h1

5º mesa de Exalted do Seiya

15/01/2010

5º mesa de Exalted do Seiya

Nessa rolou também a história com a Graci (SDS) mas eu num faço idéia do que tá acontecendo, ela fugiu da cidade onde tava com outra mina que num conheço e foi parar num vilarejo e vai seguir proutro canto em breve.

Deixo o Mahasushi pra trás e vou atrás da feiticeira fodona que ele me indicou. Porém ele num me dá um nome, só uns possíveis locais onde ela frequentava, uns cem anos atrás… E me dá também uma hearthstone que tem a essência dela. Viro pássaro e vou, minha primeira parada é uma manse, um local de poder e essência, que a mina seria dona. Sobrevoando a área vejo dois Dragon-blooded madeira com uns escravos rodeando o manse. Os escravos começam a ser afetados pelas magias de proteção do manse e vão virando paçoca, os madeirinhas resistem.

Queria mesmo exercitar minha técnica pra bonsai

Eu desço já em forma de batalha mamutesca (errei a cabeça deles), os caras já se aprontam pra pancadaria, eu olho torto e faço as ameaças de estripação corriqueiras. Um fica paralisado de medo mas o outro ainda quer brigar. Agarro o medroso com uma mão e fico o segurando, o outro pega um graveto e transforma em arco e uma grama em flecha, atira mas ela quebra no meu pelo. Uso o madeirinha que tô segurando como clava e fico batendo no teimoso, mas ele se envolve numa energia verdinha e vai aguentando os tapas. Então ele carrega mas energia verdinha e dispara em mim. Resisto mas machuca, e percebo que aquela energia é ligada com vida e se pá pode me matar com um golpe só. Continuo batendo e ele continua disparando, até que me enfezo e enterro ele no chão com um tapão. [Será que vai nascer um pé de dragonblooded? Devia ter adubado…]

Embolo os corpos e ofereço à manse. Vou conversar com os espíritos do local e tão predando os espíritos dos escravos mortos. Falo com eles, só um deles não foge de medo e me diz que os dragon blooded acharam um mapa das correntes e vieram pra lá. Deixo os espíritos da floresta terminarem de jantar o escravo e vou fuçar os mortos. Acho quatro hearthstones, três xumbregas que ponho pra alimentar meu Mecha Eva, a outra é bem rara e tem uns efeitos interessantes (que eu não lembro).  Encontro dois pingentes de jade que servem de comunicador. Pego um pra ouvir o que o resto dos dragon blooded falarem. O outro eu uso num ritual pra tentar falar com a feiticeira. Pego um pássaro, preparo ele ritualisticamente, espremo o sangue dele numa cumbuca, junto a heathstone com a essência da feiticeira, junto o pingente e evoco o espírito do pássaro pra enviar uma mensagem pra feiticeira e localizá-la (mais tarde, quando eu tiver xp, isso vira uma magia de verdade).

The Unveiled Paths of the Whispering Skies

Espero um tempinho conhecendo a manse pra ver se a tia me responde mas nada, chega a noite e posso usar minha carroagem turbo novamente. Sigo pro norte até onde o pássaro achou a feiticeira e acho uma cabana. Um solar me atende achando que eu sou o cara que veio fixar as tatuagens da mulé já que ela voltou a pouco tempo. Entro na cabana e vejo a tal feiticeira que acabou de dar a luz, o solar pega a criança e fica ninando. Aparentemente o Mahasushi safadão me engabelou preu vir aqui tatuar a mulé que num lembra de nada. Damn you… Mas como esse é meu trampo num posso reclamar né. Minhas vidas passadas reconhecem que ela foi uma Sem Lua como eu. Falo pra eles dos Dragon Blooded que achei na Manse e do tal mapa da corrente, eles dizem que é a corrente de essência que rola pelo mundo. Tenho que achar prata pra tatuar a tia, faço um ritual pra me comungar com a região e achar um veio de prata. Cavo um buracão e me enterro, então sangro na terra me unindo a área evocando os espíritos e me guiando até uma mina de prata. [leia-se poderzinho legal].

Parto pra mina, e aparentemente, a SDS vai aparecer por lá também pra caçar jade branco. Leia-se mestre manipulador tentando juntar os pjs de novo. hehehe

%d bloggers like this: