h1

3º sessão de CdZ do Tib

25/02/2010

3º sessão de Cavaleiros do Zodíaco do Tib

Nessa o Angelo voltou como Derek de Hidra.

Começo no treinamento com Dário. Ele manda eu correr de um ponto a outro até ele mandar parar. Sem grilo, fico correndo, e pra passar o tédio fico chutando as pedrinhas no chão e apostando corrida com elas. Depois de horas Dário volta e manda parar. Pega uma das pedrinhas e taca longe, diz preu achar a mardita e trazer de volta.  Vou caçar a pedra, encontro um monte parecidas. Separo pilhas de montes de pedras, então começo a procurar por cosmo nas pedras, consigo separar sete. Levo pro Dário as sete, tento um migué dizendo pra ele que achei a pedrinha mas trouxe aquelas sete pra ver se ele sabia qual era a dele. Ele faz umas ameaças sutis e eu volto a investigar as pedras. Forma, peso, cheiro, sabor, aerodinâmica. Uma das pedras era na verdade bosta seca. Dário rachou o bico quando eu coloquei na boca. hehehe. Por fim fico entre duas pedrinhas, jogo as duas pro ar, uma faz a curva parecida com a que ele jogou, a outra vai toda torta. Vejo que a torta tem um furinho, decido entregar essa furada. Ele diz que era a outra, mas que eu sou bom em encontrar as coisas, e encontrei as sete pedras que ele jogou pra atrapalhar. Sacanagem. Como punição ele diz que vai confiscar meu estoque de coca-cola. Mancada.

Caixa da minha futura armadura

Max está no alojamento dos discípulos de Lucas. Os discípulos estão se remexendo na cama como se tivessem tendo pesadelos. Max deixa eles berrando e vai dormir fora do alojamento. Um deles acorda assustado e confuso, vai falar com Max mas ele só alopra o cara. Eles notam que tem outro discípulo ali que eles não conheciam, e notam que tem peitinhos. Cutucam pra ter certeza, cutucam Prince também pra ter certeza. Os dois acordam, mais confusão por causa do pesadelo, discussões sobre a menina que acha que é menino, e sobre o menino que acha que é menina. Será um treinamento bem engraçado do Max. Lucas aparece e puxa Max pra treinar. Fica treinando luta com ele testando a técnica de Max, depois fica tacando pedras no coitado que se fecha na defesa e se protege. Ficam conversando abobrinhas.

Derek encontra Alexandre, conversam pra por o papo em dia. Derek diz que tem uma missão mas que precisa encontrar o mensageiro Medif pra pegar essa missão. Coincidentemente Medif está passando por lá, entrega a missão de Derek e sai fora. A mesma missão da galera, ir até a Ilha da Rainha da Morte socar vilões. Lucas aparece e os três decidem treinar juntos pra se aquecerem pra missão. Vão atrás de Flora pra ver se ela também não quer brincar. Como não podem ir até onde treinam as cavaleiras ficam na borda tentando chamar a atenção de Flora. Safira, umas das minas de lá, passa por eles, eles pedem pra ela chamar Flora mas ele nem liga. Derek usa um poder dele de usar poças de água pra ver outros lugares. Conecta com uma poça perto de Flora e a chama pra festa. Ela aparece puta da vida pela invasão e dá um piti com os caras. Depois eles vão se espancar no treino.

Vou enrolar por aí, vejo Medif passeando. Pulo em cima dele de surpresa e enfio o dedo lambido na orelha dele enquanto rolamos pelo chão. Sim, eu sou sem noção. Ele me dá um baita telefone na minha cabeça que me deixa vendo estrelinhas. Acho que até vi minha constelação protetora na hora. Quando me recobro conto pra ele que o Dário confiscou minhas cocas e Medif tinha prometido um monte de coca pra galera na gincana passada queria ver se ele me arrumava alguma. Ele diz que não tinha nenhuma, ia se virar pra arranjar caso ganhássemos a gincana. Frustrado chamo ele pra ir aloprar uns novatos e conseguir coca.

Achamos um amontoado de novatos, no centro um discípulo tosco de Claude de Leão fica chamando qualquer um pra briga pra provar que é fodão. Medif fica só olhando. Pego um mané qualquer, chamo de canto, digo que sei como ele pode ganhar do cara, mas o minha reputação me precede e ele não me escuta. Vou em outro mané com o mesmo papo, ele acredita. Negocio umas cocas e falo pra ele duns movimentos de luta que o cara nem vai esperar e talz. O cara até se gaba dizendo que nem vai precisar usar as mãos na luta. Ele vai pra luta e milagrosamente o cara faz exatamente os movimentos que eu descrevi. O mané segue minhas instruções e derruba o cara. O mané fica todo empolgado, a galera delira, o mané que me descartou primeiro fica puto por ter perdido a oportunidade e tenta ficar amiguinho de novo. Chamo Medif e nos acabamos de beber coca. Só de sacanagem deixo uma coca pro Dário e um bilhetinho dizendo que ele tava certo, que eu sei mesmo achar as coisas. Claro que ele vai ficar puto e eu vou sofrer por isso mas vale a pena. hehehe.

Mais tarde Medif começa a sentir um chamado vindo das doze casas de ouro. Ele vai até lá mas os cavaleiros de prata que tão guardando a entrada o impedem de passar pois Medif não está de serviço. Medif insiste e os pratas resolvem partir pra ignorância mas são impedidos por Aldebaran que diz que Medif está com ele. Os pratas ficam putões mas liberam a passagem. Aldebaram leva Medif até a casa de Touro e lhe diz que vai assuimí-lo como discípulo. Faz um ritual de iniciação indígena com ele, batuques e ervas alucinógenas, Medif acorda todo pintado e com pinduricalhos indígenas pelo corpo. Uma mulher mascarada o chama pra fora do quarto e explica sobre o treinamento. Se apresenta como Ester, diz que é quem comanda o treino na ausência do mestre Aldebaran, apresenta os outros discípulos, Omar, que Medif reconhece da gincana quando o encontrou capotado no mato, e Wynona, uma menininha macabra meio samaresca. Ester já põe Medif pra fazer exercícios e todos ficam treinando. Um tempo depois Aldebaran aparece e fala com cada discípulo separadamente, até que chega a hora de Medif. Conversam, Medif pergunta sobre a pegada dos cavaleiros pois dizem que lutam por justiça e talz mas só rola coisa ruim por lá e é todo mundo zuado. Aldebaran explica sobre as paradas ruins que rolam no mundo e sobre proteger o mundo e talz. Medif se convence e diz que quer ser cavaleiro e lutar pelas coisas fofinhas.

Já o perdido do Faris é acordado se afogando em coca-cola. Levanta assustado com Dário segurando a garrafa. Ele dá uma bronquinha e passa outro treino. Diz que dessa vez eu tenho que achar uma bolinha amarela que ele jogou pelo Santuário custe o que custar e que ele espalhou pra todo mundo que quem achar a bolinha ele vai aceitar como discípulo. Faris vai caçar a bolinha né… No caminho vejo uns manés fingindo que não tão me seguindo. Claro, pra me pedalar e pegar a bolinha. Então vejo um grandão segurando a bolinha e os urubus só na espreita. Colo no cidadão e digo pra me devolver a bolinha, ele manda eu ir pegar, eu vou com um murrão, mas ele num sente muito não. Tento outro e ele segura minha mão, devolve o murro mas eu esquivo. Junta os urubus na treta, afasto e deixo o grandão eliminar os urubus, um sobra pra mim mas derrubo ele no susto. Quando só sobra eu e o grandão eu aproveito a empolgação do momento e dou a entender que ele soltou a bolinha sem querer e corro pra pegar. Ele acredita e abre a mão pra se certificar, eu aproveito pra pegar a bolinha e sair correndo bem rápido.

Ó! O temível vilão! O destruidor de mundos! O Bolinha Amarela...

Enquanto tento despistar o pelotão de urubu atrás de mim sinto que uma direção específica me atrai, vou seguindo e uma boa parte dos zoiúdos ficam pra trás. Continuo correndo mas o povo tá chegando perto, então sinto que no caminho tem um buracão, direciono pra lá e pulo com tudo pra passar o buracão e deixar que a covardia e incompetência dos outros os impeçam. Rabudamente consigo pular mas ainda vem três na minha bota. Ele correm mandando eu entregar pra eles, eu retruco lembrando eles que só um deles vai ficar com a bolinha. Um deles diz que vai ser dele, entãos os outros dois pedalam ele, os que sobram fazem um acordo e continuam me seguindo. Ainda seguindo minhas sensações estranhas passo por um caminho que por pouco eu não caio numa armadilha natural do terreno. Fico por lá esperando os caras chegarem, atraindo eles pra tal armadilha. Eles chegam todo cautelosos querendo conversar e me convencer, eu finjo que aceito e deixo eles se aproximarem. O que tava na frente cai na armadilha e vai buracão abaixo, eu percebo que o troço era bem mais malvado que eu imaginava e tento pegar o cara mas a roupa dele rasga e ele cai pra morte. O carinha que sobrou fica chocado, me chama de assassino e tudo mais e vai embora.

Tô virando especialista em matar gente com buracos

Volto cabisbaixo pra onde está Dário e o vejo mexendo em algo no chão de costas. Surge o tal grandão que tava com a bolinha, me ameaçando. Eu tento explicar pra ele que ele pode morrer também se ficar no meu caminho mas ele nem liga e arma um muquetão nervoso. Novamente a sensação estranha me mostra a brecha na guarda dele, eu aproveito a janela e dou um golpe seco na garganta dele, o derrubando. Enquanto a pocinha de sangue se forma embaixo dele eu percebo que matei mais um, solto a bolinha e tento reanimar o cara mas nem rola. Dário diz que eu fiz certo pois aquela era a hora do cara, ele tava no lugar errado. Fico muito puto, ele manda eu olhar na pochete que o cara tava carregando. Abro e vejo vários pergaminhos que deviam ser entregues a cavaleiros, aparentemente o cara era um traidor safado que tava espionando o Santuário. Dário pega a bolinha e diz que passei na prova, diz que eu posso reaver uma das minhas cocas que ele confiscou. Claro que mando ele enfiar a coca no rabo dourado dele.

Alexandre, Lucas, Flora, Derek e Medif são chamado por Hanna de Aquário pra um papo antes da missão na ilha da Rainha da Morte. Mas como ela tá meio ocupada Aldebaran assume o papo. Ele diz que vai fazer um ritual preparatório pra eles se limparem de qualquer dúvida e medo que podem ser fatais na hora da quiaca. Faz toda a parafernália indígena e bota o povo pra alucinar. Eles começam numa caverna escura e conforme avançam cada uma aparece num lugar. Alexandre vai parar num campo de trigo que exala coisas venenosas, Derek enfrenta seu antigo companheiro que se sacrificou por causa duns problemas do próprio Derek, Medif fica caindo dum penhasco, Flora vai prum vulcão em erupção e Lucas vai parar debaixo d’água. Ele lidam com o cenário e vão tomando bucha até cair um por um. Depois descansam pra se recuperarem pois no dia seguinte partem pra Ilha da Rainha da Morte. TÃ NÃÃÃÃ!!!!!

%d bloggers like this: