rúbia tenta convencer o capetão a deixar ela trabalhar sem a servidão forçada e talz mas ele num aceita. Finalmente ela aceita e toma a cumbuca de sangue. Ela volta pra treta dos vilões.

O exército e uns heróis se aproximam pra entrar na treta. Mais bagunça começa. Rúbia toma o corpo de um dos heróis que veio atacá-la e o cara vai pro chão. Ela fica aprontando como herói, bate na galera geral. Bane vê a zona e vai pra treta, vai treta com um grandão, dá uns choques mas ele nem liga, devolve a porrada, mais treta pra todo lado, o cara da armadura e trabuco aparece denovo, Bane tenta teleportar mas não consegue por interferência externa. Então ele controla um dos jatos do exército e o joga atirando em cima do armadurado. O jato arrebenta o cabra mostrando que era só um robô.

Um jato dos vilões se aproxima, Bane se teleporta pro jato. Rúbia voa pra cima do jato, já que é um herói. O jato abre um compartimento e deixa sair um troço que parece uma arma, energia começa a acumular. Rúbia desvia o cano da arma e o troço dispara um raião de gelo que congela a treta lá em baixo. Outros jatos vêm pra atacar mas Bane os controla e faz com que se batam e se destruam. Rúbia controla a mente do piloto forçando-o a jogar o combustível fora pro jato cair, mas Bane consegue contornar e adaptar um equipamento e carregar o jato com energia elétrica e voltar pra base enquanto Rúbia voa em direção ao horizonte.

h1

5º sessão do Live do Refúgio

22/10/2009

5º sessão do Live Action de Vampiro do Refúgio dos Ventos.

Essa reunião foi chamada pelo meu personagem, o malkaviano Adam Tulley, pra apresentar a sociedade da Camarilla o Círculo da Noite Azul, um grupo de estudos filosóficos para os vampiros da cidade. No círculo já estão Flora e Liana, primogênitas gangrel e malk. A reunião foi bem informal no elísio que meu personagem mantém, um café/lounge culto. Infelizmente faltou um bom pedaço dos jogadores.

A festa rolou sem incidentes, só conversas civilizadas, sem ataques sabá ou tentáculos, e até onde eu sei todos sobreviveram a noite.

Um visitante inusitado, porém, chamou bastante atenção. Um giovanni chamado Mario (NPC do Scooby) disse que veio conhecer a cidade e talvez negociar suas tralhas, artes, armas, drogas, dvds, de tudo. Ele me avisou que colaria na festa então sem grilos. Descolei uns livrinhos legais com ele. Uns itens incomuns que ele carregava também chamou atenção de alguns.

O Barão dos Anarquistas, MC L.I.(pj do Elzo) também apareceu. O cara aparece em mais elísios que os membros da Camarilla pô… Disse que veio avisar dum vampiro recém abraçado que apareceu no quintal dele e quis checar se era daqui. Num sei o que resolveram disso.

Uns corpos também apareceram em caçambas de lixo pelo bairro, uns caras foram investigar mas num sei que fim levou também.

Apresentei o Círculo pra galera, convidei o povo pra participar. O MC L.I. até trouxe um cd de forró pra tocar. Os tremere doaram uns livros legais pra biblioteca.

Noite tranquila, e isso é raro.
blue moon

h1

3º sessão da mesa de M&M da Graci

22/10/2009

3º sessão da mesa de Mutantes & Malfeitores da Graci

Dessa vez só eu, Linux e Steve T.

Seguimos pelo covil do vilão Dr. Elétron, agora ignorados pelos robôs caranguejos guardiões. Equação diz que perdeu contato com a cópia dele que ele deixou com o doutor. Chegamos num corredor onde descobrimos umas micro mini camerazinhas dentro das paredes. Equação atravessa pela parede mas num vê nada por estar escuro, então Steve T usar seu controle de terra e molda a parede fazendo um buracão pra passarmos. Chegamos numa sala cheia de corpos humanos feitos de borracha, tipo um estúdio de arte pra moldar pessoas. Provavelmente preparando espiões pra infiltrar sabe lá deus onde.

Ou vai ver é só uma tara inofensiva...

Ou vai ver é só uma tara inofensiva...

Como o local parecia grande e não sabíamos pra onde ir Equação espalhou suas cópias pra todo lado, atravessando as paredes até achar algum lugar que valesse a pena irmos. Pelos relatos de Equação as cópias foram parar em salas aleatórias cheias de tranqueiras, mas uma das cópias foi morta. Ele envia mais umas pra o ponto que a cópia sumiu enquanto Steve T vai abrindo caminho pelas paredes.

Mais cópias são perdidas, Steve abre o último buraco e chegamos numa sala com uns robôs humanóides com trabucos, um mega raio laser, um tubo com botões e um cara nas sombras. Linux segura os tiros com seu campo de força, Steve T e Linux arremessam os robôs num canto com telecinese e eu os desabilito eletronicamente com meu escudo. Entramos na sala, vou voando até o laser e começo a desabilitá-lo pra não rolar surpresas. O cara de sombras se revela o doutor Jefreys, a pele dele começa a cair e vemos as partes metálicas. Steve T o segura com telecinese, e depois o envolve na parede, travando-o.

Dr. Elétron - Parece bem mais malvado agora, não?

Dr. Elétron - Parece bem mais malvado agora, não?

Alguém abre o tubo que havia na sala e de lá sai um dr Jefreys confuso e assustado. Ele pergunta ao que tá pegando, dizemos que o Dr. Elétron pegou ele e tava construindo uns equipamentos. O cara dá uma engasgada, os manos sacam que o cara tem culpa no cartório. Ouvimos batidas na parede da outra sala, aparentemente os robôs caranguejo tão socando o caminho pra sala. Tento controlar os caranguejos mas num rola. O mega raio laser começa a se mover como se estivesse vivo, Steve T o enterra no chão. Linux e eu arrebentamos o resto do corpo do Dr. Elétron de metal e tudo sossega.

Achamos o rubizão que o dr tinha levado da sede da NSA, o dr Jefreys confessa que já foi o Dr. Elétron. Enquanto checo os dados dos computadores do local tudo apaga, aparentemente alguém controlando de fora. Deduzimos que alguém tá juntando coisas dos vilões pra tocar o terror. Na mente do Dr. Jefreys Steve T e Linux descobrem a imagem duma mulher de cabelo prateado e bonita. Descobrem também sobre uma ilha misteriosa que ainda não sabemos onde é. Algemamos o Dr. Jefreys pra investigação e enquanto estamos indo embora meu escudo é desativado. Alguém de fora tentou nos intimidar, mas coragem e burrice andam lado a lado, certo?

A mocinha boazinha malvadinha

A mocinha boazinha malvadinha

h1

5º sessão da mesa de D&D do Danizinho

22/10/2009

Nessa só eu, Foice(monge) e Leo(ranger).

Saímos das ruínas do templo e voltamos pro tal oásis pra devolver a estátua da esfinge. Trombamos a tal no oásis e em troca da estátua ela oferece conhecimento. Preferíamos ouro né, mas serve. Ela pergunta das outras estátuas, a do leão e a do homem-leão. Pede para banhar a do Leão, o monge joga uma água e aparece um leãozão. A esfinge diz que é um guardião que vai obedecer a gente por um tempo, só que deve molhá-lo com água pura, então enchemos nossos cantis com a água do oásis. Diz que a outra estátua, do homem-leão tem que ser banhada com algo mais denso, tipo sangue de alguém bonzinho, e invocará um guardião celestial porradeiro.

Será que é ele que vem?

Será que é ele que vem?

Aproveitando o embalo pedimos pra esfinge checar nossas tralhas mágicas que descolamos nas ruínas. Um nunchaku que o monge pega e fica mais rapidão, e um arco que ela diz que foi abençoado por Pelor. Pegamos mais umas poções, anéis e talz. Pedimos pra ela chamar o esfinge que protege o templo que a gente espancou pra gente checar umas coisas com ele. Ela chama e o bicho aparece, perguntamos se ele sabe do clérigo que cuidava do templo e sumiu. Ele diz que o cabra deve ter ido pruma cidade próxima mas que pode voltar logo agora que limpamos o templo da malignidade.

Lááá na cidade da gente o ranger do Leo e o mago do Leandro foram numa missão paralela atrás de uma pessoa mas a encontraram morta e voltaram. O mago manda uma mensagem pro nosso clérigo perguntando da gente, dizemos que tá tudo bem e voltamos pra cidade. Lá o mago cafetão que nos arranja trampo nos tromba e passamos o relatório pra ele. Ele diz que a mestra dele tem mais uma missão, chegamos lá, antes de tudo pegamos nosso pagamento, uma bolsa cheia da grana.

A maga diz que como as pessoas que ela mandaria nessa missão sumiram vai nos usar de reserva. Diz que temos que ir no planos dos demônios selar um portal que tá mandando os capetas pra cá. Como pagamento ela nos dá uma lâmpada, esfrego e sai um gênio flamejante. Ele conversa com a maga perguntando se é esse o grupo que ele tem que servir pra quitar a dívida com ela, ela confirma. Ele diz que a gente tem três desejos. Checamos com a maga a potência dos desejos e engarrafamos de volta o gênio.

Desejos -  a maneira mais suja de um mestre aloprar um jogador...

Desejos - a maneira mais suja de um mestre aloprar um jogador...

Pedimos pra ela nos vender uns itens pra missão, ela diz que precisa dum tempo pra arrumar as coisas, mas enquanto isso podemos fechar um portalzinho que abriu ali perto. Topamos. Vamos pruma montanha, notamos pegadas de cascos e patas de galinha, além de humanóides. Vamos seguindo, escalamos, chegamos numa caverna. Entramos, eu na frente como batedor. Chegamos numa câmara cheia de buracos na parede e risadinhas pra todo lado. Avançamos e coisas começam a cuspir na gente, demoninhos que se escondem nos buracos.

Bichinhos irritantes...

Bichinhos irritantes...

Partimos pra porrada, as melecas dos bichos endureciam quando nos acertavam, travando um pouco nossos movimentos. O ranger usa um bastão brilhante e vemos melhor os bichos, sentamos o prego neles, uns fogem, seguimos. Chegamos numa rampa, um escorregador. Com meu novo manto de aranha e andar nas paredes checo o que tem lá embaixo. Vejo um mar de ossos, passo pra galera. Pensamos num jeito de passar pelo lugar sem ter que afundar os pés nos ossos pois vai saber o que tinha debaixo daquilo tudo. Pegamos uma pedrona e o ranger vai empurrando agora que arrumou um item que dá muita força, eu vou por cima observando.

Durante o caminho sentimos tremiliques na caverna, provavelmente alguma ocorrência natural tipo erupção vulcânica. Mais tremiliques e jatos de água fervente espirram do chão. As galera vai desviando até que um dos jatos explode a pedra que os caras tavam usando. De cima passo um caminho mais seguro mas os jatos ficam mais freqüentes e os caras tomam um em cheio, fazendo um machucadinho. Passamos os osso e chegamos até uma câmara com vozes.

Vemos montes daqueles demoninhos, uns cachorros infernais que enfrentamos no começo e dois daqueles demônios ossudos que penamos pra capotar no começo. Todos fazendo um ritual num círculo profano. Subo no teto e desfiro várias flechadas no círculo pois como meu arco é o sagrado de Pelor pode afetar a magia. Erro miseravelmente todas, atraindo atenção. Os caras entram na treta, os ossudos botam medinho na gente, continuo errando minhas flechas. Mais porradas, acerto o círculo e os demônios ossudos somem. Mais treta e acerto mais flechas no círculo sumindo com os cachorrões. Os demoninhos tentam fugir mas minhas aranhas e eu jogamos teias nas saídas, os caras limpam o lugar. Ou sujam muito né….

E pensar que a gente já penou pra derrotar um desses...

E pensar que a gente já penou pra derrotar um desses...

Vou todo poser no local do círculo e clamo pela proteção de Pelor e cravo o símbolo sagrado que achamos no chão. Rola uma luzinha e o troço fica grudado de verdade, bloqueando a passagem dos capetas. Voltamos pra base.

h1

2º sessão do live de Changeling do Eros

16/10/2009

2º sessão do live de Changeling The Lost do Eros

Continuação do live que rolou na RPGCon. Estou como Pilar, elemental de pedra sem corte que era uma coluna de sustentação. Temos duas cortes, do Dia e da Noite. Na do dia temos a Tata como Lily, uma Fairest Romancer patty colegial, o Dio como Pavão, um Fairest Policromático tiozinho, e Felipe como Krod (ou Curag para alguns), Ogro Gargantuan com um marretão. Na noite temos Fay como Hectori, Wizened conselheiro da rainha da Noite Luna, Natália como Katty, uma Beast oncinha, e a Bah com Barbie, Fairest patty gêmea da Katty e namorada do Krod, que é pai adotivo da Lily… ou algo assim…. É live com tamanho de mesa mesmo, então nem vem que num tem vaga.

A única coisa em comum nas cortes é que ninguém presta

A única coisa em comum nas cortes é que ninguém presta

Começo da primavera, todos changelings saindo de suas tocas depois de se esconderem por todo inverno com medo da Rainha Frígida do Gelo Gelado Congelante que sai pra caçar. É costume na noite do eclipse da lua as cortes fazerem um ritual de união entre as cortes, e serve também pra ver quais changelings ainda continuam vivos depois da caça da Rainha Frígida. Nesse a corte da Noite receberia a corte do Dia para que executassem o tal ritual. Todos reunidos na casa de Hectori para a celebração.

Nem sinal dos rei do Dia e rainha da Noite, ficamos conversando quando um pivete aparece se dizendo namorado da rainha Luna e que a dita o mandou pra lá. Ele começa a servir as pessoas compulsivamente, levantando suspeitas da galera. Tentamos fazer o mala parar de nos servir mas num dá, jantamos e de repente prendem o infeliz no armário pra parar de encher o saco. Ficamos discutindo essas bobagens até a hora do ritual.

Com a ausência do rei do Dia a corte do Dia resolve eleger um novo rei, Krod. Os Diaristas juram lealdade, Hectori intervém pra fazer o juramento decente e tudo mais, consertam o juramento e plim. Só que a corte da noite tá emputecida pela atitude no meio do ritual e fazem bico. Discutimos a treta e o povo se sossega e segue o ritual. Pedem pra eu que sou sem corte fazer a bagaça, eu que num manjo lhufas de nada. Digo umas palavrinhas aleatórias e acabamos o ritual. Dou umas pedrinhas de presentinho pra eles como recordação.
Sun_and_Moon_by_shadowgirl
Voltamos a festinha, até que descobrem que o pivete, que já tinha ganho o nome de Bob, tinha sumido. Uns vão procurar e quando voltam Barbie transmite um esporro da rainha Luna não aceitando nossas atitudes e como trataram o escravo dela. Discutimos mais abobrinhas e acabamos a noite numa balada aleatória.

Bem, mais as coisas secretinhas que rolaram né… huhuhuhuhu