h1

5º sessão de CdZ do Tib

19/03/2010

5º sessão de Cavaleiros do Zodíaco do Tib

Nessa o Jones entrou como Müller, o irmão gêmeo do Max.

Começamos com Medif voltando da missão na Ilha da Rainha da Morte. Depois de um dia inteiro de descanso ele volta a caminhar pelo Santuário, todo arrebentado e doído. Pro azar dele eu o encontro. Já dou um susto nele pra cumprimentá-lo, conversamos mas ele num revela nada sobre a missão que fez. Enquanto conversamos aparece um mané qualquer com uniforme de mensageiro. Ele oferece um pergaminho pra Medif e diz ser o novo mensageiro oficial da Mestra Medusa. Medif mostra pro mané o monte de machucados e deseja boa sorte pro novo mensageiro, pois sabe como é difícil esse cargo e como as pessoas reagem a má notícias. O mané olha por um instante e entra em pânico, joga a bolsa de mensagens e as roupas no chão dizendo que num quer mais saber disso e vai dar no pé. Enquanto ele sai correndo eu e Medif caímos de tanto rir.

Müller chega ao Santuário sedento. Os porteiros estranham por um momento mas o reconhecem como Max e o deixam passar. Ele pede água pros caras, conversa um pouco e entra no Santuário, levando o cantil do porteiro. Na direção da fonta atrás de mais água Müller é abordado por Sílvio, discípulo de Claude de Leão e assistente de papelada genérica. Sílvio confunde Müller com Max e o chama prum duelo em dez minutos no coliseu. Müller aceita só pro cara deixar ele em paz e segue pra fonte. Dimitri passeando, agora um discípulo de Hanna de Aquário, vê seu toda a cena. Também achando que era Max, aborda Müller e o questiona sobre fugir do duelo. Müller, já bem puto, continua fingindo que é Max e diz que vai duelar, só que vai a hora que quiser. Os dois seguem pro coliseu.

Max vai no cemitério fazer uma covinha pro seu camarada Prince, morto na última missão. Lá ele encontra Ulik de Libra. Conversam, Ulik agradece por Max ter protegido Dimitri na missão e lamenta a morte de Prince. Mostra o túmulo do pai dele, o antigo cavaleiro de Touro. Diz que Max pode fazer um túmulo ali do lado pro Prince se ele quiser, desde que não ocupe muito espaço. Ulik sai e Max prepara o local. Sai pra arrumar flores pra decoração e tromba o porteiro que teve o cantil roubado por Müller. O porteiro cobra o cantil mas Max num faz idéia do que tá acontecendo. Discutem até o cara se aborrecer e ir embora. Max volta pra pegar as flores e as pessoas ficam olhando pra ele. Cochicham sobre ele arregar pro desafio. Ele pergunta e as pessoas contam do desafio do Sílvio no coliseu. Max resolve checar.

Medif quer pegar a bolsa que o mané deixou e entregar as mensagens, eu pego antes e fico fugindo dele. Rapidinho ele pega a bolsa e vamos até a sala do capitão relatar. Claude nos recebe, contamos o ocorrido, ele manda a gente trazer o mané e irmos logo pois ele já tá quase saindo do Santuário. Uso meu GoogleMaps embutido e acho o caminho pra pegar o mané. Medif deduz a direção do cara, nos separamos pra cercar ele. Corremos e achamos o cabra quase já na saída. Tentamos agarrá-lo mas ele é bem safo e nos evita. Corremos loucamente até que eu o derrubo. Então começo a pular comemorando e o mané aproveita pra voltar a correr. Voltamos a correr atrás dele. Hahahahaha…

Lá no coliseu o povo se aglomera pra ver o duelo de Max e Sílvio. Dimitri e Müller chegam, logo todos vêem eu e Medif correndo atrás do mané. Ele entra no coliseu, grito pro “Max” parar o safado, Müller põe o pé na frente do mané que rola pelo chão coliseu adentro. A galera faz mó zona. Passo correndo por “Max” comprimentando-o mas ele me ignora. Entramos no coliseu, Sílvio se gabando que vai pedalar o Max e talz, o mané vai pra cima dele, Sílvio prepara pro combate e o mané dá um bicudo na cara de Sílvio e continua correndo. Aproveitando o embalo eu piso em cima do Sílvio pegando impulso pra pular em cima do cara. Medif usa o vento pra tirar o atrito pra mim e eu caio como um míssil nas costas do mané, que afunda na arquibancada.

A multidão começa a gritar meu nome e me carregar, claro, pisoteando Sílvio. Medif cuida do mané capotado. Dimitri aparece pra me cumprimentar e eu puxo ele pra cima da galera. Max aparece e dá de cara com Müller. Música de novela mexicana começa a tocar de fundo. Os dois começam a discutir, aparentemente o orfanato de Müller e Max foi destruído e Max pensou que Müller tinha morrido. Müller caçou Max até aqui, e agora que achou vai embora. Esbarra de propósito em Max mas ele nem se move e agarra Müller. Ele tenta sair mas é como se Max fosse feito de pedra. Max deixa o putão ir.

Sílvio, todo arrebentado, ainda chama Max pro duelo. Max fala que topa o duelo mas pra Sílvio se recuperar antes senão num será honrado. Sílvio diz que vai ser ali mesmo e carrega seu cosmo. Num grito de dor foda ele estende as mão e garras saem dos dedos. Porém o esforço é tanto que ele pedala sozinho. Max o pega pra levar até o mestre dele, Claude. Medif me lembra da missão de levar o cara e eu mando a galera me liberar pra eu continuar a missão. Vamos eu, Medif, Dimitri, Max, e os capotados mané e Sílvio até a sala do capitão Claude.

Chegando na sala entramos só eu e Medif pra entregar o pacote pra depois Max deixar o dele. Claude diz que foi um jeito um tanto exagerado de cumprir a missão, mas Medif contorna dizendo que foi um jeito de camuflar a missão, e Claude aceita a desculpa. Claude dá uma bolsa pra Medif e diz que ele será o mensageiro até arranjarem outro e que tem que entregar uma mensagem pra Mestra Medusa. Diz que eu, Max e Dimitri faremos escolta pois onde a Mestra está é perigoso. Pedimos a mensagem e ele pega o corpo do mané capotado e arranca a cabeça! Ficamos bem espantados, então ele despiroca e um dragão/bode/leão/cobra aparece bem grandão em cima da gente. Ficamos em pânico paralizados até que Claude recolhe um pouco seu cosmo animalesco e conseguimos sair correndo dali com a cabeça embrulhada. Lá fora já agarramos Max e Dimitri e arrastamos pra fora dali. Max insiste em entregar o corpo de Sílvio mas o corpo começa a flutuar e entra na sala. Vazamos…

Fominha... 4 bichos no cosmo.

Müller vai passear, encontra uma menininha levando montes de legumes, ajuda ela e rouba uns pra ele. Continua passeando e joga um papel no chão, um cara reclama, ele nem liga, o cara começa a encher o saco dele. Discutem e acaba que o cara desafia Müller a dar mais um passo, Müller não consegue pois seu corpo está paralisado. O cara explica que as coisas ali são diferentes e existe cosmo e talz. Diz pra escolher qualquer mané no caminho que esse mané pode arrebentar com o Müller. Ele topa e escolhe um aleatório, só que esse aleatório é um discípulo de Hanna de Aquário. Müller tenta bater a carteira do cara mas o cara torce ele todo e põe uma adaga no pescoço. Pergunta se pode matar o lixo do Müller mas o mala diz que não precisa. Müller entende e começa a conversar de boa. Pergunta o nome do mala mas ele enrola dizendo que não sabe exatamente quem é ou se pode usar o nome que tem e talz. [É que é um clone do Ken de Câncer que foi encontrado na Ilha da Rainha da Morte, mas vocês não ouviram isso de mim].

Uso meu GPS pra achar a Mestra e corremos. Assim que saímos do Santuário trombamos Gunther, um dos companheiros de treino de Max. Ele diz que tá de bobeira e vai passear com a gente. Ele começa a falar mal do Prince, ficamos putos mas vamos seguindo. Chegamos num penhasco e pelos meus cálculos a Mestra tá lá embaixo. Avançamos pra ver como descer e quatro caras misteriosos pulam pra nos atacar, só eu consigo percebê-los antes do ataque e avisar os outros. Os quatro colam na gente e começamos a tretar. No meio do rolo Gunther vem na minha direção, imagino que ele queira pegar o cara que tá lutando comigo, então fico posicionado pra ajudar ele mas o safado traidor me agarra. A treta começa a ir bem mal, roubam a bolsa de Medif e começamos a ser pedalados um por um.

Ken B diz que vai ser o mestre de Müller e o coloca pra subir e descer um morro só que sem diminuir a velocidade, até mostra como fazer e vai embora., mas Müller só aguenta alguns e tudo torto. Logo Müller sente no fundinho de seu ser que seu irmão Max tá na bosta precisando muito de ajuda. Müller corre atrás de Max e vê a gente levando uma sova. Ele fica putão entra na treta despertando um cosmo raivoso e descontrolado. Nos recuperamos um pouquinho e começamos a socar os malditos. Eu noto que alguém está nas árvores ali perto observando tudo. Pego a bolsa do cara que a roubou mas o cara resiste, Dimitri cola o brinco  dele e saio com a bolsa.

Pulo no penhasco deixando os caras cuidarem da treta. Depois de cair bastante vejo uma entradinha na parede do penhasco, em estico todo e consigo me balançar com um galho pra dentro. Lá vejo a Medusa fazendo algum ritual bem sangrento. Entrego a mensagem-cabeça de Claude, a Medusa pega, resmunga um pouco e me manda embora. Ela dá espaço prum caminho no interior da terra, eu sigo correndo.

Lá na treta os caras consegue pedalar os vilões. E do nada os corpos começam a derreter, e Medif reconhece como aqueles corpos derretentes na Ilha da Rainha da Morte. Notam que há marcas nos braços dos corpos mas não conseguem ver com detalhes. Apareço, aviso que a mensagem foi entregue e voltamos pra relatar os resultados pro Claude. No caminho Ken B aparece, faz sinal preu não falar nada que vi ele nas árvores durante a luta e leva Müller. Chegando na sala de Claude Medif faz o relatório e somos dispensados. Claude manda Medif ficar pra… uma conversa particular…

Claude pede mais detalhes e Medif passa tudo que vimos, depois Claude manda ele guardar segredo de tudo aquilo. Medif aceita mas fica em dúvida se pode falar pro mestre dele. depois de dispensado vai falar com seu mestre Aldebaran de Touro. Conta pra ele as zicas e estripulias que passou e vai descansar pra mais um dia.

Anúncios

2 comentários

  1. Dimitri é discípulo da Hanna!

    :)


  2. É, é…



Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: