Archive for the ‘da Graci’ Category

h1

4º sessão da mesa de M&M da Graci

24/11/2009

4º sessão da mesa de Mutantes & Malfeitores da Graci

Nessa só eu (Besouro Negro), Thener (Steve T) e Alex (Linux). Entrou o André como Luck, cara com poderes de azar.

Após a captura do Dr. Elétron falsificado nos reagrupamos na base e checamos nossas opções. Sabíamos que a tal maluca ex-comparsa do Síndrome, a Mirage (a mina do cabelo branco), tava comandando tudo duma ilha que não sabíamos onde ficava. Fomos checar a antiga ilha do Síndrome.

Chegamos na ilha, tudo deserto, sem sinal de ninguém, reviramos tudo, fuçamos equipamentos e nada, só animais passeando. Voltamos e fomos checar os arquivos dos antigos vilões que o Síndrome tinha. Na fuçança achamos uns nomes, entre eles um vilão conhecido como Animal, um uga buga que controlava animais. Fazendo cruzamento de relatos achamos uns casos estranhos envolvendo animais, vários invadindo cidades e casas pra roubar tranqueiras e num padrão, a cada dois meses em cada local, até que o rastro pára numa cidadezinha no interior dos EUA seis meses atrás. Fomos lá investigar atrás desse tal Animal.

Será que é esse?

Tentando não fazer alarde fomos a paisana. Linux e Luck conversar com o povo e Steve T foi pro mato conversar com bichinhos e plantas. Eu fiquei na base monitorando e jogando paciência. No povoado, Linux e Luck vão pruma lanchonete e ficam puxando assunto, papos inúteis com caipiras diversos. Resolvem checar a pousada. Enquanto isso Steve T fala com os bichos no mato. Fala com uns e num consegue nada, explode tocas com magias de controle de terra e soterra as criaturas depois. Dou um piti e ele tira a terra de volta, bicho sádico. hehehe Steve tromba Linux e Luck na pousada. Lá eles distraem o dono enquanto escaneiam o livro de registros mas num tem nada de útil. Alugam um quarto e conversam com o dono, descobrem que há seis meses atrás uma horda de guaxinins invadiram as casas roubando aparelhos eletrônicos e fugiram pro mato. Da base escaneamos a área e achamos uma pilha de metal no meio do mato. Eles dão um perdido no pousadeiro e teleportamos pra pilha de metal. Vários aparelhos eletrônicos estragados. A poscognição de Linux mostra que os guaxinins traziam os aparelhos já quebrados e largavam ali. Fuçamos a pilha e vemos que são só aparelhos quebrados, nada de peças faltando nem qualquer coisa incomum. Steve T fala com as árvores e elas dizem umas abobrinhas inúteis. Vamos checar o rio, pois pelo padrão do trajeto do suposto Animal ele vinha pelos rios. Achamos mais aparelhos no fundo do rio, mas nada. Achamos uma cabana rústica, Linux checa com poscognição e vê o UgaBuga morando lá, mas pega umas emoções estranhas, como se ele tivesse confuso, ganancioso mas perdido, como se agindo contra a vontade. Juntando com o lance do controle mental que o Dr. Elétron sofreu, deduzimos que o cara tava mesmo com a Mirage. Sem mais pistas voltamos pra base.

Celeste (nossa base) fica investigando banco de dados diversos, e nós vamos conversar com o Dr. Elétron verdadeiro que capturamos. Conversamos com ele mas ele num tem nada pra ajudar, pedimos pra ele liberar  a mente dele pra Steve T fuçar e ele libera. Steve T checa no fundinho e descobre que a ilha da maluca é ao sul donde fica a do Síndrome, e uns pedaços de planos mirabolantes dela. Celeste fuça e percebe que tem uma ilha faltando nos sensores, vamos lá checar.

Chegando na ílha de lancha Celeste afirma que não pode detectar a bagaça mesmo que estejamos a vendo na nossa frente. Ótimo sistema de camuflagem. Vamos pra ilha e somos recebidos com pancadas na parte de baixo da lancha Mergulho e vejo um kraken estressado. Digo pra galera sair do barco, peço pra Celeste recolher o mesmo e mandar um raio nas coordenadas do bicho enquanto Steve T faz um redemoinho com magia pro bicho ficar quietinho. Um disparo e o bicho capota, Linux joga ele longe pra num encher mais o saco. Supondo que o tal Animal esteja monitorando o bichinho digo pra ele vir nos enfrentar ele mesmo ao invés de mandar peixinhos.

Isso com wasabi deve ser um delícia

Na ilha vamos passeando fuçando até cansar sem achar nada. Sabemos que a Mirage tem uma tara por bases subterrâneas, então Steve T vai um buracão beeem fundo até topar com uma placa de pedra. Provavelmente haveria cavernas naturais abaixo desta placa, então Steve T continua cavando até vermos luz. Descemos e vimos uma linha de montagem, a mesma que Linux havia visto nas análises dos caranguejos e pistolas laser. Vários braços robóticos contruíndo tralhas. Tento acessar os sistemas mas num consigo, vemos portas, vamos pra maior, desativo as trancas, a porta abre e dispara um laser que pára no campo de força de Linux. Desativo o laser e seguimos. No corredor a frente vemos portinhas nas paredes, ótimas pra saída de robôs pentelho. Steve T e Linux entortam as portas pra não abrirem e eu ponho equipamentos pesados na frente pra nada sair dali. Então ouvimos algo grande se aproximando pela frente, nos preparamos pra porradas e vamos em frente. Abrimos a porta e vemos o robô maluco do Síndrome, o Omnidroid, dando oi.

Singelo...

Ligo minha camuflagem e vôo mas o bicho continua me detectando, então taco algo na cara dele pra tapar os sensores. Os demoninhos de Steve T colam na cara do bicho e ficam atrapalhando. Steve T e Linux tentam puxar os tentáculos pinçadores mas não conseguem. O bicho recolhe os tentáculos e começa a girar pra se livrar da pentelhação, arremessa os demoninhos longe mas continua com o troço pesado bloqueando sua visão. Então Luck vem na cara de pau e dá uma bicuda no bicho, e como ele dá azar pras coisas bate exatamente num ponto fraco, danificando o bicho e fazendo ele parar de girar. Uns demoninhos ficam com Luck pra poder tirarem ele do alcance do bicho que ele for revidar. Procuro algo na sala que possa ajudar a derrotar essa coisas mas num acho nada. O bicho vem locão pra cima da galera mas os demoninhos continuam atrapalhando a visão e ele num pega ninguém. Steve T faz um buracão no chão e o bicho cai desengonçado, Luck aproveita e desse a lenha. Vôo até na cabeça do bicho e a estudo pra desativá-lo, então o demonião de Steve T que tava só olhando até o momento dá um tapão e termina de danificar o bicho [que por sinal teve péssimos números nos dados].

Lembrem-se: heróis de verdade reciclam!

Aproveitando que tô lá entro no sistema do bicho e fuço, descubro que tem uma porta secreta ali na sala que dá pra sala de controle principal da ilha toda. Abro e me esbaldo nos controles. Vemos a ilha toda, vários robôs e animais passeando, ums aranhas gigantes de verdade, um kraken bem maior que aquele que achamos, e um robô-tiranossauro, além de vários veículos e portas. Vemos o Animal passeando pelo mato. Vemos também que tem uma mansão embaixo de tudo onde provavelmente ficaria a Mirage. Tranco toda a ilha, desligo a camuflagem pra Celeste poder ver o que tá pegando, ela analisa tudo com vontade, acha a Mirage na mansão e já aciona os protocolos devidos da NSA.

Meu mais novo bichinho de estimação

Com o controle dos robôs da ilha mando eles pegarem o Animal e capotarem, o tiranossauro-robô resolve, Celeste teleporta o capotado pra cela. Vamos pegar a Mirage, mexemos nos controles ambientais da mansão pra atazaná-la, Steve T busca a mente dela e vê que ela tá puta mas sem medo, então deve ter algum truque ainda, então desencanamos de ir até ela e Celesta a teleporta também. Fuçando a mansão achamos o quarto dela que mais parece um templo ao Síndrome, aparentemente a maluca romântica só queria se vingar mesmo. Descobrimos que ela tinha um back up do Dr. Elétron robótico, ela programou o troço com a personalidade do Síndrome e soltou-o no mundo sem nenhum controle dela, então não temos nenhum sinal do paradeiro dele e do que pretende, mas sabemos que vamos trombar ele um dia. Pilhamos loucamente e voltamos pra base.

E mais uma vez a cidade de Metroville foi salva, graça aos Guadiõõõões.

4º sessão da mesa de Mutantes & Malfeitores da Graci

 

Nessa só eu (Besouro Negro), Thener (Steve T) e Alex (Linux). Entrou o André como Luck, cara com poderes de

azar.

Após a captura do Dr. Elétron falsificado nos reagrupamos na base e checamos nossas opções. Sabíamos que a tal

maluca ex-comparsa do Síndrome, a Mirage (a mina do cabelo branco), tava comandando tudo duma ilha que não

sabíamos onde ficava. Fomos checar a antiga ilha do Síndrome.

Chegamos na ilha, tudo deserto, sem sinal de ninguém, reviramos tudo, fuçamos equipamentos e nada, só animais

passeando. Voltamos e fomos checar os arquivos dos antigos vilões que o Síndrome tinha. Na fuçança achamos uns

nomes, entre eles um vilão conhecido como Animal, um uga buga que controlava animais. Fazendo cruzamento de

relatos achamos uns casos estranhos envolvendo animais, vários invadindo cidades e casas pra roubar tranqueiras e

num padrão, a cada dois meses em cada local, até que o rastro pára numa cidadezinha no interior dos EUA seis

meses atrás. Fomos lá investigar atrás desse tal Animal.

Tentando não fazer alarde fomos a paisana. Linux e Luck conversar com o povo e Steve T foi pro mato conversar

com bichinhos e plantas. Eu fiquei na base monitorando e jogando paciência. No povoado, Linux e Luck vão pruma

lanchonete e ficam puxando assunto, papos inúteis com caipiras diversos. Resolvem checar a pousada. Enquanto

isso Steve T fala com os bichos no mato. Fala com uns e num consegue nada, explode tocas com magias de

controle de terra e soterra as criaturas depois. Dou um piti e ele tira a terra de volta, bicho sádico. hehehe Steve

tromba Linux e Luck na pousada. Lá eles distraem o dono enquanto escaneiam o livro de registros mas num tem

nada de útil. Alugam um quarto e conversam com o dono, descobrem que há seis meses atrás uma horda de gambás

invadiram as casas roubando aparelhos eletrônicos e fugiram pro mato. Da base escaneamos a área e achamos uma

pilha de metal no meio do mato. Eles dão um perdido no pousadeiro e teleportamos pra pilha de metal. Vários

aparelhos eletrônicos estragados. A poscognição de Linux mostra que os gambás traziam os aparelhos já quebrados

e largavam ali. Fuçamos a pilha e vemos que são só aparelhos quebrados, nada de peças faltando nem qualquer

coisa incomum. Steve T fala com as árvores e elas dizem umas abobrinhas inúteis. Vamos checar o rio, pois pelo

padrão do trajeto do suposto Animal ele vinha pelos rios. Achamos mais aparelhos no fundo do rio, mas nada.

Achamos uma cabana rústica, Linux checa com poscognição e vê o UgaBuga morando lá, mas pega umas emoções

estranhas, como se ele tivesse confuso, ganancioso mas perdido, como se agindo contra a vontade. Juntando com o

lance do controle mental que o Dr. Elétron sofreu, deduzimos que o cara tava mesmo com a Mirage. Sem mais

pistas voltamos pra base.

Celeste (nossa base) fica investigando banco de dados diversos, e nós vamos conversar com o Dr. Elétron

verdadeiro que capturamos. Conversamos com ele mas ele num tem nada pra ajudar, pedimos pra ele liberar  a

mente dele pra Steve T fuçar e ele libera. Steve T checa no fundinho e descobre que a ilha da maluca é ao sul donde

fica a do Síndrome, e uns pedaços de planos mirabolantes dela. Celeste fuça e percebe que tem uma ilha faltando

nos sensores, vamos lá checar.

Chegando na ílha de lancha Celeste afirma que não pode detectar a bagaça mesmo que estejamos a vendo na nossa

frente. Ótimo sistema de camuflagem. Vamos pra ilha e somos recebidos com pancadas na parte de baixo da lancha

Mergulho e vejo um kraken estressado. Digo pra galera sair do barco, peço pra Celeste recolher o mesmo e

mandar um raio nas coordenadas do bicho enquanto Steve T faz um redemoinho com magia pro bicho ficar

quietinho. Um disparo e o bicho capota, Linux joga ele longe pra num encher mais o saco. Supondo que o tal

Animal esteja monitorando o bichinho digo pra ele vir nos enfrentar ele mesmo ao invés de mandar peixinhos.

Na ilha vamos passeando fuçando até cansar sem achar nada. Sabemos que a Mirage tem uma tara por bases

subterrâneas, então Steve T vai um buracão beeem fundo até topar com uma placa de pedra. Provavelmente haveria

cavernas naturais abaixo desta placa, então Steve T continua cavando até vermos luz. Descemos e vimos uma linha

de montagem, a mesma que Linux havia visto nas análises dos caranguejos e pistolas laser. Vários braços robóticos

contruíndo tralhas. Tento acessar os sistemas mas num consigo, vemos portas, vamos pra maior, desativo as

trancas, a porta abre e dispara um laser que pára no campo de força de Linux. Desativo o laser e seguimos. No

corredor a frente vemos portinhas nas paredes, ótimas pra saída de robôs pentelho. Steve T e Linux entortam as

portas pra não abrirem e eu ponho equipamentos pesados na frente pra nada sair dali. Então ouvimos algo grande se

aproximando pela frente, nos preparamos pra porradas e vamos em frente. Abrimos a porta e vemos o robô maluco

do Síndrome, o Omnidroid, dando oi.

Ligo minha camuflagem e vôo mas o bicho continua me detectando, então taco algo na cara dele pra tapar os

sensores. Os demoninhos de Steve T colam na cara do bicho e ficam atrapalhando. Steve T e Linux tentam puxar os

tentáculos pinçadores mas não conseguem. O bicho recolhe os tentáculos e começa a girar pra se livrar da

pentelhação, arremessa os demoninhos longe mas continua com o troço pesado bloqueando sua visão. Então Luck

vem na cara de pau e dá uma bicuda no bicho, e como ele dá azar pras coisas bate exatamente num ponto fraco,

danificando o bicho e fazendo ele parar de girar. Uns demoninhos ficam com Luck pra poder tirarem ele do alcance

do bicho que ele for revidar. Procuro algo na sala que possa ajudar a derrotar essa coisas mas num acho nada. O

bicho vem locão pra cima da galera mas os demoninhos continuam atrapalhando a visão e ele num pega ninguém.

Steve T faz um buracão no chão e o bicho cai desengonçado, Luck aproveita e desse a lenha. Vôo até na cabeça

do bicho e a estudo pra desativá-lo, então o demonião de Steve T que tava só olhando até o momento dá um tapão

e termina de danificar o bicho [que por sinal teve péssimos números nos dados].

Aproveitando que tô lá entro no sistema do bicho e fuço, descubro que tem uma porta secreta ali na sala que dá pra

sala de controle principal da ilha toda. Abro e me esbaldo nos controles. Vemos a ilha toda, vários robôs e animais

passeando, ums aranhas gigantes de verdade, um kraken bem maior que aquele que achamos, e um

robô-tiranossauro, além de vários veículos e portas. Vemos o Animal passeando pelo mato. Vemos também que

tem uma mansão embaixo de tudo onde provavelmente ficaria a Mirage. Tranco toda a ilha, desligo a camuflagem

pra Celeste poder ver o que tá pegando, ela analisa tudo com vontade, acha a Mirage na mansão e já aciona os

protocolos devidos da NSA.

Com o controle dos robôs da ilha mando eles pegarem o Animal e capotarem, o tiranossauro-robô resolve, Celeste

teleporta o capotado pra cela. Vamos pegar a Mirage, mexemos nos controles ambientais da mansão pra

atazaná-la, Steve T busca a mente dela e vê que ela tá puta mas sem medo, então deve ter algum truque ainda,

então desencanamos de ir até ela e Celesta a teleporta também. Fuçando a mansão achamos o quarto dela que mais

parece um templo ao Síndrome, aparentemente a maluca romântica só queria se vingar mesmo. Descobrimos que

ela tinha um back up do Dr. Elétron robótico, ela programou o troço com a personalidade do Síndrome e soltou-o

no mundo sem nenhum controle dela, então não temos nenhum sinal do paradeiro dele e do que pretende, mas

sabemos que vamos trombar ele um dia. Pilhamos loucamente e voltamos pra base.

E mais uma vez a cidade de Metroville foi salva, graça aos Guadiõõõões.

Anúncios
h1

3º sessão da mesa de M&M da Graci

22/10/2009

3º sessão da mesa de Mutantes & Malfeitores da Graci

Dessa vez só eu, Linux e Steve T.

Seguimos pelo covil do vilão Dr. Elétron, agora ignorados pelos robôs caranguejos guardiões. Equação diz que perdeu contato com a cópia dele que ele deixou com o doutor. Chegamos num corredor onde descobrimos umas micro mini camerazinhas dentro das paredes. Equação atravessa pela parede mas num vê nada por estar escuro, então Steve T usar seu controle de terra e molda a parede fazendo um buracão pra passarmos. Chegamos numa sala cheia de corpos humanos feitos de borracha, tipo um estúdio de arte pra moldar pessoas. Provavelmente preparando espiões pra infiltrar sabe lá deus onde.

Ou vai ver é só uma tara inofensiva...

Ou vai ver é só uma tara inofensiva...

Como o local parecia grande e não sabíamos pra onde ir Equação espalhou suas cópias pra todo lado, atravessando as paredes até achar algum lugar que valesse a pena irmos. Pelos relatos de Equação as cópias foram parar em salas aleatórias cheias de tranqueiras, mas uma das cópias foi morta. Ele envia mais umas pra o ponto que a cópia sumiu enquanto Steve T vai abrindo caminho pelas paredes.

Mais cópias são perdidas, Steve abre o último buraco e chegamos numa sala com uns robôs humanóides com trabucos, um mega raio laser, um tubo com botões e um cara nas sombras. Linux segura os tiros com seu campo de força, Steve T e Linux arremessam os robôs num canto com telecinese e eu os desabilito eletronicamente com meu escudo. Entramos na sala, vou voando até o laser e começo a desabilitá-lo pra não rolar surpresas. O cara de sombras se revela o doutor Jefreys, a pele dele começa a cair e vemos as partes metálicas. Steve T o segura com telecinese, e depois o envolve na parede, travando-o.

Dr. Elétron - Parece bem mais malvado agora, não?

Dr. Elétron - Parece bem mais malvado agora, não?

Alguém abre o tubo que havia na sala e de lá sai um dr Jefreys confuso e assustado. Ele pergunta ao que tá pegando, dizemos que o Dr. Elétron pegou ele e tava construindo uns equipamentos. O cara dá uma engasgada, os manos sacam que o cara tem culpa no cartório. Ouvimos batidas na parede da outra sala, aparentemente os robôs caranguejo tão socando o caminho pra sala. Tento controlar os caranguejos mas num rola. O mega raio laser começa a se mover como se estivesse vivo, Steve T o enterra no chão. Linux e eu arrebentamos o resto do corpo do Dr. Elétron de metal e tudo sossega.

Achamos o rubizão que o dr tinha levado da sede da NSA, o dr Jefreys confessa que já foi o Dr. Elétron. Enquanto checo os dados dos computadores do local tudo apaga, aparentemente alguém controlando de fora. Deduzimos que alguém tá juntando coisas dos vilões pra tocar o terror. Na mente do Dr. Jefreys Steve T e Linux descobrem a imagem duma mulher de cabelo prateado e bonita. Descobrem também sobre uma ilha misteriosa que ainda não sabemos onde é. Algemamos o Dr. Jefreys pra investigação e enquanto estamos indo embora meu escudo é desativado. Alguém de fora tentou nos intimidar, mas coragem e burrice andam lado a lado, certo?

A mocinha boazinha malvadinha

A mocinha boazinha malvadinha