h1

1º sessão de CdZ do Tib

21/01/2010

1º sessão de Cavaleiros do Zodíaco do Tib

Na verdade a mesa já teve várias sessões, mas eu entrei nessa com meu pj aspirante, o Faris. Estavam também, de cavaleiros, o Rodrigo com Takeshi (lembra dele?). Pri com Flora, a moça verde das plantas. O Seiya com Lucas. O Julio com Alexandre. De aspirantes o Marcelo com Medif, o Danizinho com Amenothep, e o Dib com o Max.

Takeshi trazia Amenothep do Egito pro Santuário. Aparentemente Amenothep tinha que entregar uma caixa e uns objetos místicos pra Mestra por ordem duma xamã fodona logo depois da aldeia ter sido destruída. Ambos correndo rapidão, mas Takeshi resolveu correr rápido demais carregando Amenothep e o atrito ralou todo o pobre Thep. Dias depois chegam no Santuário, Aldebaram os encontra por lá (meu outro pj) depois de sentir a mistiquice da encomenda. Despacha Takeshi e leva Thep pra trocar de roupa pra ser apresentado a Mestra. Aldebaram nota o símbolo de Touro na caixa. Vamos pra sala da Mestra. Devido umas tretas por aí o Santuário tá meio paranóico, então havia três cavaleiros de prata impedindo a passagem pelas doze casas até a mestra. Pega autorização com Claude até que nos levam até a casa de Aquário falar com Hanna, já que a Mestra tá indisponível. Hanna nos recebe, falamos abobrinhas e ela manda Aldebaram guardar a caixa e o moleque. Aldebaram guarda os dois na casa de Touro e fica queimando umas ervas deixando Thep locão.

Já o resto do povo… Lucas, Alexandre e Medif tão levando dois moribundos até a Mestra depois duma treta no Santuário. Chegam na escadaria e trombam os três cavaleiros de prata que os impedem de passar. Batem boca até que liberam Medif de passar já que é um mensageiro oficial ou algo assim, Lucas e Alexandre vão pra perto da prisão do cabo Sunion pra ninguém ver os moribundos com eles. Flora tá cuidando dum bonsai quando vê os dois, cola neles e Alexandre, que já tava incrivelmente estrupiado, tropeça pra morte mas ela o segura. Ficam conversando.

Max acorda todo preso sem saber onde está. Escuta gritaria aleatórias e sente água ao redor. Fica resmungando confuso até desmaiar algumas vezes, até que acorda um vez sentindo um abraço carinhoso e maternal e uma voz feminina dizendo que o sofrimento dele logo vai acabar.

Lucas, Flora e Alexandre sentem a presença momentânea de Athena nas prisões do cabo Sunion. Flora cria uns matos e guardam os moribundos lá. Impedem Alexandre de ir por ele já estar todo zuado, vão checar a prisão e encontram Max preso. Conversam, notam um cadáver fresquinho ali no canto, num entendem o que tá pegando, até que sentem um cosmo hostil se aproximando rápido.

Medif chega na sala de Hanna e passa o relatório da treta passada, e despachado de volta e no caminho pra encontrar seus camaradas no cabo percebe alguém vindo bem rápido na mesma direção. Ele dá passagem e gruda no vácuo do meliante. No cabo Alexandre tá de guarda e vê um cara de manto correndo pra lá, prepara seu golpe e desfere no intruso, mas erra. Flora aparece, o cara de manto dá um golpe igual de Alexandre no próprio mas Flora o tira do caminho.Lucas liberta Max e ambos vão pra treta.

Eu estou feliz e contente indo levar a marmita do guarda do cabo Sunion quando vejo a zona. Lá de longe já grito (escrotamente) perguntando o que tá pegando. O cara de manto pára de atacar por um momento abismado com minha falta de noção, logo tá todo mundo tretando. Pancadaria rola solta, o cara segura tudo e copia os ataques bons. Até que Flora joga umas plantas nele e ele converte o troço pra proteger ele. Alexandre dá um golpão com uma espada relampejante e empala o cidadão, mas não o suficiente pra matar. Eu atraio os ataques da planta protetora e o resto arrebenta o cara pela brecha aberta, empurrando-o na espada terminando de matar o cabra.

Odeio enfrentar mimicos

Tiramos o capuz e sacamos que o morto é o tal de Jacques, um discípulo do Woltan de Escorpião. Conversamos abobrinhas e nos separamos. Eu pego o cadáver do guardinha e chamo Medif pra apostar uma corrida, ele finge que aceita e eu saio correndo que nem otário. hehehe. Uns ficam cuidando do cabo, outros vão passear. Encontram Woltan no caminho, passam o que pegou, ele me dá esporros por carregar o morto correndo. Manda espalhar a notícia que vai rolar um teste-jogo pros aspiras arrumarem mestres. Espalho a notícia extorquindo coca-cola dos manés.

One comment

  1. hueheuheueh

    Era Max o nome dele pow!



Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: