h1

11º sessão de D&D do Gabriel

18/01/2010

11º sessão de D&D do Gabriel

Farawind continua investigando e Herbec fica vigiando via magia. Do nada aparece na floresta aquele Ent que conhecemos no castelo de Zynd. Ele diz que resolveu passear e conhecer o mundo, pede pra se juntar a nós, concordo, afinal meu grupo ainda não estava bizarro o suficiente. Ele pede pra ensiná-lo a correr, esperem em breve um Ent dando carga.

Mas investigações e temos info sobre os mega capangas da organização. Um brutamontes orc, irmão de um outro orc que fica na taverna jogando cartas o dia todo e cheio de lábia. Outro cara todo bunitão e social mas que arrebenta na porrada. E um misterioso tipo árabe bem ordeiro. Num lembro os nomes. Depois de muito meditar resolvo usar diplomacia, afinal os caras são bem fortes pra eu arrebentar. Na noite dum festival qualquer a taverna lota de gente e os caras vem cobrar. Aparecem os três capangões mas quem coleta é o árabe. Colo nele e chamo pra conversar, ele vem de boa. Sou direto, digo que quero que parem de importunar e extorquir o taverneiro e tô disposto a conversar com o chefe dele, Gart. Na conversa o árabe conta a historinha dos monges que mataram a vaca duma família obrigando eles a largarem o conformismo. Diz que mesmo que eles parem logo aparecerão outros tiranos e farão o mesmo, digo que é uma oportunidade pra eles tomarem jeito. Ele me pergunta quanto tenho de grana, digo que tenho uns seis mim e cacetada, ele diz que aceita deixar o taverneiro em paz em troca de toda grana que eu tenho. Aceito, entrego pra ele, ele promete que ninguém da turma vai mais importunar, dá um sinal e mó galera sai da taverna. Os capangões vão embora contando grana, eu colo no taverneiro e conto que os caras saíram e que ele tem um tempo até o próximo vir encher, pra ele aproveitar e fazer algo.

Tem um anão ladrão na Terra-Média se descabelando agora.

Volto pra base, o elemental da água, Nympf, aparece, diz que viu o que rolou mas não entendeu nada, agrade e vai indo embora, chamo de volta e cobro a parte dele no acordo. Ele volta e executamos o pacto, ele toma minha forma e se junta ao time. Levantamos acampamento e vamos até Barbarossa.

Na taverna tá mó zona como de costume, mas Barbarossa está bem putão, com ele está Krisiun, o rei anão, eles discutem. Fico de canto esperando pra falar, ele nota e me chama. Mostro que o Nympf está comigo e pergunto das informações sobre onde temos que ir, ele passa, uma caverna debaixo dágua. Nympf pode permitir que eu e mais uns respirem de boa na água. Troco idéia com Krisiun e logo aparece um barcão sendo puxado pro bichos bizarros marinhos e uma tripulação. Subimos todos e vamos pra caverna.

Chegamos na caverna e vemos uns insetões socando tritões. Mando pararem com a zona, os insetões param e perguntam sobre mim, digo que vim resolver a treta dali, eles vem pra cima. Os insetões tem um poder que causa confusão em quem olha pra eles, e claro, tomei. Dou uns espancos numa Formian camarada mas conseguimos arrebentar os bichos. Os tritões me levam até o líder deles, um velhinho gente boa, diz que os Kuotoas, outro povo marinho, tá controlando os insetões mentalmente e querem destruir tudo por ali. Vamos passeando até a casinha dele, suspeitando de tudo pois as coisas pareciam não encaixar direito, pelo modo de agir do bichos e talz, além de Herbec detectar umas mentiras nas palavras do cara. O Ent até diz que não entende o porque dos tritões serem liderados por um kuotoa, digo que ainda não sabemos que está comandando as coisas, são só suspeitas. Deixamos o líder e vamos passear pra ver o que tá pegando mesmo.

Os insetões - Cadê os paladinos da Ordem de Rod'azol?

Trombamos um Sahuagin, outro povo marinho, tretando com um tritão. Batemos nele e pergunto o que veio fazer ali, ele diz que veio atrás de comida pois os tritões tão zoando a cidade dele. Mando ele mandar os outros da raça dele não voltarem mais pra cá pois não é seguro e libero ele. Conversamos tentando entender o que tá pegando e o Ent volta a dizer que não entende porque o líder é um Kuotoa. Então eu saco que é uma ilusão, o Ent diz que não é afetado por essas coisas. Pergunto se ele pode me ajudar com isso, ele diz que precisa de um dia inteiro pra me deixar imune a ilusões, algo a ver com o pacto e troca de habilidades. Peço pra ele ficar de olho e me alertar quando vir os kuotoas.

Kuotoa - os primos pobres dos Battletoads

As Formians vão fazer reconhecimento, acham um cantinho firmeza pra nos protegermos na hora do aperto. Passeamos e “vemos” kuotoas pra lá e pra cá. Passamos mensagem pro barco relatando o que tá pegando e nos informam que estamos lá no barco. Farawind vai lá e descobre que a tripulação foi pedalada e todos ali são ilusões. Nympf diz que detectou a presença de um elemental de água bem fodão e malvado, controlado por um elementarista, que segundo o resto do povo é um cara especializado em um elemental e pans, e deve ser o líder “tritão”. Nympf alerta que tem um monte de coisas se aproximando, tipo uma tropa próximos da cidade. Vamos trocar idéia com o líder de novo, se pá espancá-lo.

Chegamos lá e o Ent alerta que tem quatro insetões na porta mas não vemos. Logo aparece um tritão tipo ministro dizendo que o líder tá ocupado, entro na casa assim mesmo. Vejo uma turma de tritões calminhos mas o Ent diz que são todos insetões. Deixo eles pra lá e saímos, então um Sahuagin cola na gente. Pergunta sobre o que estamos fazendo e talz, diz que tá rolando tretas similares com os Sahuagis, o líder deles é um tritão mas ninguém percebe, e tão juntando forças pra invocar algo bisonho e fodão numa mina ali perto. Vamos lá checar, aparentemente o centro da quiaca.

Sem tretas no caminho, chegamos à mina, um buracão com insetões, tritões, kuotoa e sahuagins pra todo lado. Farawind vira um tubarãozão. Abrimos caminho na porrada até que chegamos num ponto com um tritão fodão e uns kuotoas o protegendo, além duns pudins mal encarados cavando. Herbec diz que pode tirar o tritão do controle mental mas precisa de um tempo, então arrumamos tempo pra ele. Além disso ele usa uma magia que me permite ver as coisas pelos olhos dele, evitando que eu cai nas ilusões e confusões. Eu vou pro tritãozão, o resto cuida do resto. Tomo um cacete nervoso mas o bicho sai do transe e os pudins param de cavar. Farawind e os Formians ficam capotados, o tritão agradece, diz que um bicho com tentáculos tá controlando a porra toda, e tá misturando as raças pra dificultar a quebra de controle mental, por isso kuotoas tão cuidando dos tritões e talz.

Tritões - Espancando sardinhas

Vamos seguindo pela mina atrás dos outros líderes. Vai eu, Herbec, o Ent e uns tritões. Encontramos um Sahuagin com jeitão de mago com tritões protegendo. Vamos pra porrada, socamos e eu agarro o cidadão, ele diz que saiu do transe e pode soltar mas pra garantir eu seguro até Herbec completar a magia. Depois da treta o cara diz que além de tentáculo o cara que o controlava parecia uma água viva. Nos preparamos pra espancar os próximos líderes.

%d bloggers like this: