Archive for the ‘Mutantes & Malfeitores’ Category

h1

1º sessão de M&M: Gigantes

12/03/2010

1º sessão de M&M: Gigantes

É um campanha estilão D&D só que usando o Mutantes & Malfeitores. NP10. Os Pjs são dum feudo num reino dominado por gigantes de todo tipo. O reino é formado por montes de rochas enormes flutuantes conectadas por correntes enormes. Manda quem pode, obedece quem tem juízo é o lema. Os Pjs são um grupo que sai pelo mundo pra arrumar recursos pro feudo. Estão jogando o Foice como Rabudo, brutamontes casca grossa e com rabo. Leo como Sombra, mago das sooombras. Danizinho como Ternura, um avatar da Vida ou algo assim. E Hugo como Samambaia, um cara meio árvore controlador de plantas. Bem, esses não são os nomes dos pjs mesmo, é que eu num lembro dos reais…

Vamos elevar a escala de destruição, sim?

Começamos com nossos heróis (há!) em paz descansando depois de voltar de uma coleta tranquila. Quando urros e gritos são ouvidos. Todos correm pra ver o que tá pegando e é um bichão duns 30m pisoteando tudo. Parece uma javalizão deformado, e ele tá arrebentando toda a área de estocagem. O povo começa a socar a criatura. Sombra usa magias pra segurar a coisa  e afetar sua mente. Samambaia fica trocando idéia com uma árvore ali do lado e usa suas plantinhas pra atacar o bichão também. Ternura continua dormindo. Rabudo desce a porrada com seu rabo, atraindo até uma certa admiração duns perdidos. Baratas graúdas se espalham vindo do bichão. Depois de derrubarem a criatura ela começa a ressecar como uva passa. Uns manés que se molharam com sangue dela são corroídos, até as plantinhas murcham.

Bacon Atroz

Como nenhum dos líderes do lugar estão por perto Rabudo vai atrás deles. Desce pelo interior da rocha e encontra manés mortos com partes necrosadas. Segue pelos túneis e encontra sopa de guardas no chão, literalmente. Pisando naquela meleca chega até a sala dos chefes, começa a sentir calafrios e sente um toque em seu ombro. Vira-se e não vê ninguém, então Volta lá pra fora.

Sombra e Samambaia fica especulando como aquilo aconteceu, suspeitam de invocações, traições, sabotagem, todas essas coisas felizes. Ternura aparece e relatam pra ele o que rolou. Todos avistam o líder do local chegando com uns guardas e generais. Ele ignora toda a zona e segue pra sala vip junto com uns generais. Outros ficam dando ordens pra aumentar a segurança e limpar tudo. Rabudo o segue pelos túneis enquanto Samambaia espiona via plantinhas. O líder passa por tudo, vários conselheiros e gente de status vem encher o saco mas ele só olha feio e o povo afasta, então ele segue pra salinha vip.

O patrão

O povo analisa os estragos, Samambaia conversa com as plantinhas que relatam aleatoriedades. Rabudo lembra de ter visto um outro grupo trazer uma caixa misteriosa pro estoque. Acham um teco de madeira com uns riscos que Sombra identifica como lances místicos. Vasculham atrás do resto e acham boa parte do que pode ter sido a tal caixa misteriosa com símbolos místicos. Mas são interrompidos por manés aleatórios chamando eles pra se reportarem por chefe pois tem missão pra eles. Samambaia esconde os tecos de madeira no chão e se enterra reuinindo-os depois.

Um general os chama. Cara brutão montado numa tartaruga atroz diz que como os estoque foram comprometidos os grupos precisam sair de novo e trazer mais coisas. Diz pra trazerem carne principalmente. Partem, no caminho vão montando o quebra-cabeças da caixa. Passam pela rocha-guarita no limite do feudo, notam que os guardas são novos, diferentes dos que costumam ficar por lá. Rabudo sente cheiro de sangue nas armas dos caras, Samambaia encontra via plantinhas os corpos enterrados dos caras que costumavam guardar o local. Ternura percebe umas distorções no ambiente e detecta vida escondida. Pressionam os guardas enquanto Ternura desfaz o efeito que esconde a forma de vida misteriosa. Aparece na frente dele um lagartão marrom mal encarado e bufando. Começa a pancadaria.

Talvez um pouco menos drag queen

Samambaia ataca mas não causa nada. O lagartão tenta abocanhar Ternura mas pisa em falso e acaba deslizando pra trás. Rabudo e Sombra arrebentam os guardas com facilidade. O lagartão salta sobre todos quando Sombra deixa tudo escuro. Ternura corre pra se proteger na guarita, Samambaia se enterra, Rabudo fica socando o vento. Uma pedra grande cai em cima do rabo de Rabudo o prendendo por pouco tempo, até ele arrebentar a pedra. Sombra tira a escuridão justo quando o lagartão vai atacar Rabudo, e a luminosidade repentina o faz errar. Mais pancadaria e Ternura consegue possuir o corpo do lagartão. De posse do corpo ele deixa o lagartão ser preso pelas plantas de Samambaia até morrer.

Enquanto avaliam o resultado notam ao longe um povo prestando atenção. Numa rocha flutuante ao longe uns humanóides alados e armados se aglomeram e partem na direção da guarita. Samambaia faz crescer uma árvorezona, Sombra derruba uns com um bloco de sombra. Rabudo atira com as armas da guarita. Os alados vem aos montes, uns param na árvore, outros nas armas, outros na porrada. Ternura possui um deles e fica fingindo. Sombra toma uns ataques mas sobrevive, Samambaia fica usando a árvore pra bater. Até pedalar todos os alados. Os que não caem fogem, Sombra controla um deles pra instigar os outros a voltarem mas eles recusam e fogem. Chega a cavalaria, contam os corpos, um bucado de carne pro povo.

Cada um enfrenta os inimigos que merecem

Anúncios
h1

5º sessão minha de M&M Vilões

29/01/2010

5º sessão minha de Mutantes&Malfeitores: Vilões

Nessa só Dr.Bane, Curintiano e Rúbia.

Começamos com Bane recebendo as atualizações sobre a zona na cidade, tretas rolando pra todo lado, fornecedores cortados, caos generalizado. Informam Bane que o Curintiano tá sendo transferido pra outro presídio, Bane monta uma bazuca energética e vai lá resgatá-lo. Vai de helicóptero mais uns miliquinhos e vê o furgão levando o meliante junto com duas viaturas de escolta. Bane dispara com sua bazuquinha e faz uma das viaturas capotar. Rúbia, que ainda tá usando o corpo do herói da última sessão, vê a zona a distância e vai checar. Vai pra cima do helicóptero mas toma uns tiros e passa reto, toma mais um tirão e vai caindo. Guardinhas no furgão do Curintiano começam a atirar, Curintiano bota um medinho neles, Rúbia possui um desses guardinhas deixando o corpo do herói se esborrachar no chão. Bane bloqueia o rádio dos guardas e capota a outra viatura. Rúbia e Curintiano conversam abobrinhas, Bane explode um pedaço da rua fazendo o furgão capotar. Matam os guardas, Rúbia volta pro corpo do herói, Curintiano é liberado e vão embora.

Rúbia “herói” vai passear atrás de outro herói inteligente. Encontra um genérico resgatando pessoinhas, o cara não estranha as atitudes do herói (primeiro de uma série de sucessos críticos malditos). Ficam especulando sobre os planos dos vilões, estranhando as ações deles em só destruir tudo. Analisam os ataques e Rúbia começa a perceber um padrão nos locais e formas dos ataques, vê que tudo tá conectado. O herói o conecta com o outros heróis da cidade, conversam mais e começam a trabalhar na hipótese de que os vilões tão atrás de outra coisa e talz, ficam trocando idéias.

Se é mesa de heróis o povo quer ser vilão, se é de vilão quer ser herói...

Bane e Curintiano resolvem causar, vão tentar invadir uma base de um grupo de heróis, os Justiceiros. Bane tenta teleportar pra dentro mas é impedido, atira com a bazuca e nada. Vão pelo esgoto, vão destruindo até chegar num campo de força. Ficam atacando e nada. Recebe informe de ataques na base dos Justiceiros e vai checar, acha o helicóptero dos vilões, o destrói e vai atrás dos vilões junto com mais heróis que aparecem.

No esgoto os heróis vão chegando, Curintiano invoca sua galera de maloquêro que entope o esgoto e bota um medo nos heróis. Treta rolando, um dos heróis até pisa na bandeira dos curintianos enfezando eles. Bane modifica a bazuca pra enfraquecer o campo de força e depois explodir, levando os heróis junto. Bane e Curintiano saem, o troço explode derrubando os heróis e enfraquecendo o campo de força. Forçam a porta e entram na base, um hall cheio de fotos, troféus, uniformes antigos, que os curintianos restantes ficam vandalizando.

Bane e Curintiano seguem pela base até a sala de controle. A tranca eletrônica impede eles de entrarem, então Bane fica conversando com a Tranca, uma conversa pra lá de bisonha, até que Bane consegue acessar a tranca e abrir a porta, justo quando um dos heróis capotados junto com Rúbia chegam. Bane aciona as defesas da base que ficam pentelhando o herói que continua socando a porta. Rúbia tira ele de lá antes que capote de novo. Bane fica fuçando nos computadores, mexendo nos sistemas, rouba umas informações e aciona autodestruição. Pega Curintiano e fogem dali teleportando.

Rúbia se reúne com mais heróis, relata a ocorrência, eles conversam abobrinhas heróicas e invadem a base, logo que os vilões se mandaram. Mais um sucesso crítico de Rúbia e os heróis começam a segui-la como líder. Rúbia passa na biblioteca dos heróis pesquisando sobre o Dormitor, depois conversa com um herói maguinho que lhe diz que os Dormitors tão extinto, são seres controladores e poderosos, apanham de coisas bentas ou muito graúdas.

Na base dos vilões Bane e Curintiano relatam as coisas pro chefe Dormitor. Conversam e Dormitor resolve pentelha o Curintiano. Pega uma adaguinha ritual e enfia no coração de Curintiano, com as gotas de sangue desenha símbolos no tapete branquinho enquanto entoa cânticos. O sangue se junta e forma uma criaturinha, uma bolinha de carne com boca e ganchos que grudam no ombro de Curintiano, que está totalmente curado da adagada. Dormitor diz que fez isso pra evitar ter que matá-lo. Ninguém entende lhufas. Então Dormitor mostra numa tela a imagem do herói que Rúbia possuiu. Diz que tá na hora de avançar o plano e zoar de vez os heróis, e pra começar tem que destruir o líder deles, a “Rúbia”. Diz que tá na hora do Sr. Supremo (lembra dele?) entrar em ação.

Os heróis tão tretando contra vilões em pontos que Rúbia redefiniu distribuindo melhor as forças. Quando aparece o Sr. Supremo voando e brilhando e exterminando um herói com um raio energético. Os outros heróis ficam apavorados mas Rúbia os inspira e eles voltam pra batalha. Rúbia vai falar com Supremo. Bane e Curintiano vã pra treta, Bane chega de helicóptero tacando bombas e tocando o terror. Um herói vai pra cima, umas hélices em seu uniforme puxam vento fazendo o crescer e esmurrar o helicóptero, mas Bane teleporta. O cara solta um rajadão de vento ficando menor, depois puxa vento crescendo de novo, Bane fica tentando colocar uma bomba no cangote do cara, finalmente explode uma perto o suficiente arremessando o cara. Já o Curintiano invoca a galera que vai vandalizar geral quando aparece uma cara alado com uma espada, capacete de gavião e o símbolo do Corinthians. Se apresenta como o Gavião Fiel e diz que socar aqueles curintianos safados. Fica passando a espada neles mas os caras fazem montinho e o derrubam enquanto o Curintiano corajosamente fica atirando escondido. Os maloquêro arrancam as asas do cara e sentam a porrada nele, o capotando. Até tombam uma carcaça de carro em cima dele, mó mancada…

Será o fim de nosso bravo herói?

Já Rúbia fica pentelhando o Sr. Supremo. O cara carrega energia e taca umas bolas energéticas nela, machucando. Rúbia vai na lábia e convence o cara que tá do lado dos vilões, que o Dormitor tá aprontando e bota mais caraminholas na cuca do Supremo (mais um maldito sucesso crítico). O Supremo vai embora tirar satisfação com Dormitor, Rúbia tira o cara crescedor da batalha pra se recuperar, mais tretas até que os heróis derrotam os vilões, mesmo tento tomado uma sova. Todos voltam pra suas bases pra se curar, e o Curintiano finalmente sai do esconderijo. hehehe

h1

3º sessão da mesa de M&M do Benito

23/12/2009

3º sessão da mesa de Mutantes&Malfeitores do Benito

Nessa foi só eu (Mamute) e a Graci (Kinema), o resto dos personagens foi como NPCs. Sahara, Dínamo, Fibrilator e Pulsar.

Começamos com Kinema estendendo sua percepção até a base dos vilõs pra checar o que rola. Ela passa por uma montanha camuflada, milicos pra todo lado, até que notam ela. Ela força mais um pouquinho e vê a máquina que tá aprontando a zica toda, gigantona. Então ela começa a ver as coisas mudarem de lugar, salas se movendo e tudo mais. Partimos pra lá.

Já na entrada Kinema me ergue lá em cima e eu desço com tudo desabando tudo, abatendo uns guardas e estorando a porta. Entramos e vamos seguindo pelos corredores, Fibrilator vai atrás de computadores. Descemos por um elevador e chegamos numa sala, eu e Sahara avançamos e uma parede cresce atrás de nós isolando o resto do grupo. No comunicamos mas parece que fomos movidos pra longe. Vamos seguindo até que ambos times chegam em salas bem grandes com uns guardas. Já entramos tretando, Sahara movendo as pedras, eu dando tapas. No outro grupo o mesmo esquema. Só que os guardas usam armas diferentes e ficam estranhamente mais resistentes, só sobra eu em pé. Até que Fibrilator chega e diz que eu tava batendo nos meus companheiros, e finalmente vemos que era uma ilusão e que estávamos lutando entre nós.

salcifufuuu!!!!

Dínamo acorda com sua auto-cura, guardo os caídos num canto pra não serem atacados por guardas de verdade e muito putos seguimos pela base. Chegamos a outra sala com uns 30 guardas. Rapidinho derrubamos eles, o povo acorda e nos juntamos. Continuamos descendo e chegamos na máquina, os vilões nos esperando por lá. O Foguentinho, o Kung Fuzeiro de Nova York, o Ninja que transforma outros em pedra e um cara grande feito de pedra. Dividimos e partimos pra porrada.

Fibrilator vai pros controles da máquina tentar atrasá-la já que não dava pra desativar. Kinema tenta arremessar o cara de pedra na máquina mas ele é pesado demais. Pulo pra cima do cara de pedra, ele cresce e me erra um murro, caio jogando frio no chão deixando-o mais fraco pra ceder com o peso dele. O chão abre mas ele cresce mais e sai de boa do buraco. Pulsar dispara no ninja mas ele esquiva e joga bombinha de fumaça pra se camuflar. Sahara vai pra cima do Kung Fuzeiro mas toma uma núvem de pólem que a deixa atrapalhada. Dínamo vai pro Foguento mas ele sai correndo pra pegar a Sahara. O Ninja some, Pulsar atira na máquina mas num chega a danificar. Sahara foge dos dois caras mas toma chamas e capota, Kinema puxa ela e joga o Dínamo nos dois, uma núvem de folhas e poeira cobre a área e Dínamos não vê nada. O grandão de pedra me erra uma bicuda e acerta a máquina danificando, eu esfrio uma parte da máquina pra ficar mais frágil, o grandão me acerta a bicuda dessa vez e eu atravesso a máquina. Energia vazando pra todo lado, destruição iminente.

O vilões sumidos, acordo e arrebento mais a máquina, logo vemos lava descendo por onde entramos, o Foguento subiu e derreteu as coisas. Pulsar atira e Kinema empurra na telecinesia fazendo um buracão. Vamos subindo até que o ninja aparece e transforma o Dínamo em pedra, e some de novo. Kinema vaza com Sahara e Dínamo capotados. Tromba o Ninja no caminho, ele diz que a gente por comemorar o dia de hoje mas vai ter volta. Pulsar e Fibrilator me levam voando. Saímos da base, ela explode e em seguida é sugada deixando nada pra trás, só a cratera.

Epílogo. As tretas param, ajudamos onde podemos. Em Nova York os outros Pjs resolvem as tretas diversas, os vilões somem, a companhia de tecnologia é pilhada e tudo some. E mais uma vez o mundo foi salvo graças a Aliança.

h1

1º sessão aleatória minha de M&M

11/12/2009

1º sessão duma mesa aleatória minha de M&M

Mesa genérica de M&M, era pra ser one-shot mas não conseguimos terminar, então ainda teremos mais um episódio. Ou mais se o povo enrolar demais né. Temos a Graci como Puma, uma velocista. Alex com Espectro, um cara com poderes de sombra. André com o Coruja, um psicão. E Thener com Clint, um pistoleiro com balas variadas. Todos menos Thener fazem parte do grupo de heróis conhecidos como Vigilantes. A estória rola numa cidade grande genérica.

Começa com nossos heróis em patrulhas quando vêem uma fumaça preta subindo no horizonte. Puma corre lá pra checar e vê, num porto da cidade, um cargueiro afundando todo estropiado vazando um líquido negro e saindo a fumaça negra e densa. Puta trânsito na região, mais por uma ponte ter desabado ali perto. Puma relata pros heróis que partem pro local.

Enquanto isso Puma investiga. Vê que a ponto não caiu simplesmente, teve a coluna fatiada e os cortes são limpos e precisos. Vê que uma das ruas paralelas que poderia servir de opção ao trânsito também está zoada, um buraco no meio da pista impede a passagem. Nennhum tipo de socorro consegue chegar lá. Pessoas pulam do cargueiro, umas estão presas em escombros.

O resto chega na cena e todos vêem um helicóptero sobrevoando o local, e em seguida um fusca aparece no céu indo em direção ao helicóptero. Coruja entra na mente do motorista e vê pânico então o acalma. Espectro corre pra lá em versão sombra. Puma gira os braços jogando um ventinho pra desviar o fusca mas só faz ele girar, enquanto Clint mete bala no fusca pra desviá-lo. Espectro pega o motorista justo quando Clint acerta e muda a direção do carro, e um cachorrinho muito irritante pula na orelha de Espectro fazendo ele largar o motorista em pleno ar. Ele mergulha e se esforça ao máximo pra tocar o motorista e passar um pouco de sua sombrice pra ele fazendo os dois intangíveis pouco antes de tocarem o solo. Sim, Puma salva o cachorrinho. O fusca bate no canto helicóptero fazendo o girar e perder o controle, então Puma faz um colchão de vento pra segurá-lo enquanto o piloto milagrosamente consegue retomar o controle. O fusca crava num apartamento ali perto.

É daí que surgem aquelas leis bizarras

Clint vai checar donde tacaram o carro, Clint fica interrogando as pessoas, dizem que um cara baixinho e fortão com coisas pontudas nas mãos só chegou e arremessou o carro, depois foi embora. Coruja e Puma vão no apartamento checar se tem feridos. Puma chega antes, vê que todos estão bem e volta. Coruja chega no fusca e usa seu psiquismo pra ver o que aconteceu com o carro antes da vôo. Coruja vê o carro parado na rua quando um sujeito pequeno mas forçudo com as pontas dos dedos bem compridas e jurando vingança em russo pegando o carro e jogando no helicóptero. Ele passa isso pros comparsas e eles checam por meliantes com essa descrição mas não acham nada.

Espectro vai no cargueiro ajudar as pessoas. A fumaceira não deixa ele ver nada, só ouve as pessoas pedindo socorro. Ele chega num dos feridos que está com a perna esmagada. Ele torna o cara intangível também e o puxa dos escombros. Puma chega e tira a fumaça com um ventinho. Puma vasculha e acha outro cara caído, ela o pega e trancam a porta da sala que ela está mas ela consegue sair antes de fechar. Lá fora dois funcionários iam pra saída. Dizem que a porta não podia ficar aberta por ser muito perigoso pelas coisas que se fazem lá. Puma diz que tem um cara lá dentro e que eles tem a abrir a porta. Um dos caras se recusa por ser segredo, o outro fica todo amedrontado sendo intimidado pelo outro cara. Puma ameaça deixá-los morrer, o medroso resolve abrir a porta enquanto o outro sai correndo.

Clint na interrogância vê uns caras esquisitos no local, terninho e ponto no ouvido, conversam algo e se afastam. Clint nota neles um crachá duma empresa chamada Lymatech e vê a mesma marca em destroços do cargueiro. Cola nos engravatados e começa o interrogatório. Os caras dizem que trabalham pra Lymatech e que esse acidente foi lastimável mas todas providências serão tomadas e a imprensa logo terá uma nota. Ele entram num carro preto chique e somem. Clint vai pro cargueiro ajudar.

Protegendo o mundo da escória heróica

No cargueiro todos tão ajudando o restante das pessoas quando o barco dá um tranco, balança e começa a afundar bem rápido. Todos se salvam, menos um cara que fica na água, Espectro vai pegá-lo e nota que o cara está em pânico total só que pelo líquino negro que vazou no navio estar indo pra ele. Ele gruda em Espectro que o tira de lá. Todos chegam na margem seguros enquanto o cargueiro termina de afundar.

Logo os escombros são arrebentados por um caminhão reforçado com a marcona da Lymatech na lateral. Todo tipo de socorro chega, muita gente treinada começa a tomar conta do local, separa as pessoas, monta um centro de tratamento, interrogatórios, limpeza e tudo mais. O povo da Lymatech cuida de tudo, mas de uma forma um tanto hostil que incomoda nossos destemidos vil… digo, heróis. Espectro vai na caruda até a água e pega uma amostra do líquido que vazou. Os técnicos relutam um pouco mas não impedem. Puma corre num repórter e conta que rolava experimentos bizarros no cargueiro mas logo chega um pessoal da empresa pra tomar conta.

Clint e Coruja vão arrumar encrenca com uns engravatados. Clint chega intimidando um, Coruja joga um sentimento de culpa no cara, mas ele não libera nada, então Clint puxa a arma, montes de seguranças e polícia cercam os dois. Discussão pra todo lado, Coruja controla a mente duns seguranças pra agrem contra os outros, muita tensão até que Clint deixa o cara ir. A polícia cola em Clint mas Coruja dá uma mão mental e eles ficam de boa.

Na tenda médica, todo mundo sendo tratado, Espectro vai até o cara que ele salvou da meleca malígna e começa a interrogar. Um cientista/médico já cola do lado dizendo que o cara precisa descansar. Espectro ignora e continua interrogando só que o cara fica intimidado pelo cientista e só fala que trabalhava na limpeza e não sabia de nada,  obviamente mentindo. Espectro então ameaça usar a amostra de meleca que ele pegou no cara, então ele fica com medo dele e do cientista. Logo mais cientistas aparecem. Espectro chama os outros que já colam no montinho e a tensão aumenta. Puma fica atrapalhando os cientistas que cuidam das outras pessoas. No processo ela nota um cara entrando, um senhor bem alinhado de terno branco e chapéu. Ele tira o chapéu mostrando a careca. Uns cientistas o cumprimentam e voltam pro trampo, Puma fica observando enquanto o cara observa a muvuca. Coruja então entra na mente do pobre coitado que tava sendo interrogado e vê a imagem do cara mexendo no computador e quando os alarmes soam ele levanta apreensivo e a roupa dele tem uma leve mudança, o jaleco encurta um pouco e ele tá com uma vassoura e começa a correr. Todos ficam frustrados e saem de lá tentando entender o que aconteceu. Puma conta do cara de branco e quando o povo procura não tem ninguém assim.

Mistééério

Sem muito o que fazer Espectro resolve seguir um dos caminhões em forma de sombra enquanto o resto espera novas informações. O caminhão chega num galpão no meio da cidade, funcionários descarregam e anotam coisas, levam coisas por portas diversas. Espectro vai pulando entre sombras fuçando nas portas, encontra laboratórios, equipamentos, muita segurança e tecnologia. Até chegar numa sala escura com luzes ultravioletas. Nas paredes vários símbolos estranhos separados em placas, en numa das paredes uma lousa com muitos rabiscos malucos. Uns poucos funcionários trabalhando em computadores. Espectro espera um pouco e aparece um cientistas tiozinho, fala algo com os funcionários e uma porta se abre na parede. Boiando num líquido verde tem um amontoado de carne com traços humanos acumulados tipo três nariz nos sete joelhos, totalmente deformado. Tubos ligados na coisas, o cientistas mexe em controles e pranchetas e vai embora. Espectro vai embora.

Tipo isso versão humana

Enquanto esperam depois de um tempo notam o carinha medroso que Puma salvou olhando pra eles num beco todo encolhido. Puma cola lá rapidão, o cara diz que tem que contar o que aconteceu de verdade pois alguém tem que acabar com isso, mas não pode falar lá, dá um endereço pra ela pra encontrá-lo lá. Puma volta e conta o que o cara disse. Logo o povo migra pro endereço. É um sobrado qualquer, Clint fica fora vigiando, Puma e Coruja entram e Espectro chega logo depois mas fica escondido. O cara abre a porta todo paranóico e começa a contar a história. O responsável pelos ataques é o Doutor Vânia Roschenko, um cientista importante que trabalhava na Lymatech até umas semanas atrás quando foi expulso de lá com briga e ameaças. Diz não saber o motivo do cara sair só que tem a ver com o filho dele. E outros pontos da Lymatech já foram atacados mas foi tudo abafado e nada foi tão grande quanto o de hoje, e se continuar assim mais inocentes sofrerão. O cara não sabe sobre o paradeiro do maluco, só que ele fez uns experimentos nele mesmo e ficou alterado. Dá a localização de uns centros da Lymatech. Pede pros heróis o protegerem e blablablá.

Do lado de fora Clint nota um carro parecido com aqueles dos engravatados da Lymatech estacionado ali perto só que ele não viu o carro chegando. Alerta o povo dentro da casa que tem alguém por lá. Todos ficam paranóicos. Ouvem o som de vidro quebrando bem baixinho. Imaginam que o tal de terno branco está lá e falam pro nada que querem fazer uma aliança temporária com a Lymatech pra resolver esse problema antes que mais pessoas se machuquem, mas não tem resposta. Clint vê um cara engravatado e com uma maleta de alumínio indo pro carro e abrindo a porta, Espectro e Puma saem da casa direto pro carro. Puma para na frente do cara, Clint atira nele mas nada machucante e Espectro vem pela sombra e dá seu toque geladinho nocauteante que derruba o cara. Lá dentro Coruja vê algo pequeno voando e saindo pela janela e em seguida o cara que tava com ele desmaia. O povo pega o engravatado, pega o desmaiado e seguem se carro pelas ruas.

Tentam abrir a maleta do cabra mas tá bem trancada. Amarram-no e o acordam. Muita conversa, intimidação e ameaças de materializar o braço em locais nada agradáveis fazem o cara revelar que é um mercenário trabalhando pra alguém que ele não conhece que o contacta via fone e que foi contratado pra injetar um composto químico no tal funcionário da Lymatech que vai fazer ele esquecer as últimas horas. No meio da conversa o cara fala que já que eles são heróis tem mais o que fazer e nesse momento passa um caminhão desgovernado no cruzamento e ouve-se uma batida. Puma vai lá checar, feridos e destruição padrão, ela deixa os paramédicos cuidarem e volta por carro. Mais ameaças depois pegam o contato do cara pra ele fazer uns trampos depois. Largam-no pela rua e seguem com o carro dele pra sede da Lymatech que Espectro fuçou pra conversarem com alguém de lá sobre a zica.

Clint prefere ficar num boteco ali perto. Puma chega antes e é levada por guardas bem confusos e surpresos até um chefe lá. Puma relata que sabe do maníaco e que quer pegar o cara, o chefinho diz que vai passar a proposta pra cima e ver no que dá. Nisso o resto chega e é levado pra salinha também. O chefinho volta e diz que topam, oferece uns alojamentos pros heróis esperarem enquanto os povo acha o Dr. Vânia. O povo fica morgando por lá.

Espectro nota uma movimentação estranha dos guardas e os segue, chega numa sala de segurança que tão mostrando destruição numa telas, provavelmente o ponto onde o Dr. Vânia tá atacando agora. Os heróis são chamados e passam pra eles que uma fábrica da Lymatech ali nos arredores da cidade tá sendo atacada pelo doutor e já despacham o povo pra lá. Clint vê os carrões levando seus camaradas, e quando vai pegar a moto pra seguí-los sente uma picadinha nas costas. Suspeita do mercenário safado mas não o acha, segue o povo.

Chegam na fábrica, destruição rolando solta, funcionários já retirados, os heróis entram. Puma corre pela fábrica procurando o maníaco. Espectro vai em forma de sombra e Coruja enrola pra entrar até tomar coragem e vai procurando. Clint chega depois e enrola um tempão até entrar. Puma acha o tal e grita com ele pra ser ouvida tentando conversar, o maluco joga coisas nela desabando entulho pra todo lado cortando suas rotas de fuga e machucando-a bastante. Espectro chega nela e a passa prum local mais seguro no nível abaixo, depois volta pra conversar. Em forma de sombra não é afetado pelas tralhas que o doutor joga nele. Espectro fica falando até que o doutor se acalma um pouco e pára pra ouvir. Espectro diz que sabe onde tá o filho dele e que pode ajudar a resolver, o cara fica lokão querendo saber e tudo mais. Espectro pede pro cara explicar direito o que tá rolando enquanto deixa o comunicador ligado pros camaradas ouvirem, o cara fala que um tempo atrás num dos experimentos dele o filho foi afetado e agora ele tava pesquisando um jeito de consertar a merda mas tiraram ele da pesquisa pois num tava dando resultados e sumiram com tudo. Então ele ficou putão saiu por aí arrebentando tudo até achar os dados e equipamentos dele pra ele continuar a pesquisa. Espectro diz que vai ajudar e eles tem que fingir que os dois fugiram juntos enquantos o resto dos heróis continuam querendo pegá-lo, então os heróis armam a zona na Lymatech pra eles entrarem, ou algo assim.

Dr. Vânia Roschenko

Clint e Coruja chegam em Puma, Clint a cura e todos sobem de volta pra onde está a treta. Todos concordam com a zona, Espectro e Vânia fogem juntos enquanto o resto finge que tenta impedir, e a fábrica é totalmente destruída. Vânia corta umas portas no meio do caminho e segue pelo esgoto até chegar numa caverna nos arredores da cidade. Espectro manda ele esperar lá até poderem agir, Vânia diz que sua paciência é curta então é bom agirem logo. O resto volta pra Lymatech a espera de outra oportunidade pra pegar o doutor.

Clint vai passear pelas ruas, Puma fica por lá e Coruja controla um guarda pra passear pela base. O povo marca de se encontrar num buteco, chegam lá e Coruja tá com seu guarda controlado. Marcam outro ponto e mandam Coruja se desfazer do guarda, ele prende o mané em algum canto da cidade e se encontram por aí. Conversam e não decidem nada. Voltam a passear. Clint sentem outra picada e fica zonzo. Alguém o põe num carro, ele atira mas erra, até que capota. Já Coruja é abordados por malacos que jogam um saco preto na cara dele impedindo-o de achar as mentes dos alvos e é jogado num furgão. Espectro volta pro Vânia e dá o endereço da base da Lymatech, Vânia não acredita pois sabe que aquele ponto é um supermercado que ele sempre passava perto, mas Espectro o convence que é lá mesmo, então Vânia vai lokão pra lá. Puma recebe a visita do moço do terno branco em seu alojamento. Ele diz que precisa que ela capote o doutor Vânia senão os camaradas dela vão morrer, e mostra imagens de Clint e Coruja presos com tubos enfiados e demais desagradaveizices. Puma reclama que ele é muito forte mas o cara num liga, diz que o cara tá vindo e desaparece.

Espectro chega antes e vai direto pra sala maligna, chega lá e os funcionários tão sendo evacuados pois já detectaram o cabra indo pra lá. Antes de sair o cientista de antes parece notar algo estranho na sala, Espectro fica quietinho na sombra, mas o cientista desconfiado volta pra sala e fica mexendo num computador. Espectro vem por baixo pra dar o toque geladinho mas o cara pula no susto e diz que sabe que tem alguém ali e manda aparecer logo. O cara longe se qualquer sombra então Espectro pula de uma pra tocá-lo as é agarrado por pessoas invisíveis que o travam no lugar. O cientista zomba dizendo que a sombra de Espectro num é nada comparada a total escuridão que é ele. Até dá uma risadinha maléfica.

MUAHAHAHAHAHAHAHAHA

Vânia chega e começa a arrebentar tudo, Puma tenta detê-lo mas não com muito esforço e o cara vai entrando na base. Nossos amigos Clint e Coruja acordam num quartinho caindo aos pedaços só de calças e com as mãos atadas nas costas. Clint corta as amarras com um tiro e eles saem do quartinho, estão no meio duma favela, as pessoas os evitam, Coruja pega na mente das pessoas que ali é ponto dum traficante ali da área mas ninguém sabe quem deixou eles lá. Eles pegam umas roupas e celular e tentam contactar seus companheiros. E tentamos resolver na próxima sessão.

h1

4º sessão da mesa de M&M da Graci

24/11/2009

4º sessão da mesa de Mutantes & Malfeitores da Graci

Nessa só eu (Besouro Negro), Thener (Steve T) e Alex (Linux). Entrou o André como Luck, cara com poderes de azar.

Após a captura do Dr. Elétron falsificado nos reagrupamos na base e checamos nossas opções. Sabíamos que a tal maluca ex-comparsa do Síndrome, a Mirage (a mina do cabelo branco), tava comandando tudo duma ilha que não sabíamos onde ficava. Fomos checar a antiga ilha do Síndrome.

Chegamos na ilha, tudo deserto, sem sinal de ninguém, reviramos tudo, fuçamos equipamentos e nada, só animais passeando. Voltamos e fomos checar os arquivos dos antigos vilões que o Síndrome tinha. Na fuçança achamos uns nomes, entre eles um vilão conhecido como Animal, um uga buga que controlava animais. Fazendo cruzamento de relatos achamos uns casos estranhos envolvendo animais, vários invadindo cidades e casas pra roubar tranqueiras e num padrão, a cada dois meses em cada local, até que o rastro pára numa cidadezinha no interior dos EUA seis meses atrás. Fomos lá investigar atrás desse tal Animal.

Será que é esse?

Tentando não fazer alarde fomos a paisana. Linux e Luck conversar com o povo e Steve T foi pro mato conversar com bichinhos e plantas. Eu fiquei na base monitorando e jogando paciência. No povoado, Linux e Luck vão pruma lanchonete e ficam puxando assunto, papos inúteis com caipiras diversos. Resolvem checar a pousada. Enquanto isso Steve T fala com os bichos no mato. Fala com uns e num consegue nada, explode tocas com magias de controle de terra e soterra as criaturas depois. Dou um piti e ele tira a terra de volta, bicho sádico. hehehe Steve tromba Linux e Luck na pousada. Lá eles distraem o dono enquanto escaneiam o livro de registros mas num tem nada de útil. Alugam um quarto e conversam com o dono, descobrem que há seis meses atrás uma horda de guaxinins invadiram as casas roubando aparelhos eletrônicos e fugiram pro mato. Da base escaneamos a área e achamos uma pilha de metal no meio do mato. Eles dão um perdido no pousadeiro e teleportamos pra pilha de metal. Vários aparelhos eletrônicos estragados. A poscognição de Linux mostra que os guaxinins traziam os aparelhos já quebrados e largavam ali. Fuçamos a pilha e vemos que são só aparelhos quebrados, nada de peças faltando nem qualquer coisa incomum. Steve T fala com as árvores e elas dizem umas abobrinhas inúteis. Vamos checar o rio, pois pelo padrão do trajeto do suposto Animal ele vinha pelos rios. Achamos mais aparelhos no fundo do rio, mas nada. Achamos uma cabana rústica, Linux checa com poscognição e vê o UgaBuga morando lá, mas pega umas emoções estranhas, como se ele tivesse confuso, ganancioso mas perdido, como se agindo contra a vontade. Juntando com o lance do controle mental que o Dr. Elétron sofreu, deduzimos que o cara tava mesmo com a Mirage. Sem mais pistas voltamos pra base.

Celeste (nossa base) fica investigando banco de dados diversos, e nós vamos conversar com o Dr. Elétron verdadeiro que capturamos. Conversamos com ele mas ele num tem nada pra ajudar, pedimos pra ele liberar  a mente dele pra Steve T fuçar e ele libera. Steve T checa no fundinho e descobre que a ilha da maluca é ao sul donde fica a do Síndrome, e uns pedaços de planos mirabolantes dela. Celeste fuça e percebe que tem uma ilha faltando nos sensores, vamos lá checar.

Chegando na ílha de lancha Celeste afirma que não pode detectar a bagaça mesmo que estejamos a vendo na nossa frente. Ótimo sistema de camuflagem. Vamos pra ilha e somos recebidos com pancadas na parte de baixo da lancha Mergulho e vejo um kraken estressado. Digo pra galera sair do barco, peço pra Celeste recolher o mesmo e mandar um raio nas coordenadas do bicho enquanto Steve T faz um redemoinho com magia pro bicho ficar quietinho. Um disparo e o bicho capota, Linux joga ele longe pra num encher mais o saco. Supondo que o tal Animal esteja monitorando o bichinho digo pra ele vir nos enfrentar ele mesmo ao invés de mandar peixinhos.

Isso com wasabi deve ser um delícia

Na ilha vamos passeando fuçando até cansar sem achar nada. Sabemos que a Mirage tem uma tara por bases subterrâneas, então Steve T vai um buracão beeem fundo até topar com uma placa de pedra. Provavelmente haveria cavernas naturais abaixo desta placa, então Steve T continua cavando até vermos luz. Descemos e vimos uma linha de montagem, a mesma que Linux havia visto nas análises dos caranguejos e pistolas laser. Vários braços robóticos contruíndo tralhas. Tento acessar os sistemas mas num consigo, vemos portas, vamos pra maior, desativo as trancas, a porta abre e dispara um laser que pára no campo de força de Linux. Desativo o laser e seguimos. No corredor a frente vemos portinhas nas paredes, ótimas pra saída de robôs pentelho. Steve T e Linux entortam as portas pra não abrirem e eu ponho equipamentos pesados na frente pra nada sair dali. Então ouvimos algo grande se aproximando pela frente, nos preparamos pra porradas e vamos em frente. Abrimos a porta e vemos o robô maluco do Síndrome, o Omnidroid, dando oi.

Singelo...

Ligo minha camuflagem e vôo mas o bicho continua me detectando, então taco algo na cara dele pra tapar os sensores. Os demoninhos de Steve T colam na cara do bicho e ficam atrapalhando. Steve T e Linux tentam puxar os tentáculos pinçadores mas não conseguem. O bicho recolhe os tentáculos e começa a girar pra se livrar da pentelhação, arremessa os demoninhos longe mas continua com o troço pesado bloqueando sua visão. Então Luck vem na cara de pau e dá uma bicuda no bicho, e como ele dá azar pras coisas bate exatamente num ponto fraco, danificando o bicho e fazendo ele parar de girar. Uns demoninhos ficam com Luck pra poder tirarem ele do alcance do bicho que ele for revidar. Procuro algo na sala que possa ajudar a derrotar essa coisas mas num acho nada. O bicho vem locão pra cima da galera mas os demoninhos continuam atrapalhando a visão e ele num pega ninguém. Steve T faz um buracão no chão e o bicho cai desengonçado, Luck aproveita e desse a lenha. Vôo até na cabeça do bicho e a estudo pra desativá-lo, então o demonião de Steve T que tava só olhando até o momento dá um tapão e termina de danificar o bicho [que por sinal teve péssimos números nos dados].

Lembrem-se: heróis de verdade reciclam!

Aproveitando que tô lá entro no sistema do bicho e fuço, descubro que tem uma porta secreta ali na sala que dá pra sala de controle principal da ilha toda. Abro e me esbaldo nos controles. Vemos a ilha toda, vários robôs e animais passeando, ums aranhas gigantes de verdade, um kraken bem maior que aquele que achamos, e um robô-tiranossauro, além de vários veículos e portas. Vemos o Animal passeando pelo mato. Vemos também que tem uma mansão embaixo de tudo onde provavelmente ficaria a Mirage. Tranco toda a ilha, desligo a camuflagem pra Celeste poder ver o que tá pegando, ela analisa tudo com vontade, acha a Mirage na mansão e já aciona os protocolos devidos da NSA.

Meu mais novo bichinho de estimação

Com o controle dos robôs da ilha mando eles pegarem o Animal e capotarem, o tiranossauro-robô resolve, Celeste teleporta o capotado pra cela. Vamos pegar a Mirage, mexemos nos controles ambientais da mansão pra atazaná-la, Steve T busca a mente dela e vê que ela tá puta mas sem medo, então deve ter algum truque ainda, então desencanamos de ir até ela e Celesta a teleporta também. Fuçando a mansão achamos o quarto dela que mais parece um templo ao Síndrome, aparentemente a maluca romântica só queria se vingar mesmo. Descobrimos que ela tinha um back up do Dr. Elétron robótico, ela programou o troço com a personalidade do Síndrome e soltou-o no mundo sem nenhum controle dela, então não temos nenhum sinal do paradeiro dele e do que pretende, mas sabemos que vamos trombar ele um dia. Pilhamos loucamente e voltamos pra base.

E mais uma vez a cidade de Metroville foi salva, graça aos Guadiõõõões.

4º sessão da mesa de Mutantes & Malfeitores da Graci

 

Nessa só eu (Besouro Negro), Thener (Steve T) e Alex (Linux). Entrou o André como Luck, cara com poderes de

azar.

Após a captura do Dr. Elétron falsificado nos reagrupamos na base e checamos nossas opções. Sabíamos que a tal

maluca ex-comparsa do Síndrome, a Mirage (a mina do cabelo branco), tava comandando tudo duma ilha que não

sabíamos onde ficava. Fomos checar a antiga ilha do Síndrome.

Chegamos na ilha, tudo deserto, sem sinal de ninguém, reviramos tudo, fuçamos equipamentos e nada, só animais

passeando. Voltamos e fomos checar os arquivos dos antigos vilões que o Síndrome tinha. Na fuçança achamos uns

nomes, entre eles um vilão conhecido como Animal, um uga buga que controlava animais. Fazendo cruzamento de

relatos achamos uns casos estranhos envolvendo animais, vários invadindo cidades e casas pra roubar tranqueiras e

num padrão, a cada dois meses em cada local, até que o rastro pára numa cidadezinha no interior dos EUA seis

meses atrás. Fomos lá investigar atrás desse tal Animal.

Tentando não fazer alarde fomos a paisana. Linux e Luck conversar com o povo e Steve T foi pro mato conversar

com bichinhos e plantas. Eu fiquei na base monitorando e jogando paciência. No povoado, Linux e Luck vão pruma

lanchonete e ficam puxando assunto, papos inúteis com caipiras diversos. Resolvem checar a pousada. Enquanto

isso Steve T fala com os bichos no mato. Fala com uns e num consegue nada, explode tocas com magias de

controle de terra e soterra as criaturas depois. Dou um piti e ele tira a terra de volta, bicho sádico. hehehe Steve

tromba Linux e Luck na pousada. Lá eles distraem o dono enquanto escaneiam o livro de registros mas num tem

nada de útil. Alugam um quarto e conversam com o dono, descobrem que há seis meses atrás uma horda de gambás

invadiram as casas roubando aparelhos eletrônicos e fugiram pro mato. Da base escaneamos a área e achamos uma

pilha de metal no meio do mato. Eles dão um perdido no pousadeiro e teleportamos pra pilha de metal. Vários

aparelhos eletrônicos estragados. A poscognição de Linux mostra que os gambás traziam os aparelhos já quebrados

e largavam ali. Fuçamos a pilha e vemos que são só aparelhos quebrados, nada de peças faltando nem qualquer

coisa incomum. Steve T fala com as árvores e elas dizem umas abobrinhas inúteis. Vamos checar o rio, pois pelo

padrão do trajeto do suposto Animal ele vinha pelos rios. Achamos mais aparelhos no fundo do rio, mas nada.

Achamos uma cabana rústica, Linux checa com poscognição e vê o UgaBuga morando lá, mas pega umas emoções

estranhas, como se ele tivesse confuso, ganancioso mas perdido, como se agindo contra a vontade. Juntando com o

lance do controle mental que o Dr. Elétron sofreu, deduzimos que o cara tava mesmo com a Mirage. Sem mais

pistas voltamos pra base.

Celeste (nossa base) fica investigando banco de dados diversos, e nós vamos conversar com o Dr. Elétron

verdadeiro que capturamos. Conversamos com ele mas ele num tem nada pra ajudar, pedimos pra ele liberar  a

mente dele pra Steve T fuçar e ele libera. Steve T checa no fundinho e descobre que a ilha da maluca é ao sul donde

fica a do Síndrome, e uns pedaços de planos mirabolantes dela. Celeste fuça e percebe que tem uma ilha faltando

nos sensores, vamos lá checar.

Chegando na ílha de lancha Celeste afirma que não pode detectar a bagaça mesmo que estejamos a vendo na nossa

frente. Ótimo sistema de camuflagem. Vamos pra ilha e somos recebidos com pancadas na parte de baixo da lancha

Mergulho e vejo um kraken estressado. Digo pra galera sair do barco, peço pra Celeste recolher o mesmo e

mandar um raio nas coordenadas do bicho enquanto Steve T faz um redemoinho com magia pro bicho ficar

quietinho. Um disparo e o bicho capota, Linux joga ele longe pra num encher mais o saco. Supondo que o tal

Animal esteja monitorando o bichinho digo pra ele vir nos enfrentar ele mesmo ao invés de mandar peixinhos.

Na ilha vamos passeando fuçando até cansar sem achar nada. Sabemos que a Mirage tem uma tara por bases

subterrâneas, então Steve T vai um buracão beeem fundo até topar com uma placa de pedra. Provavelmente haveria

cavernas naturais abaixo desta placa, então Steve T continua cavando até vermos luz. Descemos e vimos uma linha

de montagem, a mesma que Linux havia visto nas análises dos caranguejos e pistolas laser. Vários braços robóticos

contruíndo tralhas. Tento acessar os sistemas mas num consigo, vemos portas, vamos pra maior, desativo as

trancas, a porta abre e dispara um laser que pára no campo de força de Linux. Desativo o laser e seguimos. No

corredor a frente vemos portinhas nas paredes, ótimas pra saída de robôs pentelho. Steve T e Linux entortam as

portas pra não abrirem e eu ponho equipamentos pesados na frente pra nada sair dali. Então ouvimos algo grande se

aproximando pela frente, nos preparamos pra porradas e vamos em frente. Abrimos a porta e vemos o robô maluco

do Síndrome, o Omnidroid, dando oi.

Ligo minha camuflagem e vôo mas o bicho continua me detectando, então taco algo na cara dele pra tapar os

sensores. Os demoninhos de Steve T colam na cara do bicho e ficam atrapalhando. Steve T e Linux tentam puxar os

tentáculos pinçadores mas não conseguem. O bicho recolhe os tentáculos e começa a girar pra se livrar da

pentelhação, arremessa os demoninhos longe mas continua com o troço pesado bloqueando sua visão. Então Luck

vem na cara de pau e dá uma bicuda no bicho, e como ele dá azar pras coisas bate exatamente num ponto fraco,

danificando o bicho e fazendo ele parar de girar. Uns demoninhos ficam com Luck pra poder tirarem ele do alcance

do bicho que ele for revidar. Procuro algo na sala que possa ajudar a derrotar essa coisas mas num acho nada. O

bicho vem locão pra cima da galera mas os demoninhos continuam atrapalhando a visão e ele num pega ninguém.

Steve T faz um buracão no chão e o bicho cai desengonçado, Luck aproveita e desse a lenha. Vôo até na cabeça

do bicho e a estudo pra desativá-lo, então o demonião de Steve T que tava só olhando até o momento dá um tapão

e termina de danificar o bicho [que por sinal teve péssimos números nos dados].

Aproveitando que tô lá entro no sistema do bicho e fuço, descubro que tem uma porta secreta ali na sala que dá pra

sala de controle principal da ilha toda. Abro e me esbaldo nos controles. Vemos a ilha toda, vários robôs e animais

passeando, ums aranhas gigantes de verdade, um kraken bem maior que aquele que achamos, e um

robô-tiranossauro, além de vários veículos e portas. Vemos o Animal passeando pelo mato. Vemos também que

tem uma mansão embaixo de tudo onde provavelmente ficaria a Mirage. Tranco toda a ilha, desligo a camuflagem

pra Celeste poder ver o que tá pegando, ela analisa tudo com vontade, acha a Mirage na mansão e já aciona os

protocolos devidos da NSA.

Com o controle dos robôs da ilha mando eles pegarem o Animal e capotarem, o tiranossauro-robô resolve, Celeste

teleporta o capotado pra cela. Vamos pegar a Mirage, mexemos nos controles ambientais da mansão pra

atazaná-la, Steve T busca a mente dela e vê que ela tá puta mas sem medo, então deve ter algum truque ainda,

então desencanamos de ir até ela e Celesta a teleporta também. Fuçando a mansão achamos o quarto dela que mais

parece um templo ao Síndrome, aparentemente a maluca romântica só queria se vingar mesmo. Descobrimos que

ela tinha um back up do Dr. Elétron robótico, ela programou o troço com a personalidade do Síndrome e soltou-o

no mundo sem nenhum controle dela, então não temos nenhum sinal do paradeiro dele e do que pretende, mas

sabemos que vamos trombar ele um dia. Pilhamos loucamente e voltamos pra base.

E mais uma vez a cidade de Metroville foi salva, graça aos Guadiõõõões.

h1

1º sessão da minha mesa de M&M aleatória

06/11/2009

1º sessão da minha mesa de Mutantes & Malfeitores aleatória

Mesa genérica, então não espera muito, é só farra mesmo. Nessa todos tem uma introdução comum. Cada um é de uma época diferente. A Graci é Xifeng, uma imortal das lendas chinesas kung fuzeras. Danizinho é Centurion, policial especial de Tokyo do século 23 com seu parceiro cachorro robótico inútil. E Alex com Alex Masters, aventureiro inglês do século 19 que é truta dos espíritos africanos e mexe com animais. Todos lutavam em seus respectivos tempos contra um vilão desconhecido, um crânio flutuante com um manto e uma ampulheta pendurada onde seria o pescoço, além de poderes de se transformar em areia. Num momento da luta, devido a xabus aleatórios os momentos se conectaram e os heróis passaram a se verem na luta, e mais xabus depois tudo foi pros ares e energias começaram a rolar. Foram jogados num túnel sem gravidade onde imagens de tempos diferentes passavam pelas paredes. Sem muito o que fazerem pra evitar são jogados pelo túnel, o crânio malvado aparece gigantão aloprando eles  e caem em algum lugar. Daí começamos a zica toda.

time_tunnel
Aparecem num lugar árido, com o sol na jaca, ouvindo gritaria. Depois de passar a zonzêra avistam uma horda de homens pelados e primitivos correndo loucamente em direção deles, com lanças, pedras e porretes. E um vagão de metrô todo enferrujado enterrado. A horda já vai tacando as tralhas em cima dos heróis. Centurion puxa sua espada energética e deflete uns, o resto se espativa na armadura brilhante dele. Masters sai correndo, já Xifeng fica meio aturdida pela situação e toma umas espetadas pra acordar.

Cavemen--C10087743

Bárbaros ululantes

Todos correm dali, sobem morrinhos e vêem num vale um monte de dinossauros, daqueles abobados, passeando de boa. Ou dragões, segundo Xifeng. Achando ser mais seguro com os dinossauros eles descem o morro e vêem as cabecinhas ugabugas no alto do morro xingando eles.

Se apresentam, o cachorro de Centurion faz toda uma propaganda do herói de Tokyo. Deduzem terem sido mandados de volta no tempo ou para algum outro mundo ou dimensão. Notam que pelas teorias não deveriam haver humanos e dinossauros no mesmo período. E percebem que a lua está mais próxima da Terra. Masters vai trocar uma idéia com o dinossauro. Por azar escolheu o único surdo do bando todo. hehehe Depois de um tempo pra chamar a atenção do bicho consegue se comunicar mentalmente. Num consegue nada de útil do bicho, mas enquanto fica fofocando pula de trás duma moitinha um tigrão azulado muito invocado.

tigre01

É primo do Gato Guerreiro

Os heróis tretam com o tigrão, Masters o comanda pra ir embora mas outro aparece, mais treta, Xifeng dá umas bicudas, Centurion erra tudo, Masters dá uns tiros, o cachorro robótico de Centurion é despedaçado pelo tigrão, até que o bicho capota com uma pesada bem dada de Xifeng. Centurion recolhe os pedaços de seu parceiro pra consertar depois enquanto Masters analisa o local atrás de um lugar pra se abrigarem. Acha um lugar perfeito, com um enebriante aroma de falha crítica, e todos vão pra lá.
fail
Chegam numa caverna simpática entre pedras. Não notam bichinhos nem nada de mal, só que a caverna parece certinha demais, toda redondinha. Analisam e acham ranhuras e sinais de que teria sido esculpida, mas sem desenhos ou qualquer detrito pelo chão ou paredes. Vão entrando, improvisam umas tochas e seguem. O caminho continua proporcional, fazendo curvas, ladeiras e subidas suaves. Sentem um ventinho quente vindo do fundo da caverna. Discutem sobre o que tá pegando e sentem um ventinho mais forte e fedido que apaga as tochas. Resolvem sair dali, então escutam algo se aproximando rápido, correm no escuro dando cabeçadas na parede, Xifeng voando, a coisa se aproxima e engole Centurion e Masters. Xifeng consegue manobra e fica em cima da coisa. Tem uma pele dura mas o corpo maleável, Xifeng reconhece que a pele do bicho é responsável pelas ranhuras nas paredes.

Worm_of_the_Lavamountains_by_MasterStryke

Já tá percebendo o padrão?

Dentro do vermão Masters puxa sua faca e acerta um ponto sensível por sorte. O bicho se chacoalha, Master dá mais umas facadas e é derrubado dentro do bicho perdendo a faca. Centurion dá uns tiros mas num afeta a criatura, se junta a Masters mas são derrubados e ficam tomando linguadas enquanto Xifeng dá uns tapas por fora. Centurion se perde no meio das linguadas e é passado por uma cavidade mais pra dentro do bicho. Xifeng acerta uns golpes deixando o bicho mais chateado e chacoalhante. Masters usa seu controle de animais pra tentar convencer o bicho a soltar eles mas não consegue. Resolve apelar e força o bicho a vomitar, o problema é que o bicho num tinha muita estrutura pra isso, dá umas tremidas e grunhidos e expele tudo que tem dentro dele, heróis, animais, orgãos, bem nojento. Depois de um tempo o bicho para de estrebuchar e nossos heróis passam pelo horrendo mar de vômito e partes de verme. Notam que a armadura de Centurion tá meio danificada e as roupas de Masters tão bem zuadas, efeito do ácido que tinha dentro do bicho.

Quando saem da caverna já está de noite, mas eles lembram que só passaram uns vinte minutos ali dentro, ainda deveria ter muito dia pra passar. Discutem mais sobre o que houve, notam que a noite está quieta demais, nenhum mosquitinho passando. Xifeng voa pra cima pra ver o que rola na área, não vê animais em canto algum, só uns focos de chamas ao longe, e num lugar específico uma concentração maior de chamas no que parece ser uma construção bem alta. Desce, passa o relato e vão seguindo praquela direção discutindo as opções e eventos.

No caminho cai na frente deles uma ossada de pterodáctilo, não vêem ninguém nas proximidades, analisam e não acham nenhum sinal de que o bicho foi comido, só que está um pouco quebradiço. Centurion brilha e sua armadura desliga, aparecendo o japa descabelado. Discutem mais e vão seguindo.

Ao longe avista movimentação de chamas, se aproximam e vêem um humanóide verde com roupas primitivas e uma tocha. Xifeng voa de novo e vê que ele se direciona pruma concentração de chamas, possivelmente um acampamento. Discutem o que fazer e resolvem ir até o acampamento ver o que rola. Vão todos pacíficos, se aproximam bastante até que sejam notados, aparentemente não estavam esperando visitas. Dois humanóides com lagárticos com asas membranosas aterrissam com lanças enquanto uns sem asas vem com tochas e porretes. Cercam os heróis e os questionam. Xifeng consegue compreendê-los e fala com eles, explica a situação deles e pede ajuda. Os lagárticos conversam entre si, meio perdidos com a situação e aquela gente estranha. Um deles revira as coisas de Centurion e encontra os pedaços do cachorro robô, conversam entre si com termos técnicos tecnológicos  estranhos como se reconhecessem o equipamento. Eles chamam os heróis pra ir com eles, e enquanto caminham os heróis notam pendurados nas armas ou roupas dos lagárticos umas madeiras em formato de ampulheta. TÃ NÃÃÃ!!!

Chegam até o acampamento, vários lagárticos curiosos, um deles bem maior, com asas e peças de armaduras pelo corpo abre caminho pelos normais. [Detalhe para um pessoal duma mesa paralela jogando por ali cujas falas coincidiam exatamente com a situação que nossos heróis enfrentavam. Muito foda!] Masters como todo bom cavalheiro inglês estende a mão pra comprimentar o que parecia ser o líder deles. A multidão se espanta, rola um burburinho e o grandão rosna e fica em posição de combate, abrindo as asas enormes e rodeando Masters. Xinfeng pergunta o que tá pegando e o lagártico camarada diz que o Masters fez um desafio formal de pancadaria até a morte.

lagartão01

BRIGA! BRIGA! BRIGA!

O lagartão abre umas membranas perto das orelhas e guincha cuspindo um troço verde mas Masters esquiva, meio sem muita opção puxa o trabuco e dá na cara do lagartão. A bala bate em sua couraça grossa e fica lá reluzindo à luz do luar. Xifeng fica falando com o lagártico camarada atrás de um meio de interromper a luta. O lagartão voa e agarra Masters subindo com ele lááá pra cima. O camarada de Xifeng explica que o cara teria que fazer uns rituais bizonhos e tudo bem, o problema era falar isso pra ele agora. Centurion pergunta se alguém pode trocar de lugar com Masters, o cara consente, então Centurion diz que vai assumir a treta e aciona sua armadura [música, luzes e poses exageradas pro japa se vestir]. O lagártico fala que tudo bem, se o Masters sobreviver a volta pro chão. Masters tenta atirar e se debater mas nada resolve. Chama por um pterodátilo que passeia por ali e pede ajuda mas o ptero tem muito medo do lagartão pra ajudar na treta, então Masters pede pra que ele o salve quando o lagartão o jogar de volta no chão, o bicho topa. O lagartão desce rodopiando a toda velocidade dando um rasante soltando Masters. Nem Centurion nem o ptero conseguem pegá-lo na queda e Masters se estabaca no chão dando um oi pra inconsciência.

poke-knock2
Xifeng e uma galera vai até Masters enquanto Centurion entra no ringue chamando o lagartão pro pau. O lagartão aceita e já entra em posição de combate. Centurion puxa o pistolão laser e dispara ferindo o lagartão que fica bem puto e parte pro arrebento. Os dois trocam tapas, Centurion ganha uns machucados mas consegue um disparo certeiro que nocauteia o bicho. Xifeng cura Masters que acorda e pega carona no pterodátilo pra sair dali, a galera fica toda empolgada, dizem que agora o vencedor tem que devorar o corpo do perdedor e assumir todas as fêmeas dele. O heróis tentam amenizar a encrenca, explicam que foi só um mal entendido e que não querem zoar nada, o lagartão acorda bem chateado. Todo mundo discute, os heróis insistem em revogar todo o evento, a galera fica meio estressada, então o lagartão bota ordem no pedaço. Diz pra todos como um líder que os heróis vieram ali pra zombar das tradições e ofender as crenças, diz que eles assumiram que só querem deturpar os costumes e aceitam a traição e que vão ser punidos conforme as regras, por Terminus, e a galera repete “por Teeeerminuuuuussss!!!!!”.

Na metade disso Xifeng, que é a única que entende o que o cara tá falando, já diz pro Centurion correr e se pirulita dali. Ou tenta né. HUHUHUHU

h1

3º sessão da mesa de M&M do Benito

30/10/2009

3º sessão da mesa de M&M do Benito

Nessa nós jogamos com nossos pj de nível 8, os eventos ocorrem paralelamente a mesa dos pjs de nível 10. Nesse eu tô como Sagita, um lagartóide arqueiro com flechas mirabolantes. Temos a Graci como Kinema, uma psicona telecinética; o Tib como Darkwing, um cara tipo o asa noturna; e o Fabão com Rider, um engenheiro com uma armadura cheia de gracinhas.

Também somos membros da Aliança, o grupo gigante de heróis, e estamos cuidando de Nova York. Eu e Kinema recebemos informações sobre um roubo rolando numa loja da cidade de noitão. Chegamos lá e vemos uns bandidos levando as coisas. Kinema prende uns no chã com telecinece enquanto eu taco minhas flechas especiais. Um deles resolve atirar pra todo lado mas uma flechada resolve ele. Um cara que estava de longe mas com o grupo resolve fugir. Kinema fica cuidando dos bandidos enquanto eu voua trás do fujão. Ele foje pelo esgoto, vou atrás de boa. Ele chega num carro, eu pulo em cima do carro e vamos passeando pela rua, eu giro o volante com meu rabo fazendo o carro bater e o cara pedalar. Fuçando ele acho uma agenda com infos sobre um compromisso as três da manhã num armazém. Passo pra galera e vamos todos pra lá.

Kinema usa percepção extra sensorial pra ver o que tá pegando lá, vê uma renca de bandido, caminhões, caixas, armas, aparelhos genéricos, e um cara de branco meio kung fu. O cara de branco nota a espionagem e alerta todo mundo, que começam a se preparar. Perdemos o elemento surpresa, partimos pro ataque. Rider desliga a luz do armazém, Kinema estoura a portona com telecinese e tiro começa a voar pra todo lado, e fumaça deixa tudo mais escuro. Umas granadas de luz vem do armazém e nos deixam tontos por um tempo, Rider e Darkwing entram e começam a socar as pessoas. Rider sobe num caminhão e dispara raiões pra todo lado. Kinema arranca o teto com telecinese, vamos capotando os capangas, mas o cara de branco nem dá sinal de vida. Num dos disparos de Rider abre um rombo na parede que uns caras começam a fugir. Kinema e eu vamos atrás, ela os segura na telecinese e eu nocauteio na flechada.

Capangas - Agora na versão numerada

Capangas - Agora na versão numerada

Com os capangas acabados aparece o cara de branco do kung fu. Ele entra numa treta com Darkwing, lance “me mostre o seu kung fu”. Darkwing tá uma varetada mas o cara bloqueia, e devolve com umas bolinhas de fumaça que deixam darkwing tonto. Kinema chega e prende o cara com telecinese, o cara joga uma sementinha e uma árvore toma o lugar dele. Limpamos o lugar, descobrimos que faz parte da tal operação 2012 que não fazemos idéia do que seja, vamos investigar e enrolar por aí. Darkwing foi atrás duns mafiosos, fez umas inimizades mas num conseguiu nada.

No dia seguinte tá rolando uma chuva foda, de virar carro na rua, e recebemos relatos de catástrofes. Um tsunami vindo, a ponte gigantona chacoalhando pra cair, dois trens prestes a se beijarem, além de saques pela cidade. Distribuímos a galera pelas catástrofes, e chamamos mais uns companheiros de Aliança pra ajudar. Vem Kabuto, um armadurado porradeiro e Sahara, uma mina que controla terra. Eu e Sahara vamos cuidar do tsunami. Kinema cuida dos trens, e o resto cuida da ponte.

_thunder__by_Mrichston

Kinema segurou os trens com sua telecinese rapidinho, então foi ajudar com o tsunami. Na praia Sahara foi movendo a terra no mar pra diminuir a onda enquanto Kinema ia segurando com telecinese e eu ia tirando as pessoas e colocando obtásculos no caminho da água pra num avançar muito pra cidade. A onda veio mais baixa, fico ali na praia, molhou um pouquinho mas sussa. Na ponte o povo ficou amarrando os cabos pra segurar a ponte e Rider destruiu uns pontos específicos na ponte pra cair uns pedaços sem levar a ponte toda, dando tempo pra galera sair.

Dias depois de controle de dano salvamos as pessoas em apuros pela tragédia, cuidado de bandidos e ajudando no que pudessemos e o exército tava jogando comida no Central Park por que tava difícil de chegar na cidade. Num momento uns Trols, os caras que usam as drogas que dão poderes, vieram tocar o terror no parque saquear tudo. Vamos lá bater neles, Kinema já tava lá cuidando da segurança, tenta pegar os caras mas o líder é fortão e taca um pedaço do chão nela, a nocauteando. Chegamos e vemos o Trols fazendo a zona, batendo em pessoas, levando as comidas, entramos na porrada, sentamos o prego nos meliantes. Descobrimos que tá rolando um lance da máfia comandando os saques e tretas diversas, mais pra investigamos depois.

troll01

Trolls - Temos que espancar agora antes que amadureçam

Recebemos informes do time na Califórnia dizendo que vão resolver o lance na falha de San Andreas, então redividimos o grupo pra próxima sessão.