Archive for the ‘Gigantes’ Category

h1

1º sessão de M&M: Gigantes

12/03/2010

1º sessão de M&M: Gigantes

É um campanha estilão D&D só que usando o Mutantes & Malfeitores. NP10. Os Pjs são dum feudo num reino dominado por gigantes de todo tipo. O reino é formado por montes de rochas enormes flutuantes conectadas por correntes enormes. Manda quem pode, obedece quem tem juízo é o lema. Os Pjs são um grupo que sai pelo mundo pra arrumar recursos pro feudo. Estão jogando o Foice como Rabudo, brutamontes casca grossa e com rabo. Leo como Sombra, mago das sooombras. Danizinho como Ternura, um avatar da Vida ou algo assim. E Hugo como Samambaia, um cara meio árvore controlador de plantas. Bem, esses não são os nomes dos pjs mesmo, é que eu num lembro dos reais…

Vamos elevar a escala de destruição, sim?

Começamos com nossos heróis (há!) em paz descansando depois de voltar de uma coleta tranquila. Quando urros e gritos são ouvidos. Todos correm pra ver o que tá pegando e é um bichão duns 30m pisoteando tudo. Parece uma javalizão deformado, e ele tá arrebentando toda a área de estocagem. O povo começa a socar a criatura. Sombra usa magias pra segurar a coisa  e afetar sua mente. Samambaia fica trocando idéia com uma árvore ali do lado e usa suas plantinhas pra atacar o bichão também. Ternura continua dormindo. Rabudo desce a porrada com seu rabo, atraindo até uma certa admiração duns perdidos. Baratas graúdas se espalham vindo do bichão. Depois de derrubarem a criatura ela começa a ressecar como uva passa. Uns manés que se molharam com sangue dela são corroídos, até as plantinhas murcham.

Bacon Atroz

Como nenhum dos líderes do lugar estão por perto Rabudo vai atrás deles. Desce pelo interior da rocha e encontra manés mortos com partes necrosadas. Segue pelos túneis e encontra sopa de guardas no chão, literalmente. Pisando naquela meleca chega até a sala dos chefes, começa a sentir calafrios e sente um toque em seu ombro. Vira-se e não vê ninguém, então Volta lá pra fora.

Sombra e Samambaia fica especulando como aquilo aconteceu, suspeitam de invocações, traições, sabotagem, todas essas coisas felizes. Ternura aparece e relatam pra ele o que rolou. Todos avistam o líder do local chegando com uns guardas e generais. Ele ignora toda a zona e segue pra sala vip junto com uns generais. Outros ficam dando ordens pra aumentar a segurança e limpar tudo. Rabudo o segue pelos túneis enquanto Samambaia espiona via plantinhas. O líder passa por tudo, vários conselheiros e gente de status vem encher o saco mas ele só olha feio e o povo afasta, então ele segue pra salinha vip.

O patrão

O povo analisa os estragos, Samambaia conversa com as plantinhas que relatam aleatoriedades. Rabudo lembra de ter visto um outro grupo trazer uma caixa misteriosa pro estoque. Acham um teco de madeira com uns riscos que Sombra identifica como lances místicos. Vasculham atrás do resto e acham boa parte do que pode ter sido a tal caixa misteriosa com símbolos místicos. Mas são interrompidos por manés aleatórios chamando eles pra se reportarem por chefe pois tem missão pra eles. Samambaia esconde os tecos de madeira no chão e se enterra reuinindo-os depois.

Um general os chama. Cara brutão montado numa tartaruga atroz diz que como os estoque foram comprometidos os grupos precisam sair de novo e trazer mais coisas. Diz pra trazerem carne principalmente. Partem, no caminho vão montando o quebra-cabeças da caixa. Passam pela rocha-guarita no limite do feudo, notam que os guardas são novos, diferentes dos que costumam ficar por lá. Rabudo sente cheiro de sangue nas armas dos caras, Samambaia encontra via plantinhas os corpos enterrados dos caras que costumavam guardar o local. Ternura percebe umas distorções no ambiente e detecta vida escondida. Pressionam os guardas enquanto Ternura desfaz o efeito que esconde a forma de vida misteriosa. Aparece na frente dele um lagartão marrom mal encarado e bufando. Começa a pancadaria.

Talvez um pouco menos drag queen

Samambaia ataca mas não causa nada. O lagartão tenta abocanhar Ternura mas pisa em falso e acaba deslizando pra trás. Rabudo e Sombra arrebentam os guardas com facilidade. O lagartão salta sobre todos quando Sombra deixa tudo escuro. Ternura corre pra se proteger na guarita, Samambaia se enterra, Rabudo fica socando o vento. Uma pedra grande cai em cima do rabo de Rabudo o prendendo por pouco tempo, até ele arrebentar a pedra. Sombra tira a escuridão justo quando o lagartão vai atacar Rabudo, e a luminosidade repentina o faz errar. Mais pancadaria e Ternura consegue possuir o corpo do lagartão. De posse do corpo ele deixa o lagartão ser preso pelas plantas de Samambaia até morrer.

Enquanto avaliam o resultado notam ao longe um povo prestando atenção. Numa rocha flutuante ao longe uns humanóides alados e armados se aglomeram e partem na direção da guarita. Samambaia faz crescer uma árvorezona, Sombra derruba uns com um bloco de sombra. Rabudo atira com as armas da guarita. Os alados vem aos montes, uns param na árvore, outros nas armas, outros na porrada. Ternura possui um deles e fica fingindo. Sombra toma uns ataques mas sobrevive, Samambaia fica usando a árvore pra bater. Até pedalar todos os alados. Os que não caem fogem, Sombra controla um deles pra instigar os outros a voltarem mas eles recusam e fogem. Chega a cavalaria, contam os corpos, um bucado de carne pro povo.

Cada um enfrenta os inimigos que merecem