h1

1º sessão aleatória do Foice

15/03/2010

1º sessão aleatória do Foice

Uma maluquice oriunda dos abismos cerebrais do Foice, provavelmente de algum jogo de PS. Pseudo D20 nível 1. Somos militares ianques em 2015. Uma nave ultra high tech foi desenterrada e vem sendo o projeto secreto fodão do governo. Eu estou como Elvis, chicano piloto de tanques. Temos Álvaro como Walker, o pistoleiro. E Danizinho como Peão, o forçudo porradeiro que num lembro o nome.

Na base/nave cópia que os milicos construíram nós trabalhamos junto com trocentos cientistas. No meio da rotina Walker vê que um dos cientistas deixou cair um papel. Pega o papel e vê vários dados técnicos que ele lhe parecem familiar mesmo que ele não faça idéia do que significa. Ele devolve pro cara, que o olha assombrado, mas Walker não entende lhufas.

Mais rotina, Peão fica carregando coisas enquanto eu dirijo um caminhão. Uma caixa até explode em algum momento, mas Peão ajuda na contenção. Em outro momento, quando já batemos o cartão e estamos na área de lazer um dos cientistas despiroca mexendo num aparelho dizendo que as coisas tão se alterando e ele não consegue controlar. Peão dá um alerta e a base toda começa a correr pra lá e pra cá.

Volto lá de jipe pra pegar os camaradas mas quando estamos saindo um pelotão tá fuzilando todos que tentam sair da base. A porta fecha e nos entrincheiramos em algum canto. Tempos depois recebemos pelo rádio ordens do general que também ficou dentro da base pra irmos até ele. Achamos o cabra, ele passa a situação da base e diz que temos que chegar até o computador central junto com dois cientistas e tentar resolver de lá.

Depois de uma caminhada pela base chegamos até o computador central. Bagulhinhos super tecnológicos que não manjamos nada. Os cientistas ficam mexendo enquanto enrolamos. Depois de umas horas eles puxam seringas dumas gavetas e dizem que teremos que aplicar pois a base iniciará um processo louco qualquer. Checamos com o general e ele aprova. Aplicamos mas não sentimos nada. O cientista volta pros controles e diz que a base tá se movendo, aparentemente no espaço-tempo. (?????)

Depois que a nave para de se mover o povo analisa a situação. Aparentemente a base voltou milhões de anos no passado. Um cientista mais camarada nosso nos diz que isso já aconteceu algumas vezes e que tá se repetindo, e que das outras vezes nós morremos por diversas causas e ninguém sabe o que tá acontecendo de verdade. Nisso nos chamam pra sair em missão de reconhecimento.

Walker se recusa pois acredita na maluquice temporal. Se tranca no quarto, aporrinha o colega de quarto dele, treta com os guardas que vieram levá-lo até que finalmente o jogam na cadeia. O general fala com ele tentando convencê-lo a largar de frescura. Eu e Peão  passamos no estoque de armas e nos carregamos. Dão até um mecha pra eu passear e um lança-chamas pro Peão. As portas se abrem e saímos pra tocar o terror. MWAHAHAHA!

Que venham os bizarrosauros!

%d bloggers like this: